O Camões do Fromage. Autor: Alexandre Luís

Chegaram finalmente! Sejam bem-vindos a casa.

Todos sabemos que eles esperam ansiosamente pelos dias em que podem voltar a pisar a terra que os viu partir. E sem qualquer falácia, são de louvar todos aqueles que não esquecem as suas origens, trazendo a saudade no olhar. Como é bom ver as aldeias, as vilas e as cidades do Interior encherem-se de emigrantes que trazem o rebuliço próprio de quem esteve ausente durante um ano. Uma eternidade para a maioria. A economia local parece revigorar-se com a chuva abençoada de pessoas. Os cafés enchem-se; os supermercados ficam abarrotados; alguns produtos esgotam.

Desde sempre que fico fascinado com a azáfama dos regressados, ainda que temporariamente, porventura por ter sido filho de emigrantes. Todavia o que mais me surpreende atualmente é a ostentação patriótica que hoje vemos nas filas do supermercado ou nos desfiles improvisados de uma qualquer feira diurna ou noturna. Se na minha altura os meus pais exibiam na parte traseira do carro o famoso cão castanho que abanava a cabeça a cada travagem mais impetuosa, hoje vemos nos vidros traseiros dos carros uma gigantesca cruz da seleção, e não só. Vemos famílias totalmente equipadas com a camisola da seleção portuguesa, com os mais fervorosos a ostentar tatuagens da cruz nos braços ou nas barrigas das pernas. Seria de louvar todo este patriotismo, no entanto toda esta exacerbação patriótica cai em saco roto. Infelizmente. E sem querer de todo generalizar, sabemos que existe uma grande percentagem desses “novos patriotas” que de patriota pouco têm, pelo menos na verdadeira aceção da palavra. Porque simplesmente não há patriotismo sem a defesa e elevação da língua portuguesa. E é neste ponto que reside o busílis da minha divagação, se assim a posso chamar. É um punhal que se crava na minha alma quando ouço um suposto patriota disparar a verborreia do franguês. Alguns poderão até nem conhecer totalmente a língua de Camões, porém outros conhecem-na bem. Demasiadamente bem. Como aquele senhor que certo dia ouvi na secção de charcutaria. Ostentando o orgulho da pertença numa camisola de CR7, ia olhando hesitante para os diferentes produtos expostos na vitrina. Depois de uma certa ponderação, lá conseguiu formular parte do seu pedido: “Trezentos gramas…”. Como fiquei orgulhoso dele e da nossa língua. Ele tinha dito «Trezentos gramas…». Digno de registo! Porque grama, com o sentido de peso, é do género masculino. A grama, do género feminino, é nome de relva. Era de louvar! Um exemplo para muitos que se dizem portugueses e que nunca saíram do nosso retângulo. Olhei-o e pareceu-me vislumbrar por breves e eternos segundos o novo Camões. E como ele era magnânimo e… “Trezentos gramas de fromage”. “…de fromage.” O Camões apontava para um pedaço de queijo vermelho. Vermelho como o sangue das palavras derramadas da nossa língua ao longo dos séculos.

Não consegui olhá-lo mais. Aguardei a minha vez, culpando a minha louca ingenuidade. Pedi o que tinha de pedir. Depois de ter ido aos corredores dos produtos escrevinhados na minha lista, lá me dirigi como um autómato para a única caixa aberta. À minha frente, lá estava o Camões do Fromage. Baixei os olhos, envergonhado, e ali orei para que Deus me tornasse surdo por alguns momentos. Não atendeu o meu pedido. Tenho faltado às missas, compreendo. Os diálogos estabelecidos entre o Camões do Fromage, a suposta esposa, que o acompanhava, e a operadora de caixa cortaram-me a garganta do coração.

Mulher: «Não trouxeste fiambre?»

Camões do Fromage: «F_ _ _ – _ _! Esqueci-me!»

(O Camões do Fromage virando-se para a operadora)

«Eu volto já… Vou só buscar jambon… Já volto…»

E lá foi na sua demanda o Camões do Jambon…

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico.

Alexandre Luís (Custom)Alexandre Luís
Foi professor e formador de Português/Francês durante vários anos, até que a famigerada crise o convidou a outros voos. Ultimamente tem-se dedicado à escrita e à fotografia, tendo previsto, num futuro próximo, a edição de um livro de contos e de um romance.

 

LEIA TAMBÉM

O verdadeiro papel do cuidador não é fácil. Autora: Ana Margarida Cavaleiro

A doença de Alzheimer é cada vez mais uma realidade na nossa sociedade. Esta condição, …

Crónicas de Lisboa: “Os Livros que ninguém lê”. Autor: Serafim Marques

Graças aos novos processos de produção, tornou-se relativamente fácil e barato editar um livro. Por …

  • Guerra Junqueiro

    Mais um texto de Mestre. Parabéns.

    Que eles chamem ao pão, pã e ao vinho vã, ainda vá que não vá. Mas a gente a ver que a aquilo é mesmo queijo, e chamarem-lhe fromage é tomarem-nos por doidos.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • A. Almeida

    Excelente texto. Parabéns.
    É preciso é continuação.

    A. Almeida

  • Pritágoras

    Muito bem…
    Resta saber se este fenómeno, que já conhecemos em Portugal há muitos anos – então e os “estrangeirados?” – não mereceria um estudo sério, deslavado de preconceitos, em todos os seus aspectos.
    Felizmente, Portugal é um país onde, por força da secular vocação emigratória das suas gentes – agora já não se fala de emigrantes mas sim de “portugueses a residir no estrangeiro” – hoje, prefiro dizer que é nele que desaguam e se confundem, como um todo, esses traços de uma lusofonia multifacetada e decadente, provocada, essencialmente, pelas elites que nos deram os desgovernos, as falcatruas, as golpadas, a televisão, os desacordos ortográficos, as novas gramáticas…e o permanente andar a pedir dinheiro aos estrangeiros.,,,para não falar do antigo e sistemático abandono dos governos em relação ao seu dever de dar resposta, em Bom Português e de Cultura Portuguesa, por esses países europeus fora, e não só, aos portugueses e seus filhos, e netos e às suas necessidades educativas… no estrangeiro.
    Neste caso, o exemplo da CPLP de pouco serve….com o “figurino” que agora lhe deram.
    Bem, mas como convém dar final a este comentário, aludo a um outro facto, este sim de lesa qualquer coisa, que foi a intervenção televisiva do sr Governador do Banco de Portugal, no último Domingo – a propósito do Bom e do Mau -, em directo nas televisões portuguesas, para nos desassossegar!- intervenção essa com que nos brindou com um conjunto de expressões em Inglês, repetidas, em assuntos de Estado, e que me ficaram no ouvido, algumas, pela magnífica pronúncia.
    E Isto, também , prezado senhor Alexandre Luís, não lhe merecerá um artigo?