O diferendo infindável do caso de um portão da Quinta do Regatona freguesia da Bobadela

O diferendo do licenciamento de um portão da Quinta do Regato na freguesia da Bobadela

Pedro Dias comprou uma quinta, Quinta do Regato, na freguesia da Bobadela, concelho de Oliveira do Hospital, mas não encontra forma de poder instalar um portão à entrada do caminho que alegadamente se encontra dentro da sua propriedade. O tribunal já recusou o direito de passagem a um dos vizinhos. Mas quando se preparava para colocar um portal, Pedro Dias viu o processo esbarrar na recusa de licenciamento por parte da autarquia. Pedro Dias diz que numa das deslocações ao local, o autarca José Carlos Alexandrino terá justificado a decisão por considerar aquele caminho público, dado que cerca de seis metros foram asfaltados pela autarquia no mandato de um anterior presidente. “Falta de vontade”, acredita Pedro Dias.

“Disse-me que aquilo é caminho público. Mas que culpa tenho eu se colocaram lá o alcatrão, num terreno que segundo todos os documentos atestam que é meu, aquele espaço faz parte da minha propriedade. Caso contrário, que me provem o contrário. Mas também lhe disse que se o caminho era público então que o alcatroem até à minha casa. A verdade é que quando comprei o terreno, também paguei o que está alcatroado”, frisa Pedro Dias, alegando que a falta de resposta positiva por parte da autarquia para a colocação do portão pode ter a ver com a amizade entre o autarca e o proprietário de um lagar vizinho, por António Manuel Dias, com quem Pedro Dias assume ter alguns diferendos. “O que não entendo é porque a mim me é negado esse direito, quando o outro munícipe teve o direito de fechar caminhos públicos com portões. Terá a ver com algumas patuscadas que se calhar fazem nesse local? Terá a ver com o poder de uns e a modéstia de outros? Será por causa da minha recusa de participar em listas políticas?”, interroga-se Pedro Dias, dando a título de exemplo da sua razão, além das provas que possui, a sua vitória em tribunal numa acção interposta pelo vizinho e proprietário do lagar que viu recusada a possibilidade de utilizar aquele caminho. A solução poderia passar por uma nova acção judicial, mas Pedro Dias diz não ter meios para suportar mais disputas na justiça. “Quem é pobre tem sempre estes problemas…, mas temos direito a que nos seja reconhecida razão quando a temos”, lamenta.

O diferendo infindável do caso de um portão da Quinta do Regatona freguesia da BobadelaO CBS tentou esclarecimentos junto da autarquia, mas recebeu apenas uma resposta formal por parte do departamento de comunicação da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital. “Existe um diferendo de natureza civil que extravasa a competência desta autarquia e que terá que ser decidido em sede própria (entenda-se, os tribunais), uma vez que não se pode afirmar com um grau mínimo de certeza jurídica que o caminho integra a propriedade do requerente, requisito este, indispensável para se poder licenciar uma obra particular”, explica a nota da resposta, sem qualquer alusão aos caminhos públicos que terão sido encerrados por um outro proprietário. A missiva diz ainda que a própria Junta de Freguesia da Bobadela, formalmente questionada pelos serviços competentes sobre o assunto em causa, emitiu um ofício em 26 de Julho de 2012, onde refere o seguinte: ‘(…) pensamos que este caminho é um caminho de partes no local onde se pretende colocar o portão, dando acesso às propriedades agrícolas das pessoas acima mencionadas’, adiantando ainda que “ depois de questionadas, no âmbito do processo, as pessoas referenciadas pela mesma Junta de Freguesia assumiram ter o direito a passar no referido caminho para aceder às suas propriedades”.

Uma resposta que não convence Pedro Dias que diz esperar por uma explicação do autarca José Carlos Alexandrino “que permite a alguns vedar caminhos públicos e a outros nem sequer deixa colocar um portão no seu próprio terreno”. “Aqui estão em causa os meus direitos e só por não ter os mesmos meios não estou disposto a abdicar deles”, remata.

O CBS falou ainda com fontes que estiveram ligadas ao alcatroamento daqueles poucos metros de caminho e explicaram que aquele trabalho serviu para que não viessem detritos para a estrada, desconhecendo que tenha existido qualquer cedência por parte do anterior proprietário para espaço público. O actual presidente da Junta Vasco Ribeiro tem procurado por todos os meios resolver este problema, mas não sabe como o irá conseguir.”É um caso complicado. Nunca consegui perceber bem esta situação”, refere, adiantando que ainda não perdeu a esperança de juntar todos a uma mesa e resolverem a situação. “Isso é que o que eu queria e continuo a acreditar que será possível”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …

  • Politicalex

    Bem… no do hotel das Caldas, mandaram levantar a calçada e tiveram azar.recorreram e já levaram outra vez “para tabaco”. Eles não dizem mas, cá o GC, através do Adjunto de Ordens, vai sabendo. Desta vez o Dr.Ramalhete não veio dizer nada..!Como sui dizer-se a “gente gaba-se é das que dá”. Das que leva, “gabam-se os outros”…Pois é… Não tiram uma..! Mas, como somos nós a pagar, até que lhes chegue ao corpo, vão-se divertindo..! Cá para mim, licenciava o portão ao homem..Não acredito que seja por caua das “comezainas” mas… depois que vi o porco na bicileta…já não digo nada…

  • Francisco Cruz

    Caro Politicalex
    Está mal informado!
    Nas Caldas de S. Paulo quem mandou levantar a calçada que a Junta de Freguesia lá havia colocado, com o patrocínio da Câmara, foi o proprietário.
    Perante essa atuação, a Câmara é que decidiu avançar com uma queixa crime e pedido de indemnização contra o proprietário.
    Como já foi publicado neste jornal, o Ministério Público mandou arquivar a queixa, considerando que o caminho é privado e que as pedras da calçada lá colocada, são parte integrante da propriedade!
    O restante conteúdo da sua notícia, não comento, para já!
    Tal como o senhor(a) aguardo pelas declarações do ilustre que referiu.
    Cumprimentos
    Francisco Cruz

  • Politicalex

    Tem razão .A frase está mal construida quanto ao sujeito. Quanto ao verbo e ao predicado está correcta, como se pode ver pela restante notícia. A ideia também era ver se alguém vinha “corrigir”. Veio, mas não foi quem eu queria. Como foram tão lestos a dizer que não tinham perdido porque iam apresentar recurso, podiam ter sido eles a dar a notícia.Só que, daquele lado,só dão as que lhe convêm..! Mas porque são obrigados, dão o resultado, em linguagem técnica, na informação aos membros da Assembleia. Diz-se lá:

    Inquérito nº189/13.9TAOHP
    Apresentada participação-crime contra o responsável da empresa “CRAPTUR”-Apartamentos Turisticos Unipessoal Lda”.Foi determinado o arquivamento do processo de inquérito.

    Ainda bem que há tribunais Não fora isso como é que nos defendíamos deste “quero posso e mando”..! As minhas desculpas pela gralha…

    Já agora, também lá vem uma queixa contra o Sr.António Lopes e contra o Beira Serra. Só agora é que a Câmara descobriu que o tribunal já se foi. Se tem começado esta de meter processos(para perder) a toda a gente, mais cedo, o tribunal não tinha fechado..!
    Estão piores que o Mário Alves…

    Depois ficam muito ofendidos qundo se diz:VOLTA MÁRIO ALVES,QUE ESTÁS PERDOADO!!!!!!!!!!!

  • Francisco Cruz

    Caro Politicalex
    Mais uma vez, a informação relativa ao processo de inquérito 189/13.9TAOHP, está “politicamente correta”!

    INFORMAÇÃO CORRETA:
    Data de arquivamento 14/4/2014
    Notificação do arquivamento 12/6/2014
    Insurgimento contra o despacho de arquivamento 7/7/2014
    Indeferimento do recurso 26/9/2014, pela Procuradora da República, coordenadora

    A informação, ora prestada à Assembleia, tem 6 meses de atraso e não está em conformidade com os factos!
    Nada de novo!
    Cumprimentos
    Francisco Cruz

    • Politicalex

      Claro…O contrário é que seria de admirar…Mas, não se preocupe. Estamos a lidar com gente “cumpridora” dos bons princípios , sâ moralidade e “profundos” “democratas”..! Agradeço a disponibilidade e esclarecimentos.Como su dizer-se e se prova, a mentira e ou as “imprecisões” têm a perna curta..!