O fim do oásis…

São os abates, as podas mal dadas, os carvalhos que, no parque do Mandanelho, abortam à nascença e, em Ervedal da Beira – na quinta da Serrana –, as centenas de árvores que ficaram entregues à sua sorte.

Há mais de um ano, os serviços da CMOH quiseram dar um ar exótico a uma das entradas da cidade e, para isso, nada melhor que umas palmeiras. O problema é que, conforme documentam as imagens recolhidas pelo correiodabeiraserra.com, o oásis não passa agora de uma miragem.

E tudo isto acontece num município onde o presidente da Câmara se confessa como um amante da natureza. “Sou muito sensível à preservação da floresta. Ao contrário do que as pessoas possam pensar, desde que estou na Câmara temos plantado muitas árvores em todos os locais onde nos seja possível”, afirmou Mário Alves ao Diário as Beiras, dia 17 de Agosto.

LEIA TAMBÉM

A morte do silêncio. Autor: Renato Nunes

Confessou-me recentemente um octogenário, com o qual tenho vindo a aprender outro significado de ser …

O papel da Cardiologia de Intervenção na prevenção do AVC. Autor: Lino Santos

O acidente vascular cerebral (AVC) continua a ser a principal causa de morte e incapacidade …