“O legislador confere ao Presidente da Junta eleito o direito de propor quem com ele deve trabalhar no executivo”

O impasse na constituição do executivo da Junta de Travanca de Lagos parece não ter fim à vista. António Soares continua a dizer “não” a um executivo do qual façam parte os cabeças de lista do PS e PSD e lembra que é ao próprio que assiste o direito de propor “quem com ele deve trabalhar”.

Volvidos quase dois meses desde as eleições autárquicas, o problema em tono da constituição do executivo da Junta de Freguesia de Travanca de Lagos continua por sanar. Eleito pelo movimento independente “Travanca Unida Sorri”, António Soares tomou posse como presidente e mantém, por esta altura, a Junta em situação de “gestão corrente” contando com os préstimos dos vogais do executivo anterior.

Em causa está o desentendimento entre o presidente eleito e os cabeças de lista do PS e PSD na constituição da equipa que vai gerir os destinos da autarquia nos próximos quatro anos. A falta de acordo reside no facto de António Soares não recuar naquela que vem sendo a sua posição de não integrar no executivo os cabeças das listas menos votadas (Tomás Pedro, do PS e Fernando Viegas, do PSD).

Para trás, está um primeira reunião, datada de 19 de outubro, em que nenhuma das 11 propostas apresentadas pelo presidente de Junta foi validada pelo facto de nenhuma reunir os três cabeças de lista candidatos àquela freguesia.

O caso que já motivou, a 26 de outubro, uma reunião com o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, o líder da concelhia socialista e os três cabeças de lista quase foi dado como resolvido, por daquele encontro ter saído a proposta de formação de executivo com os três cabeças de lista. Veio, porém, a não surtir efeito com o presidente de Junta a transmitir em reunião de 29 de outubro a sua discordância . “É falso ter mudado de opinião, porque não assumi qualquer posição na reunião que tivemos com o senhor Presidente da Câmara”, vem esclarecer António Soares, clarificando não ter sido o próprio a avançar com tal proposta, nem ter sequer existido qualquer proposta escrita.

Num comunicado onde rejeita as acusações que lhe foram dirigidas por pelo cabeça de lista do PS, que o acusa de atitude “anti democrática” e de, neste processo, “dar o dito por não dito”, António Soares vem também informar já ter comunicado ao presidente da Câmara a disponibilidade de formar executivo com os elementos das listas do PS e PSD, mas que não sejam os seus cabeças de lista. “Não consideramos estarem reunidas condições para a formação de um executivo com os cabeças de lista das outras forças concorrentes, dados todos os desenvolvimentos, acusações e mentiras de que temos vindo a ser alvo de forma infundada e pública”, refere António Soares, lamentando também que aquela proposta comunicada pelo presidente da Câmara aos cabeças de lista tenha, mais uma vez, sido rejeitada.

“O Movimento Independente surgiu e apresentou-se a eleições por não se rever em nenhum dos cabeças de lista, quer do Partido Socialista quer do Partido Social Democrata”

“Seremos nós, Movimento Independente que estamos a prejudicar a Freguesia de Travanca? Seremos nós que estamos agarrados ao poder tal como temos sido acusados? Não, não somos.”, constata António Soares, lembrando que “o legislador confere ao presidente da Junta eleito o direito de propor quem com ele deve trabalhar no executivo”. Até porque, lembra, António Soares “o Movimento Independente surgiu e apresentou-se a eleições por não se rever em nenhum dos cabeças de lista, quer do Partido Socialista quer do Partido Social Democrata”. “Convém lembrar ainda que os referidos cabeças de lista já foram duas vezes derrotados em eleições. O povo da Freguesia de Travanca de Lagos sabe o que quer, sendo que nunca lhes deu a vitória, demonstrando, deste modo, que não quer que nenhum desses cabeças de lista ocupe o cargo de presidente da Junta”, sustenta António Soares, chamando a atenção para o facto de “a única pessoa eleita diretamente pelo povo” ter sido “o cabeça de lista do Movimento Independente que se apresentou a eleições pela primeira vez”.

Em todo este processo que tarda em ser resolvido e muita tinta tem feito correr, o presidente eleito da Junta de Freguesia de Travanca de Lagos assegura não estar “agarrado ao poder”, nem ter tido qualquer atitude “desrespeitosa, autoritária ou antidemocrática para com os cidadãos da nossa freguesia nem para com os membros das listas derrotadas nestas eleições”. “Ao invés, temos sido acusados de forma, essa sim, antidemocrática e até mesmo desrespeitosa, infundada, caluniosa e falsa”, regista António Soares, notando que desta forma estão a ser desrespeitados “todos os eleitores e todas as pessoas da nossa Freguesia, que merecem ser respeitados na sua dignidade”.

LEIA TAMBÉM

Fiscalização da GNR sobre automobilistas levou a sete detenções

Detido em Seia traficante de estupefacientes

A GNR de Seia e de Paranhos da Beira detiveram um homem de 23 anos, …

Mortes em acidente em Tábua no acesso ao IC6

Dois homens morreram hoje na sequência de uma colisão frontal entre duas viaturas ligeiras numa …

  • Erasmo de Roterdao

    Algo anda mal, no Reino de Sua Majestade..! E os votos, Sr.Presidente.Isso é verdade.E os poderes de representação? Acaso não tem, apenas, um terço..?

    • João 8:32

      Sr Erasmo…

      Para quase advogado, há coisas que pelos vistos tem dificuldades em perceber, mesmo já lhe tendo sido explicadas anteriormente por mais que uma pessoa para além de mim…

  • João 8:32

    Acho muito importante o Presidente da Câmara vir dizer o que se tem passado e como se tem passado. Não só para se proteger a ele próprio, mas como participante na situação.

  • João 8:32

    E já nem sequer está em causa o executivo ser composto por um de cada lista (pelo que isso já não deverá fazer mais confusão ao Sr Erasmo de Roterdão), mas sim o facto dos cabeças das listas derrotadas não aceitarem um executivo com um de cada lista que não eles!
    Afinal, acusam o Presidente da Junta estar agarrado ao poder, mas na realidade são os cabeças da lista derrotadas que o estão…
    Fico triste..Nunca pensei isso do Sr. Tomás, que sempre disse pensar no bem-estar da freguesia…afinal parece que não é bem assim…

  • Erasmo de Roterdão

    O Senhor Erasmo só tem uma posição: As decisões, em democracia, para serem legítimas, têm que ter uma base maioritária.Ponto.Por enquanto, daqui a tempos vai ser diferente,ainda não é .Então, quer que um terço dos votos tenham mais poder que os dois outros terços..? Que raio de democracia é essa? Ou só leu um cheirinho da vontade do legislador..? É preciso ler tudo..!

    • Estrangeiro

      Senhor Erasmo: Afinal o senhor já voltou a aparecer. e ainda bem, porque parece ainda não estar farto de levar “pancada”. De facto, ao que eu sei, foi o senhor Presidente da Câmara que apresentou a proposta de ser um elemento de cada no executivo da Junta. Também sei que o senhor António Soares não apresentou qualquer proposta nessa reunião. E nem se vinculou à proposta do senhor Presidente, tendo dito que iria auscultar os membros da sua lista. O que está aqui em causa é a verdade que, pelos vistos, os cabeças de lista das duas outras forças políticas , querem ocultar. ~´a agora, o senhor Erasmo sabe ( eu sei que sabe, porque já falámos disso) que o cabeça de lista do PS quando foi Presidente daa Junta fez uma ata assinada por ele e por um outro membro da junta de então dizendo que não auferia nada da junta e nesse mesmo dia emitiu e recebem o seu “vencimento” de Presidente da Junta? Afinal quem falta à verdade? O senhor acha que uma pessoa como esta tem credibilidade para vir exigir seja o que for? Parece que o senhor anda enganado quanto às pessoas que anda a defender! Porque será?

      • João 8:32

        Agora é que o Estrangeiro disse tudo…
        Tenho que dar mão à palmatória…Apoiei o Sr. Tomás, mas não o deveria ter feito…O Estrangeiro tem toda a razão…Eu abri os olhos a tempo…outros ainda não…

  • João 8:32

    Concordo plenamente com o que diz: as decisões em democracia têm de ter uma base maioritária. Foi por isso que ganharam os Independentes nas eleições. E também foi por isso que as propostas para a composição do executivo foram rejeitadas (maioria de não aprovação). Mas essas propostas – como está na Lei das autarquias locais – são feitas pelo Presidente da Junta. A lei não obriga a que ele tenha de fazer propostas com as quais não concorde. Faz as que quer….De facto é preciso ler tudo, e pelos vistos o Sr. Erasmo precisa de ler os artigos 9 n.º 1 e o 24 n.º 2 da lei 169/99…
    Por isso mesmo lá por não terem sido aprovadas as propostas não significa que o Presidente da Junta apresente propostas com as quais não concorde…Ele é que escolhe quem pretende para formar executivo, não quem lhe é imposto.
    Se não é nenhum vogal aprovado, paciência..a lei diz que os anteriores não cessam funções…

    Mas não é isso que se discutia aqui, Sr. Erasmo…Isso já foi antes…
    Aqui o que está em causa é que afinal, o que veio a púbico pelos cabeça de lista derrotados não corresponde à verdade do que aconteceu…
    E agora quem apenas pode e deve falar, é o Presidente da Câmara…

  • Erasmo de Roterdao

    Sei que sim.Quando acabarem os 6 meses, depois, voltamos a falar da lei..! Eleições..! É preciso ler na horizontal mas também é preciso ler na vertical..! A verdade é que a lista mais votada são 3 votos e as outras são 6.Se o Povo quisesse só os independentes, por certo tinha votado maioritariamente.Mas pronto.Siga…O presidente da Câmara não manda nada nas Juntas de freguesia,,,Se mandasse, se calhar, já estava resolvido…

    • João 8:32

      Podemos falar da lei quando quiser, pode ser que eu aprenda qualquer coisa consigo…
      Eleições com que motivo? Só porque sim? É que para haver só se alguma das listas renunciasse em bloco ou o Presidente da Junta desistisse…E ambas as situações não vai acontecer…De resto só há eleições quando é criada comissão administrativa, no caso de criação de novas freguesias…
      E o que é certo é que os cargos estão todos legitimados pelos resultados eleitorais…Aqui não há que ver na vertical nem na horizontal…Há que ver o que manda a lei e se está a ser cumprida…
      É verdade que houve 3 mandatos para a Assembleia de Freguesia para cada lista, mas o que é certo é que quem ganhou foi apenas uma lista…E embora mínima, ela ganhou, porque foi a mais votada…Houve maioria que deu origem a ter ganho…
      Agora, se me fala das outras duas listas, que se juntaram quando se dizia que não era “autorizada” tal coisa pelo PS, então aí de facto, as duas juntas têm mais votos quer nas eleições, como mais mandatos na assembleia de freguesia.
      Mas agora pergunto eu: Sr. Erasmo, afinal embora apoiando uma lista, de um partido, agora vê com bons olhos as duas juntas, só para que haja a maioria que tanto fala?
      O Presidente da Câmara pode não mandar, mas o que é certo é que tendo participado nessas reuniões, sabe quem está a dizer a verdade…

  • Erasmo de Roterdao

    Eu não vejo nada. Se acha que o presidente da junta consegue governar assim, por mim tudo bem.Eu nem vivo em Travanca..! Aprova o orçamento, como, toma decisões contra a maioria, como, etc.etc.E qual é a base democrática das decisões? Qual é a maioria que as suporta..? 3 vão impôr a vontade a 6?Chama-se a isto discutir o sexo dos anjos..! Pois… se calhar renunciam mesmo.Vão andar 4 anos em discussões escolásticas..?

  • Estrangeiro

    boa noite,

    Sr erasmos voltou e sem medo mas ou se porta como homenzinho ou entao terei
    que dizer o seu nome aqui o que nao sera bom para si. Como membro do PS na
    antiga Assembleia Municipal devia conhecer melhor a lei depois falava..entao
    as pessoas votaram para Assembleia de Freguesia aonde estao 9 membros 3
    independentes 3 ps 3 psd o unico eleito e o Sr Antonio Manuel mas a lei nao
    diz que tem que ser o 1 do ps e o 1 do psd.a lei diz que O Sr Presidente
    escolhe dos nove com quem quer trabalhar..Entao o Sr ja esta a dizer que os
    seis ja vao entravar o funcionamento da junta..Povo de Travanca olhem bem
    para o que se anda a passar esta provado quem quer entravar o funcionamento
    da Junta.

  • Erasmo de Roterdao

    O que mais me preocupa é que diga o meu nome.Andava aí um que o dizia todos os dias.O Salazar não me atrapalhou muito, vai ser agora que eu tremo das pernas?Sigam o caminho que andam a seguir que eu fico , na bancada, a assistir.As leis têm várias interpretações.Depois. há o direito consuetudinário-O costume faz lei.O costume, por estas bandas, e pelas outras,é tentar fazer uma maioria com alguém que garanta a governabilidade. Acontece que, no caso, até há duas opções.Eu, que não sou muito inteligente, não percebo porque não se encontra uma solução.O método de Hondt, é como é, precisamente para que as minorias tenham voz.Volto a dizer-lhe que, em democracia, o governo para ser legítimo, deve ter uma base de sustentação maioritária.Quando assim não se entenda, que posso eu fazer? É por causa da minha opinião que as coisas vão mudar? Se fosse, já estavam resolvidas…

    • Zezita

      Senhor Erasmo de Roterdão:

      Como o seu “nome “ indica eu já sabia que o senhor não vive
      em Travanca e como tal não pode sentir e conhecer profundamente os meandros da
      vida “política” de algumas pessoas desta freguesia. Não sabe, por exemplo, como
      decorreram as reuniões da Assembleia de Freguesia ao longo dos últimos quatro
      anos em que o Presidente da mesa era o senhor Fernando Viegas. Se soubesse não
      defenderia a ida para o executivo da Junta uma pessoa que nas reuniões chegava
      a dizer: “ Tu absténs-te; isto não é para ser votado”… Talvez não saiba que
      ainda há actas em falta deste último ano, talvez não saiba que a maioria das
      actas nada diz a não ser as discussões e as tricas que ocorreram nas reuniões e
      até fora delas. Talvez não saiba que depois de ser lida a maioria das actas não
      se consegue perceber o que é que as pessoas estavam a fazer ( e pagas com
      dinheiro de todos), talvez não saiba que um membro da lista do PS a quem o
      senhor Tomás Pedro prometeu que seria a Presidente da Assembleia neste mandato,
      rasgou as últimas actas em plena reunião da Assembleia. E vamos nós falar em
      democracia para estas pessoas? São estas pessoas que devem fazer parte de um
      executivo da Junta de Freguesia?!…

      Quero-lhe dizer que não sou Estrangeira. Eu por acaso sou de
      Travanca, estou muito atenta a tudo o que se passa e vivo cá 365 dias por ano,
      a não ser quando vou de férias, mas mesmo nessa altura acompanho e ouço as
      pessoas e mais…. estou atenta aos sinais que as pessoas manifestam. O senhor já
      reparou que ninguém, nem mesmo os comentadores de bancada, tal como eu, têm
      nada para apontar ao Presidente eleito? Por que será? A única coisa que dizem
      dele é que não aceita trabalhar com os cabeças de lista do PS e do PSD. Será
      que ele não tem razão? Coloque-se no lugar dele!…

      Venha a Travanca e fale directamente com as pessoas e tente
      perceber se alguém tem algo de mau a apontar com algum fundamento de verdade ao
      Presidente eleito. Tente também perceber se o mesmo se passa em relação aos
      outros cabeças de lista e às suas posturas.
      Só deve falar das coisas quem de facto as conhece bem.

      Tudo isto me faz lembrar um jogo de futebol ( e eu até nem
      percebo muito deste desporto) em que uma das equipas perdeu e protesta o jogo
      para o tentar ganhar na secretaria.

      O senhor Erasmo não acha que os cabeças de lista do PS e do
      PSD estão a prejudicar verdadeiramente as pessoas da sua freguesia? Ou será que
      estão à espera de ir para o executivo e abrir o champanhe que já tinham
      preparado para comemorarem a vitória nas últimas eleições e não o conseguiram
      beber por não terem ganho?!… Já leu um comentário acerca do seu camarada
      Tomás Pedro em que ele assinou uma ata no executivo da Junta da qual foi
      Presidente mais um vogal em que diz nada auferir da Junta e nesse mesmo dia
      recebeu e assinou o seu vencimento assim como nos meses seguintes. Grande
      carácter!…

      Senhor Erasmo: Porque será que as pessoas da Freguesia de
      Travanca nunca deram a vitória (e já lá vão duas derrotas para cada um) aos
      cabeças de lista do PS e do PSD (que nas eleições anteriores até concorreu numa
      lista de Independentes) ? Será que o povo tem memória curta ou são esses
      senhores que não conseguem perceber que as pessoas não os querem no executivo
      da Junta de Freguesia? Penso que é uma boa oportunidade para o senhor e pessoas
      como o senhor fazerem perceber a esses cabeças de lista que, de facto, o povo
      não gosta deles. Mas o maior cego é aquele que não quer ver… E parece que algumas pessoas andam a fazer o
      Elogio da Cegueira. Esses são tão cegos como os outros.

      • ABC

        Antevendo o cenário de eleições, nada como fazer campanha eleitoral!!!
        Boa Sr.(a)!!!

  • Erasmo de Roterdao

    E Pronto…eu, não defendo nada,nem ninguém, a não ser o bom senso .É muita discussão para tão pequeno problema.A verdade é que esses senhores (maus) tiveram quase os mesmos votos do candidato (bom). E contra factos…Neste caso, os “bons e os maus” definem-se pelos votos.Se o Povo votou assim..? Se os candidatos do PS e do PSD, são assim, mesmo maus, então não há muito a esperar.Vão demitir-se para subirem, outros? Eles concordam com isso? Como ficam os que os apoiaram? Não os vão acusar que desistiram? Não vão ser acusados de não irem à luta? Tem que se analisar de todos os lados.Se fosse fácil, não acha que já estava resolvido? Eu só acho é que esta situação não dignifica ninguém e não resolve os problemas.Problema, para mim, são os cortes que todos os dias fazem nas verbas que as juntas precisam e na vida de todos nós.Se vivemos numa mesma comunidade e não somos capazes de nos entender, então, só piora as coisas.Longe de mim estar a favor de qualquer dos candidatos.Estou do lado de uma solução por ser o que a todos interessa.Apenas e só…

    • João 8:32

      Sr Erasmo, eu também apoiei os “maus”, como se refere…E tal como eu, há muitos desiludidos com as atitudes dos cabeças de lista, em especial do Sr. Tomás…é verdade que ainda há uns quantos “iludidos”, mas cada vez menos.

      E não quer dizer que todos das listas derrotadas sejam maus…bem pelo contrário, há lá gente boa, que na minha opinião, nem sequer merecia cabeças de lista como aqueles e que apenas faz parte das listas por acharem que estariam em condições de ajudar a freguesia…
      Aliás, tenho falado com pessoas dessas listas, em especial da do PS, que estão desiludidas com o Sr Tomás e que inclusivamente nunca foram ouvidas por ele e que ele é que decidiu tudo sem elas, tendo-lhe imposto inclusivamente desde os lugares da lista até outras coisas que agora não vêm para o caso…
      E demitir-se para forçarem eleições não o vão fazer. Não só porque os cabeças de lista das listas derrotadas querem estar no executivo à força como também são esses mesmos desiludidos que fazem parte da lista aqueles que não irão renunciar mesmo que os outros o façam…
      Este “problema” só foi criado pelos cabeças de lista das lista derrotadas, como aliás, foram sendo criados outros que já foram aqui referidos pela “Zézita”, pela “atenta”e até mesmo por mim…

      Sendo verdade ainda o que a “atenta” diz dos rumores acerca das obras da igreja, e que também já ouvi, até de pessoas que o ouviram da boca do Sr. Tomás (que lhes disse que havia uma fatura que agora apareceu – de valor elevado – por pagar) é grave então o que se passa…E como então veio o Sr. Tomás, como fez publicamente, em cafés e na rua, mostrar a notícia da casa mortuária, criticando o antigo presidente, se está envolvido em coisas semelhantes?

      Apenas só quem vive no convento é que sabe o que lá vai dentro, Sr. Erasmo…Se vivesse na nossa Freguesia e conhecesse o Sr. António Manuel como nós conhecemos, sabia tal como nós que quase que nem era preciso haver o comunicado dos independentes para sabermos quem está a prejudicar a nossa Freguesia e quem está a faltar à verdade…E também saberia destas coisas que se estão a passar, como aliás saberia também, tal como nós, da integridade, bondade e honestidade do Sr. António Manuel. É verdade como a “Zézita” diz… Não se lhe aponta nada, porque não há nada a apontar…E o problema foi criado não por ele, mas pelos outros…

      Não é por causa da sua opinião que as coisas vão mudar, nem pela minha..mas todos nós temos direito a ela e temos direito de dizer a verdade quando alguém vem, ainda por cima a público, dizer coisas que não são verdade…

      Sr Erasmo, sempre ouvi dizer que o costume é fonte de direito, mas que o mesmo não pode ser contra a lei, porque uma lei só pode ser revogada por outra lei…É assim, não é?
      Assim, o costume não pode ir contra a lei…e a lei é clara quanto aos órgãos autárquicos e sua eleição…
      E como já lhe disse anteriormente, o método de Hondt existe e foi respeitado, mas ele só vale para a eleição dos membros da Assembleia de Freguesia, não do executivo (que resulta apenas das propostas do presidente).
      Se o Sr Erasmo não entende assim e acha que o método de Hondt deve existir na composição do executivo, então é o próprio Sr. Erasmo que parece querer criar a ideia de um costume contra a lei…A lei não obriga o método de Hondt…Permite o Presidente da Junta escolher o executivo conforme quiser, apresentando propostas…

      Mas o Sr. Erasmo só vê assim dessa forma porque o executivo da junta é composto por 3 pessoas: presidente e 2 vogais, para aplicar o 1-1-1… E se o executivo fosse composto por mais pessoas, como é o caso das freguesias com mais de 7000 eleitores? Ia aplicar também o método de Hondt, que é só para a Assembleia de Freguesia? É que não daria para fazer o 1-1-1 como gostaria…Ficaria uma espécie de assembleia com poderes executivos, além da Assembleia de Freguesia?

  • atenta

    Zézita não e só isso então a Sra. esqueceu que o Sr. Tomas quando saiu da junta como Presidente nem dinheiro deixou para pagar a luz teve que o presidente eleito pagar as contas da luz do seu bolso…. Fez as obras na casa do padre depois não houve dinheiro para pagar as obras…e agora já a rumores de que as obras que mandou fazer na igreja esta com o mesmo problema. Mas foi dito por ele e pelo Presidente da Camara que as obras estavam todas pagas no dia da festa de S. Pedro. já quer vender património da fabrica da igreja deve ser para pagar as obras. e quando sobe que havia muito dinheiro na irmandade correu com membros que la estavam para ser o juiz porque havia la muito dinheiro.

    • Louca

      Não vou responder a ninguém, até porque há comentários que não merecem qualquer resposta e só servem para atear mais o fogo. Não me chamo Loucura mas às vezes tenho ideias loucas e ao ler todos os comentários que têm sido publicados atrevo-me, a apresentar uma proposta (uma loucura talvez como todos os comentários que têm vindo a público), na tentativa de ajudar a encontrar uma solução, de modo a ultrapassar a formação do executivo da Junta de Freguesia da minha querida Travanca. Então aí vai a minha proposta (mas não me batam se eu disser alguma loucura ou barbaridade, sim porque eu de política nada percebo, só percebo que tudo vai mal no nosso país e ao que parece cada vez pior).
      Será possível formar a Junta com o Presidente eleito, o cabeça de lista do PS,
      durante dois anos, findos os quais este ocuparia um lugar na assembleia de
      Freguesia, entrando para a Junta o cabeça de lista do PSD que entretanto tinha
      estado na Assembleia durante dois anos e que ficaria também dois anos no
      executivo da Junta? Parece-me que assim todos se poderiam entender e partilhar o poder. Ás vezes é preciso pormo-nos do outro lado e é bom que todos possam passar pelas coisas para poderem senti-las. Penso que para isso bastava que todos colocassem de lado os machados de guerra e esquecessem tudo o que está para trás e olhassem para a frente de modo a ultrapassar tudo isto.
      Eu creio que isso era possível e tenho a certeza que o cabeça de lista dos
      Independentes (o Presidente eleito) seria capaz de gerar consensos (pelo menos eu acredito que ele seria capaz). Tenho a certeza que teríamos um bom executivo com o poder assim partilhado e em que todos estavam responsabilizados por todas as decisões e pela condução dos destinos da nossa freguesia. Bem, eu de leis não percebo nada, mas se isto fosse possível por lei, acho que seria uma boa solução. O melhor que todos têm a fazer é calarem-se, não fazerem comentários que não levam a nada e encontrar soluções. Desculpem, mas eu não tenho formação nem conhecimentos (ao contrário de algumas pessoas que aqui deixam comentários e dizem perceber de leis) para falar destas coisas mas digo apenas aquilo que eu acho. Seria um executivo em que durante dois anos estava um de cada lista (PS e PSD durante dois anos cada um). Será que fui clara ou nem tanto? Vá lá, senhor Tomás, senhor Viegas e senhor António Manuel, pensem nesta solução, tão parva como eu, esqueçam tudo e que alguém dê um passo em frente e resolvam isto de uma vez por todas. Não acham que isto era possível desta maneira, ou será que é contra a lei? A lei não permite a recomposição do executivo e da Assembleia a qualquer tempo? Então passados dois anos seria recomposto o executivo a a assembleia.
      Nada mais tenho a dizer, apenas que ficaria muito feliz se eu tiver contribuído com qualquer coisa de bom para encontrar uma solução, nessa altura eu digo que NÃO SOU LOUCA e que não estou a sonhar.

      Mas, por favor, não me “batam” porque eu não quero entrar em discussões que em nada contribuem para resolver o problema, antes pelo contrário e nada sei. Está a chegar o Natal e pode ser que haja uma estrelinha a brilhar que a todos ilumine.

      • João 8:32

        “Louca”, a sua ideia não seria descabida de todo e é válida, tal como todas as que servem para tentar resolver situações (até porque sabemos que o Sr. António Manuel sabe trabalhar em equipa e gerar consensos), mas no entanto tem problemas:
        1 – ambos os cabeças de lista do PS e PSD querem partilhar o poder para os 4 anos…
        2 – ainda que aceitassem uma proposta desse género, nada garantia que ao fim de 2 anos quem estivesse no executivo iria ceder o seu lugar ao outro…É que às vezes e pelos vistos, esquecem-se dos compromissos assumidos…
        3 – Não sei ainda se em termos práticos, e de gestão da junta, tal solução seria praticável porque quem ocuparia o lugar a seguir, apanharia o “comboio a meio”, havendo por isso decisões e projectos que já estariam em curso…Até poderia tal vogal ter uma opinião/voto diferente do anterior relativamente às mesmas coisas…
        4 – Por fim, a lei apenas se refere que em caso de substituição dos vogais da junta de freguesia procede-se a nova eleição dos vogais mediante proposta em assembleia de freguesia (tal como foi recentemente feito).
        Ora, tudo dependeria dessa votação…(Já no caso do presidente da junta, se este renunciar, a Câmara, após ter sido comunicado tal facto pelo presidente da assembleia de freguesia, convoca novas eleições).

        Resta saber por isso, se tal solução de compromisso seria respeitada por todos…e dadas as posições que alguns publicamente tomaram, tal situação pode-se tornar complicada ou até mesmo impraticável…

  • Ó pra eles

    Senhor presidente: Vai resolver este ano, ou vai deixar para o próximo..?Democracia e ego, não jogam…

    • João 8:32

      Vê-se logo que não conhece o nosso Presidente…Ego é coisa que não tem…Outros sim…têm muito, ao ponto de ainda não terem digerido as eleições que perderam…

    • Vira

      Qual Presidente? Já se ouviu aqui toda a gente possível e imaginária, mas ainda não se ouviu uma letrinha sequer do sr. Presidente da Câmara. Estamos todos curiosos para ouvir a sua posição acerca disto tudo.

      • João 8:32

        Penso que o “Ó para eles” se estava a referir ao Sr. António Manuel, a não ser que tenha percebido mal…
        Quanto ao da Câmara, também acho tem andado muito calado…