“O lugar do FCOH é no campeonato nacional”

 

A vitória de hoje frente ao Arganil teve sabor duplamente especial para o Futebol Clube de Oliveira do Hospital (FCOH). Para além de ter vencido o campeonato distrital da Associação de Futebol (AF) de Coimbra, a equipa comandada por Paulo Piedade conseguiu regressar ao patamar superior, de onde saiu há três anos.

“Ao final de três anos voltámos”, afirmou o presidente da direção do FCOH que, no início do seu mandato assistiu ao regresso do clube ao campeonato distrital. “Já tive que arcar com uma descida de divisão”, recordou Rui Monteiro ao correiodabeiraserra.com, sublinhando que, ao fim de “três anos de grande esforço” se prepara para deixar o clube com o sentimento de “missão cumprida”.

Sem deixar de elogiar o trabalho desenvolvido pelos jogadores e equipa técnica, Monteiro considera que a equipa voltou ao patamar onde deveria estar.

Fazendo questão de repetir o gesto realizado no ano passado com a Associação Desportiva Nogueirense, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital acolheu os campeões na sede do município e brindou-os com a notícia, de que irá propor ao executivo, a atribuição de medalha de mérito desportivo ao FCOH. “É uma questão de justiça”, afirmou José Carlos Alexandrino, considerando que “o lugar do FCOH é no campeonato nacional e não no distrital”.

Reconhecendo o mérito da equipa oliveirense, o presidente do município responsabilizou “as arbitragens altamente tendenciosas” pela descida de divisão do FCOH.

“Houve quem quisesse empurrar o FCOH para o distrital”, denunciou José Carlos Alexandrino, verificando ainda que “para descer é fácil, mas depois para subir é muito difícil”.

Ainda que tenha assegurado a intenção de o município continuar a apoiar o FCOH, José Carlos Alexandrino reiterou a sua promessa de dotar o clube de um campo relvado sintético, “para que os jovens tenham orgulho de jogar no FCOH”. “O executivo tem sensibilidade para resolver este problema”, asseverou.

O técnico Paulo Piedade reconheceu a postura da direção do FCOH que “mantém os ordenados dos jogadores em dia”. Paralelamente, apreciou o empenho dos jogadores, verificando que o FCOH “foi um clube que manteve sempre a mesma postura e que mostrou que queria ganhar”.

Confessando que há três anos não lhe passaria pela cabeça estar a comemorar a subida, porque nunca pensou que o FCOH fosse descer de divisão, o presidente da Assembleia Geral reconheceu que o clube merece estar no campeonato nacional.

Encarando a descida de divisão como “um acidente de percurso”, Mário Brito considera que o clube necessita de “estabilidade”. Apesar da saída anunciada de Rui Monteiro da direção do clube, Mário Brito deixou uma mensagem de tranquilidade aos jogadores e adeptos, assegurando que o FCOH vai continuar e que ele próprio vai tentar reunir uma nova direção para o clube.

LEIA TAMBÉM

O Bava da Bola

Um tal Bava, Zeinal de primeiro nome, foi presidente executivo durante anos da PT. Em …

Aquela máquina…

Dois golos de Cristiano Ronaldo e um de André Silva asseguraram a vitória de Portugal …