“O meu executivo não aumentou dívida nenhuma”

 

“Concordo com o endividamento da Câmara, mas estamos a cumprir obrigações”. A afirmação foi proferida há instantes pelo presidente da Câmara de Oliveira do Hospital que, em reunião da Assembleia Municipal reagiu à notícia veiculada por este diário digital relativa à atual dívida do município.

Numa altura em que se analisava a situação financeira da Câmara Municipal, José Carlos Alexandrino explicou que tal realidade não se esgota no valor da dívida e, deve ser tomado em linha de conta, o atual valor em disponibilidades e que se traduz em 3.428.840,92 Euros, representando um aumento de perto de dois milhões e meio de euros em relação ao valor registado em 30 de novembro de 2009 (953.746,67 Euros).

“O meu executivo não aumentou dívida nenhuma”, assegurou o autarca eleito pelo Partido Socialista que, não deixou de se revelar preocupado com o acréscimo das despesas do município. “Em 31 de maio, só em água pagámos mais 239 mil euros do que ano anterior… mais 62 mil euros em saneamento, mais 50 mil euros na recolha de lixo e mais 200 mil euros em combustível”, pormenorizou José Carlos Alexandrino.

Tomando por base os resultados financeiros da Câmara no mês e ano – novembo de 2009 – em que o atual executivo camarário tomou posse à frente dos destinos da autarquia oliveirense, o presidente da Assembleia Municipal lembrou que o resultado de 18 meses de exploração foi de 432. 790,18 Euros.

“A Câmara Municipal não se está a desviar em termos de endividamento e está perfeitamente controlada”, referiu António Lopes, que se regozijou pela existência de “situações novas em execução”. “Deixa-me tranquilo”, assegurou.

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital entre os municípios beneficiados pelo novo concurso do programa Centro 2020

O Centro 2020 publicou ontem o Aviso de Concurso SI2E – Atrair novo investimento empresarial …

Funcionários da ASAE contra operação anunciada para as áreas afectadas pelos incêndios

O sindicato dos funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) considerou hoje “lamentável” …