À Boleia Autor: André Duarte Feiteira

O país da Maria, do Manuel, das cunhas e dos tachos! Autor: André Duarte Feiteira

Que bonito é Portugal! Um país à beira mar plantado, com um clima afortunado e com pessoas bafejadas pela alegria, não estivesse a tristeza presente nas letras de fado e até poderia ter sido um país retirado dos livros de fantasia!

Depois de uma apresentação tão lisonjeira sobre o nosso país, devem estar a interrogar-se: o que estará a fazer um título tão “negro” neste texto? Pois bem, passo, já de seguida, a explicar.

Para a maioria de vós, que vivem diariamente por cá, nem será uma explicação, apenas uma viagem literária sobre o vosso dia-a-dia.

Somos o que somos, estamos como estamos, e só não vamos mais à frente, porque não nos deixam.

Não é estranho para vós que o povo português seja bem recebido em qualquer parte do mundo? Não é estranho que sejamos vistos como seres trabalhadores, empenhados, dedicados e pouco conflituosos e que fazendo jus a estes atributos, fizemos e fazemos crescer muitas das grandes potencias mundiais? Mas porque não o fazemos cá, pela própria pátria? Porque vivemos no país da Maria, do Manuel, das cunhas e dos tachos!

A maioria da classe trabalhadora deste país é esforçada e empenhada no desenvolvimento das suas funções, muitos dedicam mais tempo à sua área profissional do que à própria família. Passam anos a gerar riqueza a empresas em que, na maioria das vezes, nem conhecem o rosto do proprietário, nem o proprietário, o rosto dos funcionários. Como qualquer trabalhador dedicado e ambicioso, lá espera que um dia o esforço e as horas em prol da empresa possam trazer a merecida promoção, mas há sempre a Maria, que apesar de não perceber nada do assunto, é prima afastada do chefe, e coitada, é a única da família que ainda não tem colocação…. anos mais tarde vai haver sempre o Manuel, que embora também não perceba nada do oficio, lá casou com a Maria…

Vivemos num país em que as entidades patronais desmotivam um povo que teve o dom de nascer motivado. Um país que deixa de lado o mérito e o esforço de um trabalhador e que sem dó nem piedade coloca uma cunha e abre um tacho para alguém que não tem qualquer tipo de provas dadas. Não consigo vislumbrar qualquer tipo de motivação para um trabalhador que vê tanta Maria e tanto Manuel pela vida fora, assim como também não consigo perceber qual a personalidade e falta de ética de quem os lá coloca. A Maria e o Manuel, podem adjectiva-lo de “porreirismo”, mas o todo, que é e deve ser quem realmente interessa, vai apelida-lo de saloio, o tão conhecido chico-espertismo popular.

Assim como no sector privado, esta é a cara do sector público português, não se contracta por mérito nem por provas dadas, apenas porque há sempre uma Maria ou um Manuel! E enquanto for a nossa Maria ou o nosso Manuel, lá vamos fechando os olhos, tentando enganar o que já não engana ninguém, pois o tempo já provou que é impossível fazer crescer um país que vive enganado!

 

À Boleia Autor: André Duarte FeiteiraAutor: André Duarte Feiteira

LEIA TAMBÉM

tractor

Vítima de acidente com tractor em Oliveira do Hospital faleceu no Hospital de Seia

Um homem que ficou gravemente ferido num acidente com um tractor agrícola em Oliveira do Hospital …

“CORO” DA HEGEMONIA PS NA CÂMARA E NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL ACTUOU DURANTE A EDIÇÃO 2018 DA EXPOH – OLIVEIRA DO HOSPITAL. Autor: João Dinis

Escrevo este “opinião” a 30 de Julho de 2018. Ontem à noite, fui a Oliveira …