O presidente do PS da Guarda ameaça ministro para colocar “boys” na gestão hospitalar do distrito

O presidente do PS da Guarda ameaçou tirar a “confiança política” ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, se não nomear dirigentes do partido para a gestão hospitalar do distrito.A ameaça foi feita na última sexta-feira por António Saraiva ao ministro da Saúde, através de um e-mail enviado para o ministério.

O ministro decidiu nomear para a Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda Isabel Coelho, que não é militante socialista mas tem um currículo adequado à função. O dirigente do PS — que não tem a maioria na comissão política distrital — transmitiu ao ministro que “a federação do PS da Guarda” não pode “concordar e aceitar a proposta de equipa para integrar o próximo Conselho de Administração” da ULS.

No email ao ministro, António Saraiva pede directamente que os cargos de gestão sejam ocupados por militantes do PS, escrevendo que, “em termos locais e distritais, não é possível que um Conselho de Administração de uma estrutura como é a ULS da Guarda não integre um único elemento de plena confiança das nossas estruturas locais e concelhias”. No mesmo texto, o presidente da federação distrital socialista considera que a escolha de independentes “é o desacreditar do PS em termos distritais”, bem como da “afirmação” da estrutura e significa o “arrastar de graves consequências políticas.

LEIA TAMBÉM

José Carlos Alexandrino garante que existem três médicos dispostos a vir trabalhar para Oliveira do Hospital desde que sejam contratados pela tutela

Deputado do PS Santinho Pacheco defende encaminhamento de doentes renais de Seia e Gouveia para Viseu

O deputado socialista Santinho Pacheco, eleito pelo circulo eleitoral da Guarda, anunciou hoje que questionou …

A partir de hoje a origem do leite é obrigatória nos rótulos

A origem do leite, queijo, requeijão, iogurte, manteiga ou nata vai ser obrigatória nos rótulos …

  • Tachadas

    Não acredito O PS, nunca faria uma coisa destas.Esta notícia cheira-me a “Barretadas” e “Ricardadas”