“O senhor presidente da Câmara tem que compor aquilo que mandou estragar”

… queixam-se das lombas muito elevadas e exigem à Câmara que resolva o problema.

Os moradores da rua Principal, na localidade da Sobreda, na freguesia de Seixo da Beira estão indignados com a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital por continuar a adiar o arranjo das entradas para as habitações e terrenos contíguos àquela via.

A situação arrasta-se desde o final do Inverno passado e resultou dos trabalhos de beneficiação realizados naquela via de acesso ao centro da localidade, que obrigaram à elevação do piso, desnivelando as entradas já existentes para as habitações e terrenos. Na ocasião, a solução passou pela construção de rampas de acesso, mas que na maioria dos casos acabou por acentuar ainda mais o desnível e levando a que a água da chuva entre de enxurrada pelas entradas. Nalguns casos, o acesso de viaturas tornou-se quase impossível e há até a registar a existência de uma entrada que nem sequer beneficiou de nenhuma espécie de lomba, e que é tão só a que permite o acesso para a casa de Lídia Inácio, mãe do presidente da Junta de Freguesia (JF) local.

Desde Março que o descontentamento da população é do conhecimento do presidente da Câmara Municipal que foi, inicialmente, alertado pelo presidente da Junta de Freguesia, António Inácio e, numa fase posterior pelos moradores, incluindo o autarca na qualidade de filho de uma das habitantes lesadas. Em nenhuma das vezes, António Inácio obteve resposta do presidente do município, mas antes, foi o próprio engenheiro civil Manuel Cruz que através de ofício respondeu à primeira carta enviada pelo autarca, informando que caberia aos moradores lesados contactar o presidente da autarquia oliveirense para que o problema pudesse ser resolvido. “Informei todos os moradores dessa situação”, referiu António Inácio ao Correio da Beira Serra, garantindo que nunca mais obteve qualquer resposta da Câmara sobre o assunto.

“Por coincidência, a pior entrada é a dos pais presidente da Junta”

 

Volvido quase um ano desde o início das obras naquela via, o problema das entradas subsiste e ao CBS o presidente da JF não deixou de se revelar incomodado com o facto de a entrada para a casa dos pais ter sido a única onde o empreiteiro nem sequer fez uma lomba.

“Por coincidência, a pior entrada é a dos pais do presidente da Junta”, sustentou, contando que nunca mais pode entrar com o carro dentro da propriedade dos pais, nem sequer para deixar a mãe mais perto da porta de casa que, com 85 anos de idade, tem a sua mobilidade muito condicionada, fazendo uso de uma muleta para se auxiliar. “Eu tinha cá uma passagem boa e agora não tenho cá nada”, disse a própria ao CBS, acrescentando que “o senhor presidente da Câmara tem que compor aquilo que mandou estragar”.

Quem já foi contemplada com a visita do engenheiro da Câmara Municipal foi a moradora da habitação número seis. Mas, nem por isso, Maria Branca Pinto se revelou menos indignada com a Câmara Municipal. “Já cá veio em Junho e até agora ainda não fizeram nada”, contou a octogenária ao Correio da Beira Serra, fazendo questão de mostrar as marcas onde o carro do filho costuma bater por baixo. “Até com o jipe cá bate”, referiu, recordando a altura em que a entrada para a casa estava ao nível da estrada. “Puseram a terra que tiraram dos buracos para o esgoto toda aqui por cima e, eu logo vi que isto estava a ser mal feito”, contou, sublinhando que “ se no futuro fizerem sempre assim, temos que usar uma escada para virmos para a rua”. Com três entradas a necessitarem de intervenção, Maria Branca denuncia ainda a forma inadequada como cimentaram a entrada para o terreno que mantém contíguo à casa. “Foram tão sujos que até usaram o portão para servir de cofragem e não utilizaram madeira”, contou indignada, sustentando que tem o direito de ver as entradas arranjadas, já que “também não se esquecem de pedir o dinheiro para os esgotos”.

A Junta não tem dinheiro para arranjar as entradas

Confrontado pelo CBS sobre o motivo pelo qual a Junta não soluciona o problema da elevação das entradas, António Inácio referiu que se trata de um trabalho que não cabe à Junta executar, até porque “não tem dinheiro para poder pagar”. Não descartou contudo essa possibilidade, caso a Câmara Municipal não faça essa rectificação. O que o autarca estranha é o silêncio do presidente do município que, por esta altura, já deveria ter dito uma palavra aos moradores. “Se a Câmara Municipal não pode fazer, deve informar que não faz”, rematou.

Sem resposta ficou também o Correio da Beira Serra que, no contacto com a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, foi informado de que o “senhor presidente não tem qualquer declaração a fazer sobre o assunto”.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …