Obituário: Manuel Cid Teles faleceu hoje aos 98 anos

Manuel Cid Teles, que fez 98 anos no passado dia 8 de Março, foi com certeza uma das figuras mais sãs que os oliveirenses conheceram.

Detentor de uma vasta obra literária onde predomina, sobretudo, a poesia, o mestre Cid Teles era um artista multifacetado, que deixou inúmeras marcas na vida cultural da cidade.

Poeta, actor, pintor e músico, o “Manelzinho Teles” – como carinhosamente era tratado pelos amigos mais chegados –, era uma figura respeitadíssima.

“Este senhor não precisa de lágrimas. Precisa de aplausos. É um oliveirense que muito dignificou a nossa terra”, afirmou há instantes ao correiodabeiraserra.com uma “velha” amiga do poeta, Maria Rosa Lobo, que o visitava frequentemente e que com ele partilhou “momentos muito enriquecedores”.

Pouco tempo antes de falecer, Cid Teles entregou-lhe “uma folhinha com uma quadra”, que gostaria de ver na lápide da sua sepultura.

Reza assim:

Aqui Jaz o Cid Teles

Sob esta pedra gelada,

O que queria ser tudo

E afinal nunca foi nada.

Em Junho de 2006, o Correio da Beira Serra dedicou-lhe uma página de jornal, que pode recordar aqui.

“Gosto imenso de escrever poesia, encanto-me com as palavras. Só espero que Deus me deixe morrer a dizer poesia”, disse na altura, ao jornalista Carlos Ramos, este grande vulto da cultura oliveirense.

O corpo de Manuel Cid Teles encontra-se em câmara ardente na casa mortuária de Oliveira do Hospital, e o seu funeral – antecedido por uma missa na Igreja Matriz, às 17h00, – realiza-se amanhã, por volta das 18h00, para o cemitério velho da cidade.

LEIA TAMBÉM

5 Junho, 1443 – Dia, mês e ano da morte do abandonado infante D. Fernando – O “Infante Santo”. Autor: João Dinis, Jano

O infante D. Fernando, 8º e último filho (legítimo) de D. João I, viveu 41 …

RTP 2 transmitiu ontem documentário sobre a vida de um exilado político filho de Ervedal da Beira

A RTP2 transmitiu ontem o documentário realizado pela professora universitária brasileira Guiomar Ramos “Por parte …