Obra D. Josefina da Fonseca investe um milhão e cem mil Euros na melhoria do apoio à infância

A mais antiga instituição de apoio à infância em Oliveira do Hospital, a Obra D. Josefina da Fonseca, mais conhecida por “Casa da Obra” acaba de concretizar um sonho antigo. O degradado solar, legado por Josefina da Fonseca, que há muito tempo exigia obras de restauro e conservação, tornou-se num espaço aprazível e verdadeiramente acolhedor, com as condições ideais para levar por diante a sua função de apoio à infância.

“O projeto inicial tem mais de 16 anos, durante sete anos andou perdido nos gabinetes da Segurança Social e depois foi sofrendo adaptações”, referiu a presidente da direção da Obra D. Josefina da Fonseca, contando que pelo meio há a registar as várias candidaturas a apoios, mas “sem qualquer resultado”.

“Mas somos persistentes”, afirmou Clara Caçador, revelando que por decisão do Conselho de Administração da instituição, “há três anos” foi dado o pontapé de saída para o início das obras de requalificação do espaço que, no concelho, é uma referência no apoio que presta ao nível de creche e Jardim de Infância.

Uma decisão que implicou a contração de empréstimo bancário “na perspetiva de aprovação de candidaturas”. Apoios que, no entanto, nunca chegaram à instituição que, na sexta feira, inaugurou a remodelação do espaço.

Em causa está um investimento de um milhão e 100 mil Euros a “custas próprias” da “Casa da Obra”, havendo a registar o apoio da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, que atribuiu um subsídio de 50 mil Euros e um segundo de cerca de 10.500,00 Euros destinados à requalificação exterior.

“Alguém do governo deveria estar aqui…”

À ausência de apoios da Segurança Social junta-se igualmente a falta de comparência  do diretor do Centro Distrital da Segurança Social de Coimbra na cerimónia de inauguração. “Ao menos sentíamos o calor da sua proximidade e compreensão que já era lenitivo para quem sofre as incertezas do amanhã”, referiu o padre António Borges de Carvalho que, naquela cerimónia, deixou o seu lugar de secretário na direção da “Casa da Obra” – sucedeu-o o padre António Loureiro – mas não sem antes louvar o trabalho feito pela atual direção.

“O meu mérito de secretário mais não foi do que chamar para aqui as pessoas que concretizam os sonhos da juventude”, referiu, apreciando igualmente a ajuda da Câmara Municipal que “revela que está com as nossas crianças e famílias”.

Em “dia de festa para o concelho”, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital regozijou-se pela melhoria de condições no apoio às crianças, mas lamentou a ausência do diretor da Segurança Social. “Alguém do governo deveria estar aqui a reconhecer o trabalho de um conjunto de pessoas que, a título voluntário, abraçou este projeto, assumindo funções enormes”, referiu José Carlos Alexandrino, que “em nome do município e das crianças” deixou “um muito obrigado por todo o trabalho e empenho”.

Um projeto que a Câmara Municipal fez questão de apoiar e com o qual conta continuar contribuir. “A Câmara vai equacionar um subsídio de mais 50 mil Euros”, informou o presidente, valorizando assim o papel desempenhado pelas IPSS que, no concelho, fazem um “trabalho extraordinário” e são responsáveis por cerca de “600 postos de trabalho.

Presidente honorário da Obra D. Josefina da Fonseca, o bispo de Coimbra presidiu à cerimónia de benção do remodelado solar. “Felicito por a Obra D. Josefina da Fonseca encontrar pessoas adequadas e ousadas para assumir estas responsabilidades, porque para empréstimos é preciso muito coragem porque tudo é incerto”, afirmou Virgílio Antunes que, a adivinhar “um futuro que não parece fácil a ninguém”, desafiou toda a comunidade a “fazer alguma coisa”.

“Em qualquer situação em que estejamos, o fundamental é o coração, os sentimentos e os valores que formos capazes de desenvolver”, recomendou o Bispo de Coimbra que, não deixou de louvar o trabalho feito pelos seus antecessores na presidência honorária da Obra D. Josefina da Fonseca.

Com a assinatura de uma empresa concelhia – Civifran – as obras de requalificação foram inauguradas, continuando porém a faltar alguns equipamentos essenciais para a utilização do espaço. Até lá, as cerca de 180 crianças que frequentam a instituição continuam nos dois pavilhões que em 2006 foram criados para as acolher, pensada que já estava a recuperação do edifício principal.

LEIA TAMBÉM

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …

João Paulo Albuquerque acusa PS por não concluir IC6, pelo menos, até 2030

João Paulo Albuquerque considera que o IC6 não é uma prioridade, mas sim uma necessidade …