Está em curso, desde segunda-feira, a empreitada de requalificação urbanística do Largo Ribeiro do Amaral e de outras artérias da cidade de Oliveira do Hospital. Na terça-feira, o presidente da Câmara Municipal apelou à “compreensão e à atitude positiva das pessoas relativamente à empresa que anda a fazer as obras, para se evitarem problemas”.

Obras de requalificação: “É importante a compreensão e a atitude positiva das pessoas”

Imagem vazia padrão

 

Em reunião pública do executivo Mário Alves considerou as obras “importantíssimas”, mas não ignorou os “transtornos” que vão causar durante o próximo ano à população e aos comerciantes. “Este período vai ser complicado”, admitiu o presidente da Câmara, garantindo que juntamente com a empresa serão feitos esforços no sentido de “prejudicar o comércio o menos possível”. Referiu-se aos comerciantes do Largo Ribeiro do Amaral, como aqueles que serão mais penalizados com os prejuízos, pelo facto de nesse local as obras serem morosas. É que, segundo o autarca, a requalificação da Avenida 5 de Outubro, Rua General Santos Costa e professor Antunes Varela deverá ficar concluída em Agosto.

No terceiro dia de trabalhos, as obras decorrem na Avenida 5 de Outubro, sem que no entanto se verifique alguma intervenção junto ao Largo Ribeiro do Amaral, local onde irá ser construído um silo automóvel com capacidade para 74 veículos ligeiros sob a Praça aos Combatentes da Primeira Grande Guerra, até agora convertida em parque de estacionamento. Segundo o autarca, o arranque das obras neste local central da cidade está condicionado pela existência de um cabo de fibra óptica que deverá ser retirado brevemente.

No passado mês de Fevereiro, a Câmara Municipal adjudicou a empreitada ao consórcio constituído por três empresas: Chupas & Morrão – Construtora de Obras Públicas, S.A., Fonseca & Fonseca, Lda e Socongo – Sociedade de Construções Gouveias, Lda, que em concurso público avançou com uma proposta para a realização dos trabalhos no valor de 2.286.359,35€ acrescido de IVA à taxa em vigor. Um valor que se situa abaixo – perto de 500 mil euros – daquela que era a estimativa orçamental do município que em 25 de Setembro do ano passado se situava nos 2.747.380,00 €.

Com um prazo de execução de 365 dias, a segunda fase de intervenção na cidade compreende a requalificação dos espaços públicos, com destaque para a substituição das várias infra-estruturas, designadamente da rede de água de abastecimento, rede de águas residuais, águas pluviais, rega, redes eléctricas e telefónicas, bem como a redefinição de arruamentos e estacionamentos, pavimentações e arranjos exteriores, que incluem os espaços verdes, a colocação de mobiliário urbano e iluminação pública. Para o Largo Ribeiro do Amaral está também projectada a construção do silo-auto na zona central. A praça aos combatentes da primeira Grande Guerra vai ser convertida em praça ampla, destacando-se a construção de uma cafetaria na zona noroeste do Largo.

Sublinhe-se que na tomada de decisão de contracção de um empréstimo de cinco milhões de Euros junto da Caixa Geral de Depósitos, a Câmara Municipal teve em conta este processo de requalificação.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …