Obras do Centro Educativo estão paradas e presidente da Câmara aprecia compreensão dos encarregados de educação

 

É com a presença do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho e ministro da Educação, Nuno Crato, que o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital espera inaugurar, em setembro de 2012, o futuro Centro Educativo em Nogueira do Cravo.

Ainda que a obra se encontre parada por falta de visto do Tribunal de Contas, José Carlos Alexandrino pretende cumprir aquilo com que prometeu em campanha eleitoral e dotar a freguesia de Nogueira do Cravo, em particular e o concelho, em geral, com um moderno Centro Educativo semelhante aos que proliferam por concelhos limítrofes.

Recorde-se que os trabalhos de ampliação e modernização da antiga escola primária de Nogueira do Cravo destinados à criação do moderno Centro Educativo foram suspensas em meados  julho deste ano, devido à não aprovação do Tribunal de Contas que não concordou com o caráter de urgência do concurso público, lançado pela autarquia para adjudicação da obra.

Contudo, ainda que tal decisão tenha implicado a interrupção dos trabalhos, José Carlos Alexandrino garantiu ontem aos jornalistas que tal facto já tinha sido previsto pela autarquia, mas informou que a estratégia seguida foi a “mais correta”, por assim possibilitar o acesso ao financiamento do QREN.

“Nós quando apresentámos a candidatura tínhamos que ter a obra adjudicada e só poderíamos ter, se tivéssemos lançado o concurso com carácter urgente”, contou José Carlos Alexandrino garantindo que, ao contrário do que aconteceu com outros centros escolares em que o concurso durou 24 horas, o concurso público para o centro de Nogueira do Cravo durou cinco dias e não tinha associados quaisquer interesses de outra ordem.

“Concorreram 16 empresas e só havia o critério do preço mais baixo”, contou aos jornalistas à margem de uma visita que, ontem, realizou ao jardim de infância nº1 em jeito de abertura simbólica no novo ano letivo.

“Lá para dezembro devemos ter novamente a obra a andar”

Segundo garantiu o presidente, a continuidade dos trabalhos e o financiamento na ordem dos 80 por cento não estão em causa. Aos jornalistas José Carlos Alexandrino explicou que está a ser preparado o novo caderno de encargos para lançamento de novo concurso público.

“Lá para dezembro devemos ter novamente a obra a andar”, disse, fazendo questão de informar os “profetas da desgraça” de que o não visto do Tribunal de Contas só irá penalizar o financiamento em cerca de cinco por cento.

Até agora, os trabalhos realizados custaram 350 mil euros à autarquia, que “já foram pagos”. “Neste momento, já pedimos o financiamento das faturas pagas ao empreiteiro”, acrescentou Alexandrino.

Associado ao anúncio de paragem dos trabalhos esteve também o descontentamento dos encarregados de educação dos alunos, que já terminaram o último ano letivo em instalações provisórias e, também este ano, se vêem obrigados a lá permanecer. Um problema que José Carlos Alexandrino garante ter resolvido depois de, no dia 9 de setembro, ter participado numa reunião com os pais das crianças.

“Fui lá desmistificar muitas polémicas que foram criadas”, contou, apreciando a postura dos pais que se mostraram compreensivos relativamente à situação e mais tranquilos, quando informados pelo presidente, de que os espaços provisórios iriam ser alvo de melhorias, para fazer face ao inverno que se avizinha. No encontro, Alexandrino deu como certa a inauguração do novo espaço em 2012.

Como forma de marcar uma nova realidade pedagógica no concelho, Alexandrino não se quer ficar pela mera inauguração e aos jornalistas revelou a sua intenção de convidar o primeiro-ministro e ministro da Educação para que o arranque do futuro ano letivo seja feito a partir de Nogueira do Cravo. “Com certeza que lançaremos uma grande festa”, desejou.

Investimento de 80 mil Euros para melhorar parque escolar

De visita a um jardim de infância que partiu para o novo ano letivo com nova roupagem, Alexandrino revelou o esforço da autarquia na modernização do parque escolar.

“Houve pequenos investimentos na melhoria de escolas já existentes, na ordem dos 80 mil euros”, contou, especificando que no caso do jardim de infância foram investidos 20 mil euros com o objetivo de conferir “maior qualidade educativa”.

No arranque de um ano letivo, que ficou marcado por duas baixas no parque escolar – EB1 das Seixas da Beira e Gavinhos encerraram – o presidente da Câmara garante que o início das atividades está a decorrer dentro da normalidade, mas não deixa de se revelar preocupado com a redução drástica do número de alunos na EB1 de Vila Franca da Beira, atualmente com 11 crianças no 1º ciclo e seis no pré-escolar.

“Pela sua história, tradição e por ser uma das mais bonitas escolas do concelho não gostaria de a ver encerrar, mas sim de ter mais alunos”, observou, elogiando porém a “postura correta do governo” na hora de negociar com os municípios o fecho das escolas.

No total, são cerca de três mil alunos que, durante esta semana iniciaram o novo ano letivo no concelho oliveirense.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …