Oliveira do Hospital comemora feriado Municipal em honra da proclamação da República e distingue Belmiro de Azevedo

Oliveira do Hospital comemora amanhã o feriado municipal em honra da proclamação da República, uma vez que a notícia da Implantação do novo regime que, a cinco de Outubro de 1910,  destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal. A notícia chegou pouco depois da hora de almoço do dia 6. Mas sempre se disse que só chegou no dia seguinte, embora uma acta da Câmara do dia 6 à tarde ateste que já era conhecida nesse dia. Mas para a história ficou como tendo chegado oficialmente aos Oliveirenses a  7 de Outubro. Essa data foi depois escolhida, no dia 10 de Novembro de 1910, pela nova comissão municipal presidida por Joaquim Ribeiro do Amaral, para assinalar o feriado municipal do Concelho de Oliveira do Hospital, que este ano, entre outros, pretende agraciar o empresário Belmiro de Azevedo com a Medalha de Ouro.
O concelho de Oliveira do Hospital, contrariamente, ao que acontece a nível nacional, continua a relembrar com um feriado este marco importante na história de Portugal. O dia começa com uma arruada, pelas 9h30, por parte dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital. Segue-se a recepção dos convidados nos Paços do Município, acompanhado pelo hastear da bandeira. A sessão solene decorre, pelas 10h15, na Casa da Cultura César Oliveira, onde, além do patrão da Sonae, será também distinguida com a medalha de ouro e empresa Irsil – uma unidade que comemorou recentemente 50 anos de actividade no concelho. A medalha de mérito municipal será atribuída à figura da “costureira da indústria de confecções, a Adelaide Freixinho, Maria Teresa Serra e Vasco Figueiras

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …