Oliveira do Hospital: Desemprego aumentou 37 por cento entre os homens

O desemprego começa a ser cada vez mais uma realidade entre os homens. Só no concelho de Oliveira do Hospital estavam inscritos, no final do mês de Setembro, 357 homens no Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Ainda que as mulheres continuem a ser as mais afectadas (467), o sexo masculino representa cerca de 43 por cento da população desempregada no concelho de Oliveira do Hospital.

A tendência de desemprego entre os homens é uma realidade que se vem observando há já alguns meses, e está muito associada à crise que afecta sobretudo o ramo da construção civil. Já entre as mulheres, o desemprego está directamente ligado ao encerramento de várias unidades de confecções que se verifica no concelho desde 2006.

A situação torna-se, contudo, mais preocupante se se tiverem em conta os números do desemprego de 2008, já que é possível verificar que os homens inscritos no Centro de Emprego de Arganil, aumentaram em cerca de 37 por cento, em relação ao mês homólogo. Já entre as mulheres, chega-se a observar uma diminuição de menos de um por cento.

De um modo geral, o desemprego verificado em Setembro deste ano (824) registou um aumento de cerca de 15 por cento em relação ao mesmo período de 2008 (697).

Há, contudo, a sublinhar uma redução de menos de um por cento do número de de inscritos no centro de emprego, em comparação com o mês de Agosto (831).

Também, nesta análise é possível verificar que a redução apenas beneficiou as mulheres – passaram de 481 para 467 inscritas –, já que entre os homens o desemprego registou uma subida de dois por cento, passando dos 350 inscritos para os 357.

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital entre os municípios beneficiados pelo novo concurso do programa Centro 2020

O Centro 2020 publicou ontem o Aviso de Concurso SI2E – Atrair novo investimento empresarial …

Funcionários da ASAE contra operação anunciada para as áreas afectadas pelos incêndios

O sindicato dos funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) considerou hoje “lamentável” …