O relatório preliminar do Plano de Desenvolvimento do Município de Oliveira do Hospital – um estudo encomendado pela Câmara Municipal à Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) e que já foi apresentado por aquela empresa em assembleia municipal – identifica várias áreas de constrangimento ao desenvolvimento municipal que o município oliveirense deverá tentar inverter nos próximos anos.

Oliveira do Hospital é um município com “fraca visibilidade externa”, conclui estudo da SPI

 

Imagem vazia padrãoEste estudo – muito exaustivo –, começa por considerar que um dos principais pontos fracos de Oliveira do Hospital é precisamente a “mobilidade e acessibilidades intra-regionais”, uma vez que “a debilidade dos acessos e da rede de transporte intra-regionais põe em causa a coesão socioeconómica e a competitividade territorial”.

No sector da educação, o estudo é muito céptico quanto ao “baixo nível de escolarização dos recursos humanos, nomeadamente ao nível técnico e superior”. Fazendo referência à “elevada taxa de analfabetismo (12,3 %), ao abandono escolar e à debilidade dos sistemas de ensino e de formação”, os autores do trabalho sustentam que estes factores, associados à “dificuldade em atrair recursos humanos qualificados”, “fragilizam o concelho e comprometem fortemente o seu desenvolvimento económico e social”.

 

 Um concelho demograficamente deprimido

 

Outras grandes preocupações são o facto de o concelho estar envelhecido, com perda de população e a taxa de natalidade a decrescer. São características de “um território deprimido”, aponta o estudo.

O índice de envelhecimento (relação entre a população com 65 ou mais anos e o grupo dos que têm 14 ou menos anos), acaba por se reflectir no índice de dependência de idosos (IDI), o que na opinião dos investigadores “poderá ser um constrangimento ao desenvolvimento e ao equilíbrio socioeconómico”.

De acordo com os dados do último Censo de 2001, o IDI é um problema que está mais patente sobretudo nas zonas do Vale do Alva e da Cordinha. As cinco freguesias com maior IDI são, respectivamente, Aldeia das Dez (70,4), Vila Franca da Beira (57,7), S. Sebastião da Feira, Alvôco das Várzeas (55) e Ervedal da Beira (50).

 

Reduzida articulação institucional

 

Na área empresarial, a SPI fala em “debilidades nos serviços de apoio às empresas” e conclui que a “inexistência de serviços estruturados no concelho a este nível dificulta o acesso aos canais de informação, o conhecimento do contexto económico e de novas oportunidades”.

Realçando o facto de o tecido empresarial local “ser marcado por uma cultura empreendedora” – Oliveira do Hospital esteve no passado entre os três concelhos com maior actividade económica no seio do distrito de Coimbra –, a SPI refere no entanto que “a cultura associativa e o cooperativismo são débeis”. “Não existem hábitos consolidados de colaboração dentro do concelho”, chega a referir o estudo, que também detectou que no meio empresarial “a abordagem às Tecnologias de Informação e Comunicação é ainda incipiente”.

Por outro lado – sublinha a SPI – a “alocação de recursos por parte das empresas a actividades de Investigação e Desenvolvimento e Inovação é quase inexistente”. Apesar de reconhecer a existência de “esforços recentes”, este estudo – liderado pelos professores universitários Augusto Medina e Pedro Saraiva –, fala também de uma “quase inexistente articulação institucional, nomeadamente entre a administração local, o tecido empresarial e os agentes ligados ao Ensino e Formação Profissional”, situação que na opinião da equipa da SPI “dificulta a existência de uma estratégia concertada e focalizada nos vectores chave de afirmação de Oliveira do Hospital”.

 

Oliveira do Hospital com “fraca visibilidade externa”

 

A terminar – neste capítulo das áreas de melhoria defendidas pela SPI –, o estudo coloca o dedo na ferida ao sentenciar que Oliveira do Hospital é um município com “fraca visibilidade externa” e isso “dificulta a atracção de públicos-alvo (residentes, turistas, empresas).

Para inverter um problema que “induz à diminuição da capacidade competitiva”, só há um caminho: “São necessárias estratégias que promovam a competitividade local, procurando a diferenciação para atrair a procura e responder à forte concorrência inter-regional”, adverte a empresa autora do estudo.

Sobre este relatório preliminar do Plano de Desenvolvimento do Município de Oliveira do Hospital – um estudo que surge 18 anos depois do “Estudo de Desenvolvimento Sócio-Económico”, publicado, em 1990, pela Câmara de Oliveira do Hospital, através do Centro Interdisciplinar de Estudos Económicos –, o correiodabeiraserra.com tem previsto fazer algumas abordagens jornalísticas às matérias mais importantes daquele plano.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …