Oliveira do Hospital entre os municípios portugueses com melhor eficiência financeira

A conclusão é do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses de 2007, que foi apresentado hoje em Lisboa.

Esta publicação, editada anualmente pela Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC), é referente às contas apresentadas pelos 308 municípios portugueses em 2007, e visa, sobretudo, “analisar a situação orçamental, financeira, patrimonial e económica dos municípios”.

Para além de Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, apenas outros três concelhos têm este estatuto: Cantanhede, Pampilhosa da Serra e Penacova.

Uma outra nota que este anuário refere está relacionada com o facto de Oliveira do Hospital também surgir entre os 29 municípios do país que nos anos de 2005, 2006 e 2007, não recorreram a empréstimos bancários.

Significa isto que as análises efectuadas na publicação da CTOC, não incidem portanto sobre o empréstimo de 5 milhões euros que a autarquia oliveirense contraiu no final do ano de 2008.

O 23º município do país com menos dívidas a fornecedores 

Neste anuário financeiro, que é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Oliveira do Hospital aparece ainda como o 23º município do país com “menor índice de dívidas a fornecedores relativamente às receitas do ano anterior”.

No distrito de Coimbra, só o concelho de Pampilhosa da Serra, em 22º lugar, consegue esta “performance”.

No país, os três municípios com menor endividamento a fornecedores são, respectivamente, Penedono, Aguiar da Beira e Santa Cruz das Flores, nos Açores.

Já no contexto da região, Seia, por exemplo, está no 26º lugar do ranking dos municípios com maior volume de dívidas a fornecedores.

Relativamente ao conjunto de municípios “sem ou com baixo índice de endividamento líquido por habitante”, os concelhos de Pampilhosa da Serra, Arronches e Penedono, estão classificados como municípios “sem endividamento líquido por habitante”.

No caso de Oliveira do Hospital, o 28º concelho do país com menos dívidas por habitante, o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses – consulte-o aqui na íntegra – revela que, em final de 2007, a dívida por cada munícipe cifrava-se em 78,1 euros.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …