Oliveira do Hospital realiza “marcha lenta” em defesa das freguesias em risco

 

… pela Câmara Municipal e 21 presidentes de Junta de Freguesia, que também preparam uma petição para entregar na Assembleia da República.

“Não à extinção”. É desta forma que se continuam a posicionar os 21 presidentes de Junta de Freguesia do concelho de Oliveira do Hospital. Uma postura reassumida em reunião realizada, no passado sábado, no Salão Nobre da Câmara Municipal e de onde resultou um compromisso de luta contra a proposta da Unidade Técnica de Reorganização do Território que determina a extinção das freguesias de S. Sebastião da Feira, Vila Pouca da Beira, Vila Franca da Beira, Lajeosa e S. Paio de Gramaços.

“Vamos tomar posições públicas”, assegurou esta tarde o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, dando como certa uma “visita”, em jeito de protesto, às cinco freguesias do concelho sinalizadas pela Unidade Técnica e uma petição em defesa das 21 freguesias a entregar na Assembleia da República.

Uma visita que – apurou o correiodabeiraserra.com – vai acontecer na forma de “marcha lenta”. A caravana automóvel deverá passar pelas cinco freguesias referenciadas para agregação e, também, marcar presença naquela que é a via mais movimentada que atravessa o concelho, a Estrada Nacional 17.

“Devemos fazer com que esta lei seja revogada e abatida”, entende o presidente da Câmara que, apesar de satisfeito pela vitória conseguida em torno de Nogueira do Cravo – “prova que seguimos o caminho certo, sobretudo a Assembleia Municipal”, sublinha – conta que só se sentiria “vitorioso se não houvesse proposta de agregação”.

Sem que, até ao momento, tenha sido informado das vantagens decorrentes da extinção – “vêem com umas metáforas e demagogia permanente”, conta – Alexandrino alerta para os “vícios” de que padece a lei e para o “erro político” que está a ser cometido pelo governo aos desproteger populações carenciadas.

À frente de um município que se recusou a emitir pronúncia sobre as freguesias a extinguir, José Carlos Alexandrino avisa para a “luta dura” que os 21 presidentes de Junta de Freguesia se preparam para iniciar. “Tenho orgulho em ser presidente destes 21 autarcas porque são o símbolo da unidade e da resistência”, confessou o presidente da Câmara Municipal, que diz representar o “sentir” do seu povo. “E o meu povo diz-me que é contra a extinção de freguesias”, refere, lembrando que “num regime democrático o povo deveria ter sido ouvido nesta matéria”.

A reunião, realizada no último sábado, não se esgotou na preparação de uma estratégia de luta em defesa das freguesias. Em cima da mesa estiveram também as linhas orientadoras do orçamento que a Câmara Municipal reserva para as Juntas de Freguesia para o ano de 2013. Em causa estão 613 mil Euros que o município vai distribuir pelas 21 Juntas de Freguesia, verificando-se um aumento relativamente ao montante de 500 mil Euros transferido em 2012.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …