Oliveira do Hospital reconheceu mérito empresarial, associativo e escolar

 

… também foram reconhecidos pela autarquia de Oliveira do Hospital.

Reconhecendo a importância da “iniciativa empresarial” na construção do concelho como “ele hoje é”, o município de Oliveira do Hospital agraciou ontem , por ocasião da comemoração do feriado municipal, o empresário Joaquim Guerra, proprietário da empresa J.Guerra, única produtora de Sirgarias e Passamanarias na Península Ibérica.

“Sob a sua liderança dezenas de famílias conseguiram, nos últimos 45 anos, assegurar uma vivência económica”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, a propósito do empresário.

Responsável por fazer o elogio público ao colega empresário, Fernando Tavares Pereira logo destacou a “grande pessoa” que é Joaquim Guerra que “fez de Oliveira do Hospital a sua casa familiar e empresarial”. Reconhecendo a pertinência do gesto da autarquia oliveirense – “é assim que se promovem as pessoas enquanto estão a trabalhar e estão vivas”, referiu – Tavares Pereira destacou o “homem de luta, que trabalhou toda a vida com esforço e sacrifício” e aludiu à importância do apoio que, ao longo dos anos, lhe tem sido dado pela “boa esposa”.

O patrão do Grupo FTP não tem dúvidas de que “para haver uma boa empresa, tem que haver uma boa família”. “É assim que as empresas conseguem vencer e criar riqueza”, continuou, valorizando o esforço dos empresários concelhios para contornar as adversidades decorrentes da falta de acessos condignos. “É muito importante que a escola dele volte para nós”, disse ainda Fernando Tavares Pereira a propósito do empresário que de deve ser “para sempre recordado”.

Logo informando que só acedeu receber a medalha de mérito municipal depois de muita insistência do presidente da autarquia – “convenceu-me de que era merecedor”, contou – Joaquim Guerra confessou-se reconhecido pelo gesto da autarquia, mas não hesitou em o compartilhar. “Não sou merecedor a 100 por cento, compartilho com a minha esposa e filhos e em parte com os trabalhadores, porque sem eles não estaria aqui”, afirmou o reputado empresário oliveirense que, depois de em anos anteriores ter rejeitado tal distinção, disse agora a receber com “humildade”. “Mais de ação e menos de palavra”, Joaquim Guerra confessou-se “muito” agradecido pelo gesto que partiu da Câmara Municipal.

No domínio associativo, o reconhecimento municipal recaiu sobre a Associação Progressiva de Santo António do Alva pela ação que tem desempenhado no domínio social, cultural, recreativo e de lazer. “Desempenha um papel exemplar”, referiu o presidente da Câmara Municipal, considerando como “bem empregue” o apoio que a autarquia tem dado àquela e outras instituições concelhias, que assumem papel fundamental na lógica de “coesão social”.

Recaindo, este ano, o reconhecimento sobre a IPSS de Santo António do Alva que, num passado recente, assistiu à perda de um dos principais dirigentes – a memória de José Carlos Silva foi ontem invocada – o autarca oliveirense justificou a atribuição da medalha de mérito municipal com “o reconhecimento permanente que o município deve sentir perante o trabalho desenvolvido, dia-a-dia, por estes homens e mulheres que trabalham em benefício do próximo”.

“É para nós um orgulho”, referiu Patrícia Moreirinhas que enquanto elemento da IPSS e responsável por fazer o elogio público recordou o historial da Associação Progressiva de Santo António do Alva, notando o papel que desempenha no apoio às populações. “Esta instituição chega onde muitas vezes o Estado fica à porta”, referiu.

Valorizando o “trabalho voluntário” das várias direções que ao longo dos anos têm conseguido manter viva a Associação Progressiva de Santo António do Alva, o atual dirigente endereçou também palavras de agradecimento a “todos os colaboradores da instituição nas diversas áreas”. “Sem esta gente não seria possível levar este projeto para a frente”, registou Paulo Nascimento, agradecendo o gesto da autarquia oliveirense.

“Vocês são o orgulho das vossas famílias, das vossa escolas e dos vossos professores”

Também aguardada pelo reconhecimento que presta aos melhores alunos, a cerimónia comemorativa do dia do município juntou ontem, não cinco, mas “sete alunos que já desafiam limites e aos quais o futuro se abre de forma risonha”.

Palavras proferidas pelo presidente da Câmara que deu conta de um empate – três alunas apresentavam média de 19 valores – verificado na escola secundária de Oliveira do Hospital e que, de modo inédito, levou a autarquia a não deixar de reconhecer o mérito, ainda que não financeiro, às duas alunas que por uma questão de cálculos – passou a aluna mais nova – não ficaram apuradas para a distinção municipal. “Que dilemas como os que este ano se nos apresentaram se repitam e se tornem frequentes”, desejou José Carlos Alexandrino.

“Vocês são o orgulho das vossas famílias, da vossa escola e dos vosso professores”, referiu ainda o autarca que, na hora de premiar os melhores alunos, se comprometeu a não permitir que “um aluno brilhante deixe de tirar um curso superior por falta de possibilidade dos pais”. Alexandrino assegurou que “o município tem a obrigação de ajudar porque os jovens têm direito”.

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital reconheceu o mérito escolar a Hugo Lopes (10º ano), Beatriz Pereira (11ºano), Catarina Fernandes (12ºano), Marta Lobo (12ºano), Raquel Correia (12º ano), João Mota (ESOH) e Diana Monteiro (ESTGOH).

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …