Oliveira do Hospital reduz custos de energia em 23 por cento

 

… Baixa Tensão Especial. A medida representa uma redução de custos na ordem dos 23 por cento.

Com o objetivo de racionalizar a despesa dos municípios associados, a Comunidade Intermunicipal do Pinhal Interior Norte (CIMPIN) procedeu, ontem, à assinatura do novo contrato de fornecimento de energia elétrica em Média Tensão (MT) e Baixa Tensão Especial (BTE). Tal facto decorre do concurso que foi ganho pela EDP Comercial,empresa que apresentou a melhor proposta.

A cerimónia de assinatura do contrato foi presidida pelo presidente do Conselho Executivo da CIMPIN, João Marques, e contou com a presença dos administradores representantes da EDP, Paulo Pinto de Almeida e Ferrari Careto, e dos presidentes dos 13 municípios que aderiram a este acordo. “Mais do que apostar na descida dos preços, é preciso apostar na racionalização dos consumos de forma a torná-los mais eficientes”, referiu na ocasião Ferrari Careto que, também deu conta da disponibilidade da EDP para prestar apoio aos municípios, para que a relação com o cliente EDP “seja tão boa ou melhor do que anteriormente”.

Paulo Pinto de Almeida aproveitou, por sua vez, para destacar a “boa relação que tem existido entre a EDP Distribuição e os municípios ao longo dos anos, distinguindo-se pelo fácil acesso à rede que conhece muito bem”.

De sublinhar que o concurso foi lançado na sequência do processo de extinção das tarifas reguladas de venda de eletricidade (MT e BTE), ao abrigo do acordo quadro da ANCP (Agência Nacional de Compras Públicas), destacando-se já uma redução global de cerca de 23 por cento, relativamente aos preços anteriormente praticados.

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital entre os municípios beneficiados pelo novo concurso do programa Centro 2020

O Centro 2020 publicou ontem o Aviso de Concurso SI2E – Atrair novo investimento empresarial …

Funcionários da ASAE contra operação anunciada para as áreas afectadas pelos incêndios

O sindicato dos funcionários da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) considerou hoje “lamentável” …