Oliveirenses entre as vítimas de exploração laboral resgatadas em Espanha

 

Um grupo de sete pessoas, com idades compreendidas entre os 28 e os 62 anos e que há já vários anos se vinha dedicando ao tráfico de pessoas entre Portugal e Espanha, para fins de exploração laboral foi hoje constituído arguido.

De acordo com comunicado, a investigação conduzida pela Directoria do Centro da Polícia Judiciária apurou que os suspeitos residem, habitualmente, em Espanha, sendo que alguns deles se deslocavam a Portugal com o objetivo de angariarem pessoas para trabalhos agrícolas naquele país, com a falsa promessa de serem bem remuneradas.

Segundo a PJ, em Espanha as vítimas desempenhavam tarefas agrícolas diversas e eram obrigadas a trabalhar em condições degradantes, desumanas, sem receberem qualquer salário, sendo coagidas e ameaçadas quando manifestavam o desejo de regressar a casa.

As vítimas, todas do sexo masculino, residentes em zonas rurais dos concelhos de Tábua, Oliveira do Hospital, Seia, Nelas e Mangualde, são – como adianta o comunicado – “pessoas socialmente vulneráveis, psicologicamente frágeis, dependentes do álcool ou de drogas e, consequentemente, muito influenciáveis”.

No desenrolar da investigação, a Polícia Judiciária contou com a colaboração da Guardia Civil espanhola, que realizou várias buscas nas zonas de Salamanca, Valladolid e Burgos, onde identificou e resgatou vários cidadãos portugueses que estavam a ser vítimas das ações criminosas em causa.

LEIA TAMBÉM

Maavim contraria ministro Pedro Marques e diz que há pessoas a viver sem condições nos concelhos de Oliveira do Hospital, Tábua e outros

O movimento associativo de apoio às vítimas do incêndio de Midões (Maavim) manifestou hoje indignação …

ASAE apreende queijo Serra da Estrela falsificado no valor de 1.200 euros

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu mais de 1.612 rótulos e cerca …