Oliveirenses entre as vítimas de exploração laboral resgatadas em Espanha

 

Um grupo de sete pessoas, com idades compreendidas entre os 28 e os 62 anos e que há já vários anos se vinha dedicando ao tráfico de pessoas entre Portugal e Espanha, para fins de exploração laboral foi hoje constituído arguido.

De acordo com comunicado, a investigação conduzida pela Directoria do Centro da Polícia Judiciária apurou que os suspeitos residem, habitualmente, em Espanha, sendo que alguns deles se deslocavam a Portugal com o objetivo de angariarem pessoas para trabalhos agrícolas naquele país, com a falsa promessa de serem bem remuneradas.

Segundo a PJ, em Espanha as vítimas desempenhavam tarefas agrícolas diversas e eram obrigadas a trabalhar em condições degradantes, desumanas, sem receberem qualquer salário, sendo coagidas e ameaçadas quando manifestavam o desejo de regressar a casa.

As vítimas, todas do sexo masculino, residentes em zonas rurais dos concelhos de Tábua, Oliveira do Hospital, Seia, Nelas e Mangualde, são – como adianta o comunicado – “pessoas socialmente vulneráveis, psicologicamente frágeis, dependentes do álcool ou de drogas e, consequentemente, muito influenciáveis”.

No desenrolar da investigação, a Polícia Judiciária contou com a colaboração da Guardia Civil espanhola, que realizou várias buscas nas zonas de Salamanca, Valladolid e Burgos, onde identificou e resgatou vários cidadãos portugueses que estavam a ser vítimas das ações criminosas em causa.

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …