Opinião: PONHA O CARRO À FRENTE DOS BOIS.

Todos estamos conscientes que atravessamos um período muito complicado. Diariamente ouvimos falar de crise, desemprego, aumento de impostos, cortes de subsídios, planos de austeridade… o medo e a incerteza pairam no ar.

 O nosso cantinho do paraíso parece estar a passar por mudanças radicais, mas quantos de nós, em vez de dizer que isto está mau por culpa dos outros, definimos para nós próprios uma estratégia para fazer face a todas estas realidades?

Isto faz-me recordar uma história… um dia, um sábio passeava por uma floresta com o seu fiel discípulo, quando avistou ao longe um sítio de aparência pobre.

Chegados ao local constataram a pobreza do lugar. A casa não tinha sequer as condições básicas e os moradores, um casal e três filhos, vestiam roupas rasgadas e sujas.

O sábio aproximou-se do pai daquela família e perguntou: “Neste lugar não há sinais de pontos de comércio e de trabalho. Então, como é que o senhor e a sua família sobrevivem aqui?”. O senhor calmamente respondeu: “Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto vendemos e com a outra parte produzimos produtos para nosso consumo. Assim, vamos sobrevivendo”. 

O sábio agradeceu a informação, despediu-se e partiu. No meio do caminho, voltou-se para o seu fiel discípulo e ordenou: “Aprendiz, atire a vaquinha pelo precipício abaixo!”.

O jovem arregalou os olhos espantado e cumpriu a ordem… empurrou a vaquinha colina abaixo e viu-a morrer. Aquela cena ficou marcada na memória daquele jovem durante alguns anos e um belo dia ele resolveu largar tudo e voltar àquele local para pedir perdão à família e ajudá-la.

Quando se aproximava do local, avistou um sítio muito bonito e algumas crianças a brincar no jardim. Ficou triste e desesperado imaginando que aquela pobre família tivera que vender o sítio para sobreviver.

Chegado ao local, foi recebido por um caseiro muito simpático e perguntou pela família que ali morava há uns quatro anos, ao que o caseiro respondeu: “Continuam a morar aqui”.

Espantado viu que se tratava das mesmas pessoas que visitara com o mestre. Elogiou o local e perguntou ao dono: “Como o senhor melhorou este sítio e está tão bem na vida?”.

O senhor entusiasmado respondeu-lhe: “Nós tínhamos uma vaquinha que caiu pelo precipício abaixo e morreu. Desde esse dia tivemos que fazer outras coisas e desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. Assim, alcançamos o sucesso que os seus olhos vêem agora”.

Para enfrentar todas as mudanças pelas quais vamos ter de passar, quantos de nós pensámos em arranjar fontes de rendimento suplementares, alterar o nosso tipo de vida, esforçarmo-nos mais na nossa empresa trazendo ideias novas e sugestões de melhoria… No meio de tantas mudanças, talvez tenha chegado o momento de atirarmos a nossa vaquinha pelo precipício abaixo, repensarmos o que podemos fazer para melhorar a situação e, em vez de sermos reativos aos problemas, termos a capacidade de os antecipar e pela primeira vez… colocarmos o carro à frente dos bois.

Cristela Bairrada [email protected]

LEIA TAMBÉM

E porque digo eu que o Futebol Clube do Porto é a equipa de futebol mais próxima de jogar como faz o Real Madrid? Autor: João Dinis

Tipo “declaração de interesses”, digo que sou Benfiquista desde que me conheço (tenho 64 anos) …

VIV´Á REPÚBLICA ! Autor: João Dinis

Viv´ó 5 de Outubro, Dia da República !  Viv´ó Feriado do 5 de Outubro que …