O presidente do Conselho Executivo da Escola Secundária de Oliveira do Hospital lamentou esta manhã que os encarregados de educação tenham “pouco hábito de se deslocar à escola”.

“Os encarregados de educação têm pouco hábito de se deslocar à escola”, lamentou Albano Dinis

 

Albano Dinis falava no âmbito da apresentação da escola a um grupo de três inspectores que, entre hoje e amanhã, leva a efeito um processo de avaliação externa, a pedido do próprio estabelecimento de ensino.

Na apresentação que incidiu sobre o contexto e caracterização geral da escola, projecto educativo, organização e gestão da escola, ligação à comunidade, clima, ambiente educativo e resultados, o Conselho Executivo da Secundária de Oliveira do Hospital deu conta dos principais vectores orientadores do estabelecimento de ensino, ficando também clara linha orientadora do triénio que está a terminar: criar uma cultura de escola.

Ainda que com um plano de melhorias, constituído por 21 itens, ao qual pretende dar resposta, o Executivo da Secundária de Oliveira do Hospital não hesitou em desafiar a Inspecção-geral de Educação a desenvolver um processo de avaliação externa na escola. Porque, explicou Albano Dinis, é importante que a escola se possa conhecer, visando a melhoria dos resultados que “são a principal preocupação” do concelho executivo. Apontou o combate ao insucesso e ao abandono escolar como a principal batalha que a escola “estará sempre a travar” e destacou a importância do “trabalho em equipa” com todos os intervenientes escolares para prossecução dos objectivos.

Embora apostada em promover um clima de proximidade com a comunidade, a escola depara-se com uma Associação de Pais que é comum a duas escolas e com encarregados de educação que “têm pouco hábito de se deslocar à escola”. “São constrangimentos”, considerou Albano Dinis, não deixando de enaltecer o trabalho desenvolvido pela Associação de Pais que “embora com pouca gente a trabalhar, tem dado o seu contributo”. Já no que respeita aos encarregados de educação, nota que os mesmos só se deslocam à escola “quando são chamados ou há problemas”. Por esse motivo – como explicou – a Escola tem procurado convidar os pais para participarem em actividades, como a abertura do ano lectivo, a festa da educação, o aniversário da escola, proporcionando também horários de atendimento flexíveis.

À equipa da Inspecção Geral de Educação, Albano Dinis situou a escola no âmbito das melhores relações com outras escolas (incluindo EPTOLIVA e ESTGOH), empresas, IEFP, GNR, grupos de acção social, entre outros, com principal destaque para a autarquia que, como disse, tem “ajudado bastante” em várias vertentes.

Para além das melhorias físicas promovidas no espaço escolar, o responsável fez também alusão àquele que é considerado o ex-libris da Secundária de Oliveira do Hospital, a revista IPSIS VERBIS, não esquecendo a Biblioteca Escolar Doutor Vasco de Campos, o site da Internet em vias de remodelação, o Quadro de Mérito que a escola institui este ano pela primeira vez e o Observatório da Qualidade.

O relatório final resultante do processo de avaliação externa será publicado no site da Inspecção-geral da Educação. Sublinhe-se que a partir do próximo ano, este tipo de avaliação passa a ser obrigatória em todas as escolas.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …