O presidente do Conselho Executivo da Escola Secundária de Oliveira do Hospital lamentou esta manhã que os encarregados de educação tenham “pouco hábito de se deslocar à escola”.

“Os encarregados de educação têm pouco hábito de se deslocar à escola”, lamentou Albano Dinis

 

Albano Dinis falava no âmbito da apresentação da escola a um grupo de três inspectores que, entre hoje e amanhã, leva a efeito um processo de avaliação externa, a pedido do próprio estabelecimento de ensino.

Na apresentação que incidiu sobre o contexto e caracterização geral da escola, projecto educativo, organização e gestão da escola, ligação à comunidade, clima, ambiente educativo e resultados, o Conselho Executivo da Secundária de Oliveira do Hospital deu conta dos principais vectores orientadores do estabelecimento de ensino, ficando também clara linha orientadora do triénio que está a terminar: criar uma cultura de escola.

Ainda que com um plano de melhorias, constituído por 21 itens, ao qual pretende dar resposta, o Executivo da Secundária de Oliveira do Hospital não hesitou em desafiar a Inspecção-geral de Educação a desenvolver um processo de avaliação externa na escola. Porque, explicou Albano Dinis, é importante que a escola se possa conhecer, visando a melhoria dos resultados que “são a principal preocupação” do concelho executivo. Apontou o combate ao insucesso e ao abandono escolar como a principal batalha que a escola “estará sempre a travar” e destacou a importância do “trabalho em equipa” com todos os intervenientes escolares para prossecução dos objectivos.

Embora apostada em promover um clima de proximidade com a comunidade, a escola depara-se com uma Associação de Pais que é comum a duas escolas e com encarregados de educação que “têm pouco hábito de se deslocar à escola”. “São constrangimentos”, considerou Albano Dinis, não deixando de enaltecer o trabalho desenvolvido pela Associação de Pais que “embora com pouca gente a trabalhar, tem dado o seu contributo”. Já no que respeita aos encarregados de educação, nota que os mesmos só se deslocam à escola “quando são chamados ou há problemas”. Por esse motivo – como explicou – a Escola tem procurado convidar os pais para participarem em actividades, como a abertura do ano lectivo, a festa da educação, o aniversário da escola, proporcionando também horários de atendimento flexíveis.

À equipa da Inspecção Geral de Educação, Albano Dinis situou a escola no âmbito das melhores relações com outras escolas (incluindo EPTOLIVA e ESTGOH), empresas, IEFP, GNR, grupos de acção social, entre outros, com principal destaque para a autarquia que, como disse, tem “ajudado bastante” em várias vertentes.

Para além das melhorias físicas promovidas no espaço escolar, o responsável fez também alusão àquele que é considerado o ex-libris da Secundária de Oliveira do Hospital, a revista IPSIS VERBIS, não esquecendo a Biblioteca Escolar Doutor Vasco de Campos, o site da Internet em vias de remodelação, o Quadro de Mérito que a escola institui este ano pela primeira vez e o Observatório da Qualidade.

O relatório final resultante do processo de avaliação externa será publicado no site da Inspecção-geral da Educação. Sublinhe-se que a partir do próximo ano, este tipo de avaliação passa a ser obrigatória em todas as escolas.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …