“Os tempos são de dificuldade e não faz sentido, nesta altura, estar a comprar algum carro”

Invocando razões de ordem economicista, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital revelou-se, hoje, contra as declarações proferidas por António Lopes, em Assembleia Municipal (AM) de 30 de Abril, a propósito da necessidade de o município proceder à aquisição de um novo carro para transportar o presidente da autarquia.

“Acho que os tempos são de dificuldade e não faz sentido, nesta altura, estar a comprar algum carro”, afirmou Alexandrino em reunião pública do executivo, assegurando que tinha dito ao presidente da AM que “não gostaria de ver o assunto discutido na praça pública”.

“É uma polémica de que estou afastado”, continuou o autarca, sublinhando contudo que Lopes apenas “constatou um facto que era verdade”, porque – como contou – na reunião da Águas do Zêzere e Côa (AZC) realizada em Belmonte, o veículo do presidente da Câmara de Oliveira do Hospital “era o mais fraco”.

“Participei numa reunião na Figueira da Foz e o meu motorista também disse que o nosso carro era realmente o mais fraco”, continuou, ao mesmo tempo, que clarificou “não ter a mania dos carros”.

Apesar de verificar que “nesta fase de crise”, a compra de uma nova viatura se afigura como uma situação “supérflua”, Alexandrino não colocou de lado a possibilidade de equacionar tal situação “mais à frente”. Assegurou, contudo, que “qualquer carro de 30 mil Euros é suficiente para transportar o presidente da Câmara”.

“Parece-me que o presidente da Assembleia Municipal se incomodou com aquilo que não devia”

Embora tenha aproveitado o momento para esclarecer a sua posição sobre o assunto, José Carlos Alexandrino dava resposta à interpelação apresentada pelo vereador do PSD, Paulo Rocha, que, no período antes da ordem do dia considerou a intervenção de António Lopes, na última reunião da AM, “totalmente descabida”.

“Parece-me que o presidente da AM se incomodou com aquilo que não devia”, referiu o vereador, entendendo que Lopes se deveria antes preocupar com “a situação financeira da AZC” e, com “o montante das remunerações auferidas, no ano transacto, pelos administradores da AZC”.

O assunto valeu ainda a apreciação do vereador Mário Alves que, não perdeu também a oportunidade para referir que, com ele na presidência, o motorista nunca teve a possibilidade de tecer comparações relativamente às viaturas usadas pelos presidentes de Câmara, porque nunca teve motorista.

Ainda numa espécie de recado endereçado a António Lopes, Alves considerou que “não é o carro que dá dignidade a quem quer que seja”. “Um dos problemas da sociedade portuguesa é esse”, continuou o ex-presidente da autarquia, frisando que “as pessoas têm valor por aquilo que são e não pelos carros que utilizam”.

“Já viu se o presidente da República andasse de Clio”, retorquiu Alexandrino, insistindo, contudo, com a garantia de que “quando se comprar um carro, não será um carro com custos absurdos”.

Notícias relacionadas.

LEIA TAMBÉM

Medalha de Ouro de Oliveira do Hospital para Ana Abunhosa aprovada no meio de várias criticas

A atribuição da medalha de Ouro do Concelho de Oliveira do Hospital foi um dos …

PSD de Oliveira do Hospital considera que atribuir a Medalha de Ouro a Ana Abrunhosa “é condecorar a incompetência”

O PSD oliveirense não entende as razões que levam a Câmara Municipal de Oliveira do …