amianto

Pais e alunos de Oliveira de Hospital ameaçam encerrar escola devido ao amianto

Pais e alunos do Agrupamento de Escolas de Oliveira de Hospital ameaçaram hoje ao início da manha, durante uma manifestação, fechar a sede da instituição se até à Páscoa não forem retiradas as placas de fibrocimento, que contêm amianto, perigoso para a saúde, que ainda existem no estabelecimento escolar.  O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, entretanto, garantiu já hoje que vai procurar resolver os problemas da presença de placas de fibrocimento ainda existentes nas escolas, explicando que existem verbas disponíveis.

“O problema do amianto é transversal a muitos dos edifícios públicos. Durante os anos de 2013 e 2014 foi feito o mapeamento das escolas com problemas e foram feitas 300 intervenções para substituir as placas de fibrocimento”, explicou o governante.

Uma boa notícia para aqueles que se manifestaram hoje à chuva em Oliveira do Hospital e que há muito reclamam uma solução para a escola local. “Há vários anos que andamos a lutar contra a Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares pela remoção das placas, mas acontece que nunca as retiraram e a resposta que nos deram é que será feito quando houver dotação orçamental”, disse Ana Álvaro, presidente da Associação de Pais, para quem as coberturas de fibrocimento estão “muito degradadas, com fissuras, partidas”.

Num espaço que é frequentado diariamente por cerca de duas mil pessoas, Ana Álvaro refere que boa parte das coberturas dos passadiços já foi removida, mas deixou o recado: “senão forem dadas respostas durante este período lectivo, a Associação de Pais irá encerrar a escola”.

O director do Agrupamento de Escolas de Oliveira de Hospital, Carlos Carvalheira, por seu lado, mostrou-se solidário com a manifestação e garantiu que tem pressionado o Ministério da Educação para a retirada das placas de fibrocimento. “O que nos têm vindo a dizer é que, por falta de verba disponível, não foi possível retirar. Estamos a aguardar que, no mais curto espaço de tempo, sejam retiradas, tanto as dos passadiços como as coberturas de cinco pavilhões”, disse o responsável, lembrando que há mais de três décadas existe amianto naquele estabelecimento, do qual foram retirados, há dois anos, 750 metros quadrados de coberturas de fibrocimento dos 1.500 existentes. Carlos Carvalheira explicou ainda que, segundo a tutela, a retirada das placas de fibrocimento da sede do agrupamento representa um investimento que oscila entre os 400 e os 500 mil euros.

Sobre o eventual encerramento da escola, este responsável pediu serenidade e “algum equilíbrio na verificação dos problemas e nas acções que venham a ser tomadas”, por se tratar de uma escola pública, onde as aulas têm de “decorrer com normalidade”.

LEIA TAMBÉM

PSD e CDS/PP de Oliveira do Hospital solidários com vítimas da tragédia de Pedrogão Grande

O Partido Social Democrata de Oliveira do Hospital e o CDS/PP manifestaram–se ontem solidários com …

Nelo Silva é o candidato da coligação liderada pelo CDS à Bobadela

A coligação “Construir o Futuro”, liderada pelo CDS, e que integra o MPT e o …

  • António Lopes

    O que é que falta agora? Câmara PS, Governo PS …??? E os médicos,como é que estamos? O IC6 como foi um compromisso com o Senhor Presidente da Câmara, antes das eleições , deve estar a arrancar… Com o que vai para bolas e festas já se podia ter resolvido o problema há muito? Quem tinha um “projecto revolucionário” para a saúde, não consegue umas telhas em condições? A saúde também é com o Governo..! O que é que fizeram aquelas lonas caras..? Ouvi dizer que andavam “jogadas” no chão…

  • baralhado

    Como dizia o outro- É só fumaça!!! A associação de pais está preocupada com o amianto da escola grande (responsabilidade do governo). Então e o amianto do telhado da escola primária (responsabilidade da Câmara)? Os pequenos de 6 a 9 anos não têm a mesma importância dos graúdos? Ou não dá jeito incomodar a câmera? O deputado Lagos falou do amianto na escola na última Assembleia. Mas só agora é que se lembrou? Podia ter falado quando o governo era do partido dele. Para cúmulo, a vereadora diz que a Câmera apoia as reinvidicações dos pais. Mas se a própria câmera está em falta!!! O atraso na substituição das coberturas da escola grande é exactamente o mesmo do atraso da primária. Os donos é que são diferentes. A Câmera vai substituir o amianto na primária?A vereadora vê um cisco no olho do governo e não vê um cavaco no dela. Quanta hipocrisia!!!

  • Mancamulas

    Muitos destes alunos nem sabem que a água que bebem em casa passa na rede pública, composta por tubos de fibrocimento!. Sim, é verdade informem-se e manifestem-se contra isso. Isso sim, é mais perigoso, todos os dias ingerem água que passa no fibrocimento.Acorda Juventude!