Paulo Rocha demitiu-se do PSD

 

Alvo frequente de notícia, pela falta de relação que vinha mantendo com a Comissão Política Concelhia do PSD, cuja liderança não conseguiu conquistar por duas vezes consecutivas, Paulo Rocha apresentou, na quarta-feira, a sua demissão do partido a que está vinculado desde a juventude, tendo inclusivamente sido presidente da JSD de Oliveira do Hospital.

Paulo Rocha foi eleito, em outubro de 2009, vereador da oposição num executivo liderado – ainda que com maioria relativa – pelos socialistas, e exerceu no anterior mandato a função de vice-presidente do município presidido por Mário Alves e, atual colega na oposição.

A saída do jovem militante da família social-democrata coincide com um período de crispação por que passa a Comissão Política Concelhia do PSD, com a qual Paulo Rocha insistia em não se relacionar.

A postura de rutura com a estrutura concelhia do partido, que teve a sua génese por ocasião da eleição de José Carlos Mendes para a presidência do PSD concelhio e, que foi sucedida por um vasto conjunto de outros episódio que conduziram ao aparecimento de uma candidatura independente à autarquia oliveirense, é também seguida pelo antigo presidente da Câmara.

Recorde-se que, em face de tal postura, a retirada da confiança política há muito que se afigurava como uma sanção a aplicar a Paulo Rocha e Mário Alves. Ainda em julho, o vice-presidente da Comissão Política apresentou uma espécie de ultimato à líder, Sandra Fidalgo, onde exigia a retirada de confiança política à dupla de militantes e vereadores da oposição na Câmara Municipal.

Ainda que tal nunca se tenha vindo a concretizar, não constituía um cenário totalmente colocado de parte. Numa das últimas declarações que Sandra Fidalgo prestou a este diário digital, a presidente do PSD oliveirense referiu que a dupla “não representa a Comissão Política” e que a estrutura “está a analisar a melhor forma de abordagem, quer para integrar, quer para expulsar”.

É que no entender de Fidalgo, a postura até aqui assumida por Paulo Rocha e Mário Alves representa “um nítido prejuízo para o partido”.

De acordo com o que este diário digital apurou, terão sido estas afirmações da líder que, esta semana despoletaram a saída de Paulo Rocha do partido. A carta de demissão não chegou sequer a passar pela estrutura concelhia social-democrata, tendo sido diretamente remetida para a estrutura nacional.

O conhecido político, que pelo PSD também exerceu funções a nível distrital, afasta-se assim da bandeira laranja, mas não da bandeira concelhia. É que conforme informação recolhida pelo correiodabeiraserra.com, Paulo Rocha continuará a ser exercer a sua função de vereador da oposição na autarquia, mas na condição de independente.

LEIA TAMBÉM

Silêncio do Governo sobre IC6 no lançamento da requalificação do IP3 deixa José Carlos Alexandrino desagradado

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do hospital mostrou-se “bastante desagradado” com o Governo, …

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …