PCP criticou “guerra” entre autarca e governador e sugeriu a tomada de medidas concretas

Num encontro com os jornalistas à porta da empresa de confecções, Davion, em Oliveira do Hospital, a candidata da CDU ao Parlamento Europeu, Margarida Fonseca, repudiou o que apelidou de “guerra” entre o autarca Mário Alves e o representante distrital do governo, Henrique Fernandes, por verificar que ambos estão a “chutar a bola em termos de responsabilidade”.

 “Não estamos em tempo de chutar responsabilidades. Estamos em tempo de assumi-las, de encontramos formas de contornar os problemas e encontrar soluções”, defendeu.

 A candidata foi apoiada por João Pedro Ferreira, que sugeriu a tomada de decisões. “Creio que é tempo de pararmos para pensar e de não estarmos armados em comissários políticos como é o caso do papel do Governador Civil e do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, e começarmos a tomar medidas concretas”, sustentou o elemento do PCP, constatando que é isso mesmo que “tarda para prejuízo dos trabalhadores”.

A iniciativa do PCP, também participada por Vladimiro Vale da Comissão Política do Comité Central do partido, incidiu particularmente na crise que afecta o sector dos têxteis e das confecções e, que no corrente ano já ditou o encerramento de duas empresas no concelho.

O contacto com os trabalhadores foi a estratégia adoptada pelo PCP que, pelas 17h00 se concentrou em frente à empresa de confecções Davion escolhida – como foi dito aos jornalistas – por nenhum motivo específico. “Para nós é muito importante o contacto pessoa a pessoa”, referiu João Pedro Ferreira.

Em período de pré-campanha para as eleições ao Parlamento Europeu, Margarida Fonseca sublinhou algumas das propostas do partido, no sentido de minorar a crise e o seu impacto junto das pequenas e médias empresas.

Defensora da preservação da indústria têxtil portuguesa, a candidata lembrou que já há cerca de dois anos, o PCP entregou, no Parlamento Europeu, uma petição com cerca de 20 mil assinaturas, em defesa daquilo que é nacional. Referiu ainda que entre 2002 e 2008 fecharam 12 empresas têxteis na região centro, ditando o desemprego de mais de 500 trabalhadores.

Para inverter a situação, o PCP avança com propostas no domínio da diminuição dos custos de produção das pequenas e médias empresas. A sinalização das regiões com maior probabilidade de ocorrência de rupturas é outra das medidas avançadas pelo PCP, com o objectivo de as empresas em risco beneficiarem dos apoios do QREN e, assim, prevenirem o encerramento. Destaque também para as ideias defendidas pelo partido como forma de “balizar a liberalização do mercado”, e impedir que “numa Europa haja uns beneficiados e outros prejudicados”.

Aos jornalistas, João Pedro Ferreira lamentou ainda que o governo não dê atenção às duas moções recentemente aprovadas na Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, uma no domínio do reforço da rede social e outra que apelava ao desbloqueamento das verbas do QREN e do PRODER.

“Se o governo ouvisse estas propostas, poderíamos estar em condições de trabalhar na reestruturação da indústria.

Vladimiro Vale revelou-se também crítico, relativamente, às medidas anunciadas pelo governo, em torno dos apoios e benesses no recurso à banca.

“O que temos verificado é que as linhas de crédito e os fundos anunciados, ao invés de apoiarem as empresas, fazem com que a banca seja mais uma vez beneficiada”, notou, verificando que “é a própria banca a predar as pequenas e médias empresas e as famílias”.

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …