PJ deteve suspeito de atear mais de 50 fogos em Seia, Guarda e Nelas

PJ deteve suspeito de atear mais de 50 fogos em Seia, Guarda e Nelas

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem, que já foi bombeiro e que tem o curso de sapador florestal, pela alegada autoria de mais de meia centena de incêndios florestais na região Centro. Uma nota do Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda refere que o detido, desempregado, com 25 anos, está “fortemente indiciado” da prática de várias dezenas de incêndios florestais registados nos distritos de Guarda (concelhos de Seia e Guarda) e de Viseu (concelho de Nelas).

Os incêndios ocorreram entre 2011 e a presente data, “com particular incidência no período compreendido entre os meses de Junho e Setembro do corrente ano”, refere.

O detido, que já integrou uma corporação de bombeiros voluntários e de sapadores florestais, “terá agido sempre num quadro típico de puro incendiarismo”, assinala a PJ. “Os incêndios terão sido todos iniciados por meio de chama direta, com recurso a um isqueiro, em diferentes pontos da mancha florestal visada, só não tendo atingido proporções ainda maiores devido à rápida e eficaz intervenção dos bombeiros e de alguns populares”, acrescenta a nota.

Refere ainda que alguns dos incêndios agora imputados ao detido “demandaram a afetação contínua de um elevado número de recursos humanos e materiais, de várias corporações de bombeiros do distrito na Guarda”.

A PJ indica ainda que os fogos consumiram várias centenas de hectares de floresta e de terrenos agrícolas, formados por várias espécies de árvores e abundante vegetação, alguns localizados em pleno Parque Natural da Serra da Estrela, que causaram “elevados danos ecológicos e prejuízos patrimoniais”.

LEIA TAMBÉM

Detidos incendiários em Viseu, Vouzela e Tondela

A Polícia Judiciária deteve um homem, de 41 anos, casado, servente de pedreiro, pela presumível …

IMT vai recorrer de decisão que declarou ilegal fecho de centro de inspecção automóvel de Seia

O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) anunciou que vai recorrer das decisões judiciais que …