PJ deteve suspeito de distribuir ilegalmente sinal de TV em Oliveira do Hospital

A Polícia Judiciária deteve ontem “em flagrante delito” um comerciante em Oliveira do Hospital suspeito de distribuir ilegalmente sinal de televisão. O homem de 39 anos é “suspeito da prática dos crimes de burla informática, acesso ilegítimo e detenção de dispositivos ilícitos, entre outros”, refere a PJ, numa nota de imprensa.

De acordo com fonte da PJ, o suspeito alegadamente “angariava clientes, que lhe pagavam uma mensalidade e ele difundia o sinal dos diversos canais da operadora”. A actividade já “funcionaria há pelo menos um ano”, sendo que ainda não foram averiguados quantos clientes o suspeito teria.

Na operação da PJ foi identificado “diverso equipamento informático e electrónico ligado, a aceder e a partilhar conteúdos de televisão”, sem que o suspeito tivesse autorização para tal. A investigação levou a buscas na casa e estabelecimento do indivíduo, tendo sido encontrados “aparelhos nos dois espaços”, acrescentou fonte da PJ, salientando que o ‘cardsharing’ (distribuição ilegal de sinal protegido de televisão) “é um fenómeno que tem algum significado”, tendo-se registado “diversos casos” na região.

 

LEIA TAMBÉM

CDS/PP pede ao Governo conclusão do IC6 até Oliveira do Hospital e construção do IC7 e IC37

O grupo parlamentar do CDS-PP recomendou ontem ao Governo a conclusão do Itinerário Complementar 6 …

Mistério do consumo de mais de 1300 litros de água por dia em casa desabitada em Andorinha continua e proprietários ainda não sabem se vão ter ou não de pagar

Câmara Municipal de Oliveira do Hospital facturou menos 40 mil euros de água para não onerar vítimas dos incêndios

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital facturou no último mês de Outubro menos 38.133 …

  • Manuel Nunes

    Seria bom ser identificada a pessoa que foi apanhada para que não houvesse juízos de valor errados. O facto de alguém ter sido “apanhado” não significa que seja condenado já. Têm direito à presunção de inocência.
    Contudo, seria prestado uma informação isenta se fosse identificado o autor.

    • António Lopes

      Pelo que afirma e bem, a pessoa ainda não foi condenada.Tem direito ao bom nome.Identificada como..?