Portugal vence, não convence e regressa a casa

A seleção portuguesa, que venceu o Gana por 2-1, não conseguiu passar aos oitavos de final do Campeonato do Mundo. Embora tivesse feito um bom jogo com diversas oportunidades para marcar, os conquistadores não conquistaram a presença na próxima fase da competição. Para a história ficam as várias lesões, a má preparação física e muitas críticas a Paulo Bento.

A qualidade de jogo da equipa portuguesa, tendo sido maior do que a demonstrada nos dois jogos anteriores, não foi ainda assim suficiente para garantir a continuidade na prova. A equipa portuguesa diz adeus ao Campeonato do Mundo, deixando para a história uma prestação muito fraca e muito criticada.

Paulo Bento também não sai bem na fotografia. Desde que revelou os convocados, o selecionador foi alvo de duras críticas. A goleada frente à Alemanha (4-0), o empate com os Estados Unidos (2-2) e as várias lesões que deixaram a equipa desfalcada levaram Humberto Coelho e Henrique Jones à sala de conferência de imprensa dar explicações.
O Gana, por seu lado, fez o seu trabalho. Surpreendeu a Alemanha e os Estados Unidos e esteve com um pé nos oitavos. Se tivesse ganho a Portugal, a equipa africana tinha marcado presença na próxima fase da competição.

noticiasaominuto.com

LEIA TAMBÉM

Uma insólita invasão de javalis na cidade de Viseu

Uma ‘praga’ de javalis tem invadido todas as noites a cidade de Viseu, revela o …

Identificados quatro suspeitos de incêndio após queimadas em Viseu

A GNR anunciou hoje que identificou quatro pessoas em Lordosa, no concelho de Viseu, na …

  • Pritágoras

    Pois…
    Durante centenas de anos, a maioria dos emigrantes portugueses que foi à procura de fama e de proveito nas “Terras de Vera Cruz”, não conseguiu juntar dinheiro para a viagem de regresso…e lá ficou…
    Estes portugueses, da “elite” futebolística,hoje, para além do proveitoso rendimento adquirido – já aceitam pagamento de impostos? -pela representação do país naquela competição, regressam com pouca fama…mas regressam.
    Parece que , depois de toda esta (mais uma) “fraude”, apenas a Federação Portuguesa de Futebol ficou convencida…e vai ficar tudo na mesma…

    • Sem voz

      É assim, no entanto também já cá pagaram várias vezes os impostos ao Fernando Tordo, e mesmo assim quis ir à procura da fama e do proveito para essas paragens. Mesmo a cantar a tourada mais ao jeito de garraiada.

  • Marco Brito

    Para finalizar, deixo mais uma vez o comentário que fiz nos outros campos

    ——–

    Boa noite a todos.

    Não sou natural de Oliveira do Hospital, mas falaram-me deste jornal e do que se passava aqui. Estou a passar por Oliveira do Hospital por me terem falado da zona do colcorinho, os mesmos que falaram deste jornal, e lembrei-me de vir ver os jornais locais online para conhecer mais da região. Este de facto foi o que me fez perder mais tempo, mas pela negativa.

    Perdi uns minutos a ver as notícias e a ler os comentários por curiosidade. Vi que os comentários eram feitos pelos mesmos e sem conteúdo interessante.

    Tenho vergonha que existam pessoas assim e no meu país, que parecem miúdos sem educação e que não têm trabalho nem nada para fazer. Também quero deixar um reparo para o jornal: sendo um jornal online e onde as crianças podem aceder facilmente, é incorreto deixa apresentar os conteúdos que aparecem e que não são exemplo para ninguém. Não sei como podem deixar isto acontecer.

    Mais me envergonha que vejo criticas a coisas positivas. Será que só damos valor ao mal e ao estrangeiro.

    Espero que melhor a cultura das pessoas que perdem tempo aqui para apenas a dizer mal, que o seu nível de educação cresça e seja um exemplo para os mais novos e que AS PESSOAS SE DEDIQUEM MAIS A TRABALHAR DO QUE A FALAR DOS OUTROS.

    Também deixo um comentário final ao Jornal. É necessário que os jornais façam mais o seu papel de informação e que não sejam apenas um local onde existe falta de respeito,

    falta de educação e se deixe que as pessoas que não têm nada para fazer critiquem tudo e todos.

    Cumprimentos,

    Marco Brito