À Boleia Autor: André Duarte Feiteira

Premonições Socráticas… Autor: André Duarte Feiteira.

Durante vários anos, sempre me recusei a discutir política com os acérrimos “defensores” de José Sócrates. Não estou arrependido.

Por inúmeras vezes fui embrulhado em conversas sobre o estado em que se encontra o país, umas por uns motivos, outras por outros, mas sempre me mantive fiel ao princípio de não me alongar muito na discussão quando alguém defendia que José Sócrates era ou foi um exemplo enquanto primeiro-ministro. Sempre me interroguei de forma praticamente automática: será que temos vivido no mesmo país?

Nos últimos dias, José Sócrates, foi detido (de forma pouco ética e numa acção lamentavelmente mediatizada, diga-se). Acusado de corrupção, depois de lhe terem sido levantadas suspeitas sob o seu envolvimento em inúmeros casos. Será ou não culpado? Isso caberá à justiça apurar. Mas parece-me que os tais “defensores” de Sócrates já têm motivos suficientes para, de uma vez por todas, se consciencializarem que a sua (des) governação foi o fósforo na pólvora que levou à “explosão” económica e financeira do nosso país. Portugal foi assaltado e largado na bancarrota, os portugueses foram e continuam a ser fustigados com sacrifícios, o mínimo exigível, é que se faça justiça.

Todos nós somos inocentes até que se prove o contrário, mas foram casos a mais. Foi dinheiro a menos nos cofres do estado. Foram políticas desastrosas e inconscientes. Olho à minha volta e tenho a certeza que a avaliar pelo estado em que se encontra o país, Sócrates não está inocente.

E, caso se venham a confirmar as minhas premonições de que Sócrates também poderá estar envolvido em ilícitos criminais e vier a ser condenado, irei continuar preocupado. Pois o braço direito de José Sócrates, o senhor presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, parece reunir consenso no seio do Partido Socialista e, como todos sabem, pertence à ala socrática e participou no seu Governo. O novo líder diz que PS assume toda a sua história. Isso é elegante. Mas, ao contrário do que refere António Costa, não é possível separar o caso pessoal de José Sócrates com a justiça da acção política do PS. Porque o caso pessoal de Sócrates decorre da sua actividade como homem público do PS na liderança do Governo de Portugal. Se for confirmada a riqueza ilícita de José Sócrates, isso significará um enorme rombo no partido fundado por Mário Soares.

Acredito que este caso, no meio da corrupção e de um sistema judicial que viola o segredo de justiça e adora exibir-se para as televisões – o que é lamentável –, tem uma coisa muito positiva para Portugal: o sinal de que a impunidade dos poderosos acabou e o país funciona. Era praticamente isso que o jornal El País referia ontem. Isso tem um enorme valor simbólico. Inspira confiança, nomeadamente no exterior.

Porta-voz dos Números. Autor: André FeiteiraAutor: André Feiteira

LEIA TAMBÉM

“Crónicas de Lisboa”: Sinto Saudades do Futuro. Autor: Serafim Marques

Ter saudades do futuro, como assim se a saudade é um sentimento de algo ou …

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: As origens. Autor: Renato Nunes

O poeta que inspira estas palavras nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, …

  • Tenho que admirar o Sócrates

    Depois de uns dias detido sob vigilância, e mal foi posto à solta na prisão preventiva, o homem conseguiu pôr, em primeiro lugar, a ex-mulher a dizer que ele só queria uns quantos livros de filosofia em língua francesa.

    De seguida, em menos de uma hora conseguiu transtornar de tal forma o Mário Soares que ele quase atacava em vernáculo os repórteres que por ali acampavam (felizmente a Constança Cunha e Sá tentou pôr água na fervura mais tarde).

    Por fim, em comunicado feroz para a TSF, afirma a sua inocência evidente e a luta terrível por essa proclamação sem pretender o apoio do Partido Socialista, que aparentemente não quer prejudicar, mas bem sabendo que está a incendiar o próximo encontro socialista.

    António Costa deve estar deliciado. E a desejar que caia chuva à doida para que falem só nas inundações lisboetas e nada mais.

  • Justiça Sócratica

    Sócrates falou – ditou ao telefone – e o “comunicado” já chegou à Imprensa. E é mesmo ele, o Sócrates tentacular, quem fala, no disparar à toa de acusações e ameaças. Com o costumeiro remate vitimizante e heróico da reza. A coisa promete.

    Que se trata de uma afronta, um ataque, uma conspiração do Ministério Público… Mas – esqueceu esclarecer – do M.P. enquanto Magistratura, no todo da Instituição? De algum Magistrado em especial? Querendo isto dizer que esses malandros estiveram de tocaia, aguardando a cessação de funções do Procurado-Geral, o amigo Pinto Monteiro? E o Juiz Carlos Alexandre abençoou a cabala, embelezou-a com a prisão preventiva?

    E só agora o escândalo da violação do segredo de justiça, da coscuvilhice dos jornais e das televisões, da manipulação da opinião pública? E durante o seu consulado?, questionará Manuela Moura Guedes…

    A coisa promete, ficou dito acima. Sobretudo, urge decifrar a sua enigmática expressão – «este caso resolve-se com a justiça democrática». Exactamente porque a Justiça se limita a ser justa. Apodá-la de «democrática» só pode subentender a política imiscuir-se no desempenho do Poder Judicial. Com o camarada Pedroso também foi assim.

  • Justiça Sócratica

    Sócrates, a queda de um oportunista sem ideologia

    Não, o título deste artigo não é da autoria de um gangster neoliberal de direita, cuja profissão de fé passa por liquidar Sócrates na praça pública. É do Libération, esse mesmo, de Jean-Paul Sartre. A sublime ironia disto tudo é impossível de ser quantificada.

  • Sr. Viegas

    Por cada verdade que o senhor José Sócrates diz cai-lhe um braço, como se pode observar…

  • Politicalex

    E como disse o ex.Rei de Espanha ao amigo Chavez: “PORQUE NÃO SE CALAM”::?