Presidente da Câmara apresenta vereadora Fátima Antunes como testemunha em processo judicial

Conforme o Correio da Beira Serra noticiou na sua última edição (ver CBS impresso de 30 de Setembro), os factos remontam a Setembro de 2007, quando numa reunião realizado no salão nobre dos Paços do Concelho com vista vista à preparação do arranque do ano lectivo 2007/08 entre o autarca, as funcionárias do ATL e do pré-escolar, Mário Alves terá afirmado, durante a sua intervenção, o seguinte: “Não podemos contar com duas funcionárias daqui do ATL de Oliveira do Hospital porque são duas inválidas. E não querem fazer nada…”

Acontece que de acordo com o que o correiodabeiraserra.com conseguiu apurar, as funcionárias alegadamente visadas na aludida afirmação do autarca social-democrata, que recorrem com alguma frequência a baixas médicas por razões de saúde – uma sofre de uma doença do foro oncológico e outra tem problemas ortopédicos que lhe dificultam a locomoção –, decidiram apresentar uma queixa-crime contra Mário Alves, porque segundo o CBS online apurou eram essas mesmas funcionárias que regularmente recorriam à baixa médica.

A Procuradora do Ministério Público decidiu entretanto acompanhar a acusação, mas o presidente da CMOH acaba de requerer a abertura de instrução. Uma das suas testemunhas – há alguns funcionários da autarquia oliveirense que também foram arrolados pela defesa do autarca –, é a vereadora Fátima Antunes.

Ainda de acordo com o que este diário digital também apurou, outra das testemunhas arroladas pela acusação e que esteve presente naquela polémica reunião – trata-se do director do departamento administrativo e financeiro da CMOH, João Mendes – não confirmou entretanto a versão dos factos apresentada pelas queixosas.

Apesar de Mário Alves ser acusado de ter proferido aquela polémica afirmação, quando estava no exercício das suas funções, a acusação decidiu apresentar uma queixa-crime contra o cidadão e não contra o autarca. Contudo, o edil oliveirense nomeou como seu defensor oficioso Armando Pinto Correia, um advogado avençado do município.

Esta situação tem vindo a gerar alguma controvérsia e, na última assembleia municipal, dia 26 de Setembro, o autarca foi desafiado por um deputado municipal do PS, Francisco Garcia, a esclarecer se era o município a pagar as despesas judiciais inerentes ao processo ou o cidadão Mário Alves. “A questões judiciais respondo no local próprio e aqui não lhe vou dar resposta nenhuma”, argumentou o autarca.

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …