Câmara de Góis atribui apoios aos Estudantes e assina contrato de Emprego-Inserção com desempregados do concelho

Presidente da Câmara de Góis explica diferendo e acusa “independentes” de utilizarem documentação de forma abusiva e avança com queixa na CNPD

A presidente da Câmara Municipal, eleita pelo PS, garante que nunca vedou o acesso dos documentos sobre requisições e pagamentos aos vereadores do Grupo Independentes por Góis, apenas deixou de os distribuir. Maria de Lurdes Castanheira garantiu ao CBS que apenas tomou esta atitude após ter conhecimento do “uso abusivo que era dado à referida documentação” que não é de “distribuição obrigatória”. A autarca promete agora avançar com uma queixa na Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) contra aqueles que “utilizaram de forma abusiva” documentação que continha informação privada, com nomes e números e que era interna da autarquia.

“Nunca impedi o acesso aos documentos, apenas deixei de os distribuir porque tal não era obrigatório. Está tudo lavrado em acta e gravado”, referiu, passando depois a explicar o que a levou a tomar tal atitude. “Há mais de 20 anos que estes documentos eram distribuídos por uma questão de cortesia. Continuei a fazê-lo no meu primeiro mandato. Mas quem estava na oposição noutros tempos era gente de bem, sabiam respeitar a privacidade”, conta, acusando os vereadores visados de utilizarem os documentos abusivamente em cafés e nas redes sociais. “Isto é que é violador do princípio democrático. São documentos do departamento financeiro que contêm nomes. Documentação interna”, explica, frisando mais uma vez que não lhes vedou o acesso apenas deixou de os distribuir. “Podem consultá-los e tirar cópias gratuitas, bastando dirigir-se ao respectivo departamento”, frisou.

Recorde-se. que aquele grupo acusou a autarca em comunicado de se negar a distribuir os documentos e de atitudes pouco democráticas.

Maria de Lurdes Castanheira queria “preservar o nome de Góis e evitar ao máximo que o nome da vila fosse falado por maus motivos”. Garante que durante muito tempo se recolheu ao silêncio. Tudo, confessa, tem um limite. “Agora está na hora de avançar com uma queixa na Comissão Nacional de Protecção de Dados, contra aqueles que “abusivamente” utilizaram documentos que continham informações privada com nomes e que era documentação interna da autarquia.

A presidente da Câmara de Góis faz questão de esclarecer ainda que não reconhece qualquer independência política ao denominado Grupo Independentes por Góis. “O grupo independente verdadeiramente não existe. Os vereadores que o representam são os que estiveram noutras alturas como socialistas ou sociais-democratas. Não lhes reconheço independência, mas antes uma enorme dependência”, concluiu.

O vereador do Grupo Independentes por Góis Diamantino Garcia nega que tenha sido dado uso abusivo aos documentos. “Nem sequer sei o que quer dizer com isso”, explica ao Correio da Beira Serra, mostrando-se pouco preocupado com uma eventual  queixa para a Comissão Nacional de Protecção de Dados. “Não houve utilização abusiva. Tudo começou aquando de um espectáculo gratuito em que o montante nos pareceu elevado e questionámos o porquê de tanta animação. Nós só queríamos saber os critérios de não se cobrar ingresso para aliviar a conta da autarquia. A Srª Presidente não gostou e a partir desse momento deixou de distribuir os documentos”, sublinha este vereador. Diamantino Garcia, de resto, diz que também não lhe são entregues os pareceres jurídicos que a autarca diz ter, bem como protocolos. “O que queremos é um direito garantido pela Constituição que é o da informação”, remata.

 

LEIA TAMBÉM

CNE dá provimento a denúncias do PSD e pede explicações a José Carlos Alexandrino sob alegadas práticas que violam lei eleitoral

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) deu provimento a uma queixa apresentada pela concelhia do …

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …

  • Tenha vergonha

    Mais uma que ou desconhece a Lei, ou faz de conta que não conhece. Tem que entregar os documentos que lhe pedirem Srª Presidente.
    Se fazem mau uso deles, isso já é um particular, em que deve recorrer à justiça em vez de se queixar à comunicação social.
    Deixem-se de politiquices de meia tigela e trabalhem legalmente e bem a favor do povo.

  • P.inóquio.S

    Qual lei? Para os Senhores presidentes de Câmara, a lei são eles? E quando alguém lhes diz que têm que prestar contas à Assembleia ou aos vereadores, correm com quem lhes faz frente ou portam-se desta maneira.

  • Não gozem

    A Srª Presidente não reconhece independência aos Independentes.
    Será reconhecido o seu socialismo? Não me parece, democrata não é de certeza.

  • Pritágoras

    Tiago Abreu, vereador na Câmara Municipal de Elvas pelo CDS-PP, considera “ridícula” a congratulação por parte da concelhia do PS de Elvas pela mudança de Manuel Valério e Tiago Afonso para o lado de Nuno Mocinha.

    “Para lá do Marão, mandam os que lá estão. (?)

    Ao início da tarde desta segunda-feira, 25 de agosto, Tiago Abreu promoveu uma conferência de imprensa, para abordar mais alguns dos desenvolvimentos da crise política da autarquia de Elvas.

    “Pelos vistos o PS de Elvas congratula-se pela mudança de posição de dois vereadores, que passaram, como é sabido, para o lado de Nuno Mocinha. Ou seja, o PS de Elvas congratula-se pelo facto de o presidente da câmara, a quem o próprio PS de Elvas retirou a confiança política, ganhar a confiança de dois vereadores indicados pelo Partido Socialista”, alega.

    Tiago Abreu aproveitou para fazer uma “pequena cronologia dos acontecimentos” relativos às “opções políticas” de Rondão Almeida e Elsa Grilo. Também o convite de Nuno Mocinha a Tiago Abreu para aceitar tempo e pelouros no executivo, e a respetiva recusa, foram assunto para esta conferência de imprensa.

    “Recusei os pelouros e o tempo, mas aceitei viabilizar o orçamento municipal; para mim esta será e é, sem margem para dúvidas, a questão mais importante: a estabilidade de governar com um orçamento próprio e não com um orçamento de duodécimos baseado no do ano passado”, justifica.

    “Acontece que as pessoas de sempre puseram a circular uma versão sobre a minha recusa de tempos e pelouros, tão maldosa como mentirosa. Parece que na cabeça de algumas pessoas terei recusado por ganhar mais no parlamento em Lisboa”, acrescenta. “Falando apenas em dinheiro estamos a comparar um rendimento antes de impostos de um vereador a tempo inteiro de 3131,58 euros contra o meu rendimento também antes de impostos de 2671,83 euros”, explica o vereador.

  • Pritágoras
  • Asterix

    Pensei mais no concelho que guerras….