Terça-feira, Março 28, 2017
Início - Região - Oliveira do Hospital - Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital “satisfeito” com resultado da EXPOH
Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital “satisfeito” com resultado da EXPOH

Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital “satisfeito” com resultado da EXPOH

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e o responsável máximo da ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, que é também vice-presidente da autarquia oliveirense, fazem um balanço positivo da sétima edição da EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital que decorreu entre 30 de Julho e o domingo passado. Um texto publicado no sítio do município na internet refere que passaram milhares de pessoas pelo evento, sem especificar números, e dá conta da satisfação do autarca José Carlos Alexandrino e de Francisco Rolo.

“A EXPOH foi um sucesso e teve um êxito enorme sendo, sobretudo, um ponto de encontro entre gerações”, conta o presidente da Câmara Municipal Oliveirense que se diz satisfeito e destaca o conjunto de parcerias com diferentes entidades, “parceiros fundamentais” bem como a presença dos 150 expositores que contribuíram para o sucesso deste certame. José Carlos Alexandrino aponta ainda a Gala Social inserida nas actividades da Expo Social e a final do Soltem Talentos, concurso municipal, como dois momentos “marcantes” dos nove dias do evento.

Sublinhando que o concelho de Oliveira do Hospital tem uma localização estratégica que chama visitante dos concelhos da região, o presidente do Município refere ainda que pretende dar maior dimensão à EXPOH e que a organização já está a delinear a estratégia para 2017. Segundo adiantou a Rádio Boa Nova, a próxima edição deverá ser antecipada o mês de Julho e no cartaz de espectáculos estará já garantida a presença do grupo “XUTOS E PONTAPÉS”. Já sobre o evento que agora terminou, o autarca explica que durante os últimos nove dias sentiu o “carinho” das pessoas. “Diziam-me que precisávamos disto, de uma feira como ponto de encontro e que Oliveira do Hospital nota-se que hoje é uma cidade diferente para melhor”, explicou.

Já o vice-presidente da autarquia e presidente da ADI sublinhou que houve “mais visitantes e mais espectadores do que em 2015″. Mas também aqui não avança qualquer número concreto. “Teve mais vida e mais pulsar” limita-se a dizer José Francisco Rolo, para quem o sucesso alcançado ao longo destas sete edições é “desafiador para o futuro” e obriga a “trabalhar ainda mais cedo” para se conseguir aquilo que pretende venha a ser uma EXPOH mais atractiva para os expositores. Prometeu, por isso, um cartaz mais “apelativo e forte” para a edição do próximo ano.

  • Ricardo Antunes

    Números? Isso fica para mais tarde. Muito mais tarde. O “meu povo” não precisa de números só está preocupado em dar carinho ao seu alcaide. Uma anedota.

  • Guerra Junqueiro

    Nem as festas o ajudam. Bem pode contar com “xutos e pontapés”.
    Contas? Não mostram uma, já vamos na sétima, e contas só as que fez o Rocha. Pobreza Franciscana, o que havia de calhar a Oliveira do Hospital.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Ele & Ela

    “Prometeu, por isso, um cartaz mais “apelativo e forte” para a edição do próximo ano.”

    É normal, é ano de eleições. Quanto à EXPOH deste ano, foi um fiasco!!! Nem do dia do Emanuel houve enchente!

  • [email protected]

    cantardeamigo

  • António Lopes

    Se forem ler os comentários dos anos anteriores são uma fotocópia.Mas , também, que podiam os homens dizer..? As contas foram uma surpresa, aí foram foram..Os números para não variar, vai haver para todos os gostos e também como de costume, um por cada vereador e um para o Senhor Presidente.Quanto a sumo o do costume.Como diriam os Franceses “Rien de rien..”.E , porque para muita gente a política é a arte da mentira, nada a opor.Tudo bem…

    • Teófilo

      Não sabemos, ainda hoje – vivemos num país em que muito pouco se sabe da vida de Luís Vaz de Camões, claro está, à excepção de meia dúzia de eruditos, que nunca compuseram um verso, sequer, em condições, mas que escreveram muito…sobre a obra do mestre, e que são os que mais sabem dele, e que são os mais badalados, os do regime, pois claro, e académicos foram e são, mas ideologicamente controlados…e controladores;convém. Mas nunca se lhes leu, de sua própria autoria, com nível e cariz literário que baste, uma única “peça” literária para lhe reconhecermos esse arbítrio de muito produzir sobre a obra de outros. Parecem, por isso, como quem se alimenta da obra de outros, verdadeiros “canibais” .E, quando é para dizer bem, melhor está colocada a tarefa..e prolifera tem sido a “escrita”. Apenas acessível a “gente” como eles. Excluímos, claro está, todos quantos, honestamente, estudaram e aprenderam com ele…é a vantagem do estudo: aprender alguma coisinha, para ensinar, até na Universidade, e escrever melhor coisinha, pois claro, dadas as limitações, mas a poesia não pode morrer…seria o extermínio da Humanidade. – muito sobre Luís Vaz de Camões, esse colosso.
      Mas sabemos, isto é, felizmente, podemos ler e estudar a sua obra, à luz das nossas mentalidades, afastadas, em séculos, daquelas que ele conheceu, da sua própria mentalidade, e que estudou e retratou, colocando, num plano universal e intemporal, a nossa matriz portuguesa.
      Nada em definitivo, por aqui, mas deixar-lhe, sr AL , um soneto que todos nós, em vez das avé-marias, ou coisas que tais, deveríamos ler, nas matinas da nossa consciência, todos os dias…(quem não tem, não necessita: chama um santo para lhe resolver o problema e paga-lhe: foguetes, banda, ou ex-voto.)
      Muitos chamam, por isso, o “orçamento do estado”.

      Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades

      Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
      Muda-se o ser, muda-se a confiança:
      Todo o mundo é composto de mudança,
      Tomando sempre novas qualidades.

      Continuamente vemos novidades,
      Diferentes em tudo da esperança:
      Do mal ficam as mágoas na lembrança,
      E do bem (se algum houve) as saudades.

      O tempo cobre o chão de verde manto,
      Que já coberto foi de neve fria,
      E em mim converte em choro o doce canto.

      E afora este mudar-se cada dia,
      Outra mudança faz de mor espanto,
      Que não se muda já como soía.

      Luís Vaz de Camões, in “Sonetos”