Presidente da Nos acusa Governos e Anacom de pactuarem com fraude nas zonas afectadas pelos incêndios e aponta dedo à Altice

O presidente da Nos garante que não tem mais de dois ou três clientes sem comunicações nas zonas afectadas pelos incêndios do ano passado, e aponta que os problemas existentes se devem a uma empresa associada à PT/Altice (o gigante das telecomunicações que recentemente terá pago o jantar solidário realizado em Oliveira do Hospital durante a Feira do Queijo, evento ao qual se terá associado). “Há uma fraude com a qual os governos e a Anacom têm pactuado”, acusa Miguel Almeida em entrevista ao semanário Expresso.

O gestor especifica que há “fraude” e problemas de concorrência na Fibroglobal, empresa dona de redes rurais no centro do país, onde deflagraram os fogos de 2017. Esta companhia foi comprada por uma empresa alegadamente associada à Altice. Uma “fraude” com a qual as sucessivas administrações da Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) e governos “têm pactuado, com o seu silêncio e inação”, diz Miguel Almeida.

“É preciso perceber porque é que estes clientes continuam sem serviço. Porque grande parte destes locais é servida pela rede da Fibroglobal, que foi paga com dinheiro públicos e que está a ser usada de forma privada. O que constitui uma fraude”, denuncia Miguel Almeida, em declarações ao Expresso.

“São essencialmente clientes cujos serviços estavam assentes na rede de cobre do incumbente [PT, controlada pela Altice]. O que o incumbente faz é propor-lhes a migração para serviços de fibra, com serviços adicionais. Não é já só voz fixa, tentam também vender televisão”, conta o presidente da Nos.

“Podem dar-se ao luxo de o fazer porque não há concorrência. Usam uma rede que foi paga por dinheiros públicos [fundos europeus de 30 milhões de euros] em seu benefício próprio, o que é uma fraude com a qual sucessivos governos, não apenas o actual, e sucessivas administrações da Anacom, não apenas a actual, têm pactuado com o seu silêncio e a sua inacção”, lamenta Miguel Almeida, que acusa ainda a Anacom de “desinformação”.

Altice considera “irresponsável e preocupante” este “ataque grave e gratuito”

“Trata-se de uma entrevista do CEO da Nos sobre a Altice, que indicia a necessidade de ‘fazer prova de vida’. Não conhecendo a nossa empresa é natural que o conteúdo tenha pouca consistência”, reagiu fonte oficial da Altice Portugal em nota enviada aos jornais e da qual dá conta o Jornal de Negócios. A mesma fonte critica ainda Miguel Almeida por “não” abordar “os temas com que a Nos se debate, como a estrutura accionista, transparecendo claramente não estar à vontade com o que pode suceder no futuro”, refere, recusando-se a comentar esta acusação de fraude, embora a considere “irresponsável e preocupante o ataque grave e gratuito feito ao Governo português e ao próprio regulador”. “Quando der uma entrevista sobre a Nos talvez possa dizer o que pensa”, refere, sublinhando ainda que é estranho “que recebendo do Estado e, portanto, dos contribuintes, quase dez milhões de euros pelo contrato de serviço universal, apenas tenha responsabilidade por dois ou três clientes”, conclui.

LEIA TAMBÉM

IP3 cortado na zona de Penacova devido a avaria de pesado

A avaria de um pesado, pelas 14 horas, provocou o corte do trânsito no IP3, …

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …