Principal traficante na cadeia de Coimbra era a telefonista

Uma telefonista do Estabelecimento Prisional de Coimbra está a ser acusada de ser fornecedora de uma rede de distribuição de drogas dentro dessa mesma prisão, conta o Jornal de Notícias.

O Ministério Público de Coimbra desvendou uma rede de tráfico droga no Estabelecimento Prisional de Coimbra. Entre outros envolvidos, descobriu-se que a principal fornecedora da rede é Graça Maria Gonçalves, a telefonista do estabelecimento já lá vão 14 anos.

A mulher fornecia quatro redes de distribuição, sendo uma delas liderada por Fernando Martins, um dos envolvidos no caso ‘Noite Branca’, um caso relativo a homicídios na noite do Porto, em 2007.

A mulher era contactada por telemóvel e todos eram obrigados a trata-la por tia, sogra ou prima. Já ela tratava quem estava do outro lado da linha por genro, sobrinho ou primo. Quanto aos produtos transacionados, falava-se em pó, bolas, sapatos, comprimidos, ou coisitas para o ginásio.

A investigação, que começou a 23 de março de 2013, não demorou muito a ser desvendada, até porque a funcionária possuía uma agenda pessoal em que anotava as substâncias que inseria na cadeia bem como o valor monetário que recebia pelas mesmas.

A mulher, que chegava a ganhar 250 euros por cada grama de droga, está a ser acusada juntamente com Fernando Martins e mais 10 indivíduos.

noticiasaominuto.com

LEIA TAMBÉM

Vítimas dos fogos podem pedir indemnizações até Janeiro de 2019

As vítimas dos incêndios de 2017 que não tenham sido já indemnizados podem requerer, até …

Incêndio

Autarquias sem prazo para se substituírem aos proprietários que não limpem os terrenos

O parlamento aprovou hoje na generalidade dois projectos de lei do PCP sobre faixas de …