Processo HBC: Presidente da Câmara acusa o Estado de não saber fazer contas

Invocando o caso da HBC, onde existe uma empresária local interessada em retomar a actividade daquela empresa de confecções, José Carlos Alexandrino criticou o papel do Estado em todo este processo, referindo-se em concreto ao facto de o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS) ter rejeitado, em assembleia de credores, a viabilização de uma proposta que representava a manutenção de cerca de 100 postos de trabalho.

O autarca independente do PS acusou mesmo o Estado de não saber “fazer contas”, e considerou a situação como “paradoxal”.

Alexandrino explicou que o IAPMEI estava disposto a injectar 750 mil euros naquele projecto, mas depois – frisou – “houve pessoas no IGFSS que arranjaram um conjunto de dificuldades”. Ou seja – continuou – “uma estrutura do Estado entra no projecto, e outra impede o projecto”.

Lamentando que o problema não esteja ainda resolvido, apesar dos esforços da Câmara Municipal, do próprio Governador Civil de Coimbra e, ainda, da sindicalista Fátima Carvalho – “tem travado uma luta titânica”, observou o autarca –, Alexandrino desabafou que “há técnicos que estão nos corredores e nos ministérios que não conhecem o país” (…) eles vivem bem, mas não sabem fazer contas”, disse.

Todavia, e insistindo na tese de que “o Estado poupava dinheiro” com a viabilização da HBC, Alexandrino manifestou-se “esperançado” na sua viabilização e deixou um recado: “Não estou derrotado…”

Mas as críticas ao Estado não se ficaram por aqui, já que o chefe do executivo oliveirense também disparou contra a forma como está a ser feita a gestão dos Programas Ocupacionais (POC) destinados a pessoas em situação de desemprego. “É uma vergonha”, sentenciou Alexandrino, explicando que neste momento “os POC estão parados numa plataforma electrónica em Lisboa”.

“Um bom jogador gosta de jogar com o estádio cheio”

Deixando aquilo que considerou como “disparates”, o presidente da Câmara, que esteve sensivelmente uma hora à espera de que as pessoas chegassem à plateia da sala da Casa da Cultura César Oliveira – “um bom jogador gosta de jogar com o estádio cheio”, ironizou –, quis entretanto deixar “um discurso de esperança”.

 Falando para uma plateia maioritariamente composta por mulheres que com o colapso na indústria de confecções local perdeu o emprego – embora com atraso, a sala quase encheu –, Alexandrino sublinhou que esta crise “mundial” estende-se a muitos concelhos do país , mas pode abrir janelas.

“Há pequenas oportunidades na crise que nós temos que aproveitar e também não podemos passar a vida a queixarmo-nos”, salientou o autarca, apelando a uma postura pró-activa. “Conto convosco. Ajudem-me a construir um concelho novo e com riqueza”, apelou.

Enaltecendo o facto de Oliveira do Hospital ser o “único concelho do país” que tem um “Contrato Local de Desenvolvimento Social” – estas jornadas foram organizadas pela CMOH em parceria com aquela entidade e o Gabinete de Inserção Profissional –, o director do Centro Distrital de Coimbra do Instituto da Segurança Social associou-se às preocupações do presidente da Câmara quanto ao caso HBC, e manifestou-se convicto de que Alexandrino “conseguirá encontrar uma solução com esta forma de combate e preserverança”.

Mário Ruivo prometeu ainda dar um contributo no sentido de “sensibilizar” o IGFSS para que se encontre “um equilíbrio que salvaguarde as partes envolvidas no processo”, e enalteceu o facto de Alexandrino não deixar de “dizer aquilo que tem que dizer” já que – segundo o próprio – está a colocar “os interesses de Oliveira do Hospital acima de qualquer outro interesse”.

LEIA TAMBÉM

AVMISP avisa, após reunião Marcelo Rebelo de Sousa, que falta de apoios pode levar empresas afectadas pelos incêndios a encerrar

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) lamentou hoje, na …

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …