PRODER disponibiliza mais de dois milhões de Euros para “projetos necessários e que causem impacto na região”

 

… que entra em fase de candidaturas no dia 2 de Abril e disponibiliza dois milhões e oito mil Euros para projetos da região.

Em contagem decrescente para a data de abertura de candidaturas ao subprograma 3 do PRODER – Dinamização das Zonas Rurais para a Região da Beira Serra, que tem a ADIBER como entidade gestora, foi positiva a resposta dos oliveirenses à chamada para a sessão de divulgação ontem realizada no Salão Nobre da Câmara Municipal.

Na ação que também passou pelos municípios de Tábua, Góis e Arganil marcaram presença responsáveis autárquicos e de Instituições Particulares de Solidariedade Social, para além de outros promotores.

“É muito grato ter-vos aqui porque estão atentos e despertos para poderem aproveitar as oportunidades”, referiu o presidente da ADIBER que, na sessão de ontem, apreciou a capacidade empreendedora de outros promotores, que anteriormente viram aprovadas as suas candidaturas e não hesitaram em avançar para a necessária execução.

“Só executando é que o dinheiro chega à região”, avisou Miguel Ventura, dando conta de um pacote de mais de dois milhões de Euros disponível para as sete áreas previstas no subprograma 3 do PRODER, sendo que as maiores fatias são absorvidas pela “Conservação e Valorização do Património Rural” com um bolo de 515.708,36 Euros e pelo “Desenvolvimento de Atividades Turísticas e de Lazer – Alojamento Turístico” com 502.496,04 Euros.

Com dotações orçamentais mais reduzidas, o subprograma 3 do PRODER contempla também áreas como a Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola, Criação e Desenvolvimento de Microempresas, Desenvolvimento de Atividades Turísticas e de Lazer- Animação Turística, Serviços Básicos para a População Rural – Respostas Sociais e Serviços de Animação Recreativa e Cultural.

Números que à primeira vista podem parecer consideráveis, mas que no entender do presidente da ADIBER “são mais do que insuficientes para aquilo que são as necessidades da região.

“Quando formos dividir isto por ações, por concelhos e freguesias não é significativo”, frisou Miguel Ventura, apelando aos potenciais promotores para que não se precipitem na hora das candidaturas e para que pugnem pela apresentação de projetos que sejam “necessários e causem impacto na região”.

“Às vezes, os projetos mais pequenos causam mais impacto do que outros que exigem mais financiamento”, alertou o responsável.

“Hoje criar um posto de trabalho é um riqueza de que não podemos abdicar”

Conhecedor dos trâmites do PRODER por força da sua atividade profissional na ADIBER, o agora vice-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital desafiou os potenciais promotores a avançarem com “novos projetos criativos e inovadores e que tenham o argumento da criação líquida de postos de trabalho”.

É que para além de se tratar de um dos critérios de avaliação dos projetos sujeitos a candidatura, a criação de postos de trabalho é uma das maiores necessidades sentidas pelos oliveirenses e sociedade em geral.

“O desemprego é preocupante”, referiu José Francisco Rolo, aludindo em particular ao “número de jovens que hoje se qualifica e que procura emprego”.

Para o responsável, que no município oliveirense também tem nas mãos a pasta da Ação Social, Oliveira do Hospital precisa de projetos criadores “de postos de trabalho, de riqueza e que tenham efeito multiplicador”.

“Hoje criar um posto de trabalho é um riqueza de que não podemos abdicar”, verificou José Francisco Rolo, que no combate ao desemprego e luta pela melhoria das condições de vida, louva a boa parceria que tem vindo a existir entre o município e a ADIBER e que tem proporcionado o aparecimento de novos projetos empresariais.

Na área da Saúde, Rolo referiu-se ainda ao projeto da Unidade Móvel de Saúde que será uma realidade “a breve trecho”, numa parceria entre a Fundação Aurélio Amaro Diniz e a Câmara Municipal, e que vai permitir a prestação móvel de cuidados de saúde.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …