calor

Protecção Civil reforça alerta para efeitos nefastos da continuação do calor nas próximas 48 horas

A Protecção Civil alertou hoje para a continuação do tempo quente e seco, condições agravadas pela intensificação do vento, que “dificultam a supressão dos incêndios e facilitam a sua propagação” e podem ter efeitos na saúde pública. “De acordo com a informação actualizada e disponibilizada pelo IPMA [Instituto Português do Mar e da Atmosfera], salienta-se, para as próximas 48 horas, a persistência das condições associadas a tempo quente e seco, agravadas pela intensificação do vento”, refere a protecção civil.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) afirma que as condições meteorológicas e de qualidade do ar, associadas à ocorrência de incêndios florestais, “podem ter efeitos significativos na saúde pública, particularmente nos grupos mais vulneráveis da população”, frisa a ANPC apelando ainda à população para beber água, manter a casa arejada e evitar a exposição ao sol, nas horas de mais calor, recomendando atenção especial aos recém-nascidos, crianças, pessoas idosas e pessoas doentes, que podem não sentir, ou não manifestar sede, mas devem hidratar-se.

Salientando que “estas condições meteorológicas dificultam a supressão dos incêndios e facilitam a sua propagação”, a ANPC pede ainda cuidados redobrados e comportamentos de precaução para evitar os incêndios florestais. Recorda, por isso, que, nesta altura do ano, não é permitido nos espaços rurais realizar queimadas ou fogueiras para recreio ou lazer, utilizar equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confecção de alimentos, lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes, fumar ou fazer lume nos espaços florestais e vias que os circundem.

LEIA TAMBÉM

Detidos incendiários em Viseu, Vouzela e Tondela

A Polícia Judiciária deteve um homem, de 41 anos, casado, servente de pedreiro, pela presumível …

IMT vai recorrer de decisão que declarou ilegal fecho de centro de inspecção automóvel de Seia

O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) anunciou que vai recorrer das decisões judiciais que …