PROTESTE revela morada da poupança nacional

A DECO PROTESTE visitou 581 lojas de todo o País e revela que os preços mais baixos moram nas lojas do Jumbo. O Continente perdeu terreno na corrida. A revista dos consumidores analisou 50 617 preços para 2 cabazes: um com 85 produtos de características definidas, para quem privilegia as marcas do fabri¬cante mais vendidas, e outro mais adaptado aos novos hábitos dos portugue¬ses, a pensar em quem combina marcas de fabricante com as mais económicas.

Descubra o supermercado mais barato da sua região com o simulador em deco.proteste.pt/supermercados.

Para encher o carrinho com o primeiro cabaz, todas as posições do pódio pertencem ao Jumbo. Isolado na liderança, o da Amadora ganha a corrida na¬cional. A 2.ª posição é ocupada pelo da Maia e a 3.ª posição pelo de Setúbal. O Pão de Açúcar de Vila Nova de Gaia e os Mosqueteiros, através do Intermarché Contact, de Vila Pouca de Aguiar, só rivalizam no cabaz que a PROTESTE estreia este ano para melhor servir os consumidores.

Em termos globais, os preços mais elevados habitam a Sul: 3 lojas do distrito de Lisboa (Bilene, na cidade, Polisuper, de Porto Salvo, e Suportel, na Portela) são as mais caras, acompanhadas pelo Supermercado Veríssimo, em Beja.

Escolher a morada certa rende um reforço de centenas de euros no orçamen¬to. Por exemplo, em Setúbal, para uma despesa mensal de € 150 na Pluricoop (Av. António Sérgio), gasta mais € 495 ao ano do que no Jumbo (Av. Coração de Maria). No Porto, fazer mais um quilómetro significa uma economia de € 172 por ano. Basta visitar o Pingo Doce, na R. Passos Manuel, em vez do Froiz. Se alargar o percurso, sem sair do distrito, também poupa. Em Lisboa, preferir o Jumbo da Amadora ao Bilene, na R. Prof. Reinaldo Santos, vale € 845 anuais.

Na guerra por cadeias, o Jumbo consolida a 1.ª posição nos dois cabazes e o Pão de Açúcar cola-se no 2.º posto. Já as famílias Continente e Continente Mo¬delo partilham a 3.ª posição. Trocar alguns produtos por equivalentes das mar¬cas mais baratas pode render um corte médio de 20 por cento. Nas lojas Ponto Fresco, este atinge 24% e ,no Lidl e no Pão de Açúcar, ronda os 22 por cento.

www.deco.proteste.pt

LEIA TAMBÉM

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …