Próximo QREN “muda radicalmente” e põe fim a “dinheiro dado”

 

Norberto Pires fala de co-financiamentos mais reduzidos e sempre sujeitos a contrapartidas.

Em Oliveira do Hospital, a participar na conferência/debate alusiva ao setor turístico e dinamizada pelo PSD local, Norberto Pires traçou ontem as linhas gerais do próximo Quadro de Referência Estratégico Nacional em que já está está a trabalhar e, avisou que o tempo do acesso “ao dinheiro dado” já lá vai.

O responsável que dava conta ainda de um volume considerável de capital que, ao nível dos vários eixos do atual QREN ainda continua disponível e por executar, alertou para a mudança de paradigma inerente ao próximo pacote comunitário, cujo acesso passa a estar sujeito à lógica de reembolso.

“Será um quadro que será reembolsado em grande percentagem”, referiu o presidente da CCDRC, notando ainda que o co-financiamento passará a ficar bem abaixo dos atuais oito por cento e restrito a “projetos que gerem valor”.

“É uma mudança muito grande de perspetiva, já que até aqui se via o QREN como instrumento de financiamento a fundo perdido, como dinheiro dado”, verifica Norberto Pires, lembrando que o modelo do futuro QREN já está a ser experimentado a nível nacional com o programa piloto designado por Jessica. Um programa, que segundo explicou, não se tem revelado atrativo dada a sua obrigatoriedade de reembolso.

“Mas isto tem que mudar radicalmente”, regista o responsável, na certeza de que no próximo quadro “não vai haver dinheiro para dar, nem para mais obra”.

Segundo Norberto, Pires, o próximo pacote comunitário “será essencialmente para coisas imateriais” e até avisou que as portas estarão mais fechadas para o setor turístico, que já beneficiou de inúmeros apoios.

Pese embora o aviso do fim do “dinheiro dado”, Norberto Pires garantiu que não vai faltar dinheiro a Portugal. “No próximo QREN vamos ter valores muito parecidos com os do atual, entre os 18 e os 21,5 mil milhões de Euros”, referiu, notando porém que o co financiamento funcionará em modelo de empréstimo, sendo obrigatório o reembolso.

Em matéria do atual QREN, Norberto Pires destacou as verbas que por esta altura não foram executadas e até alertou para a possibilidade de os montantes poderem ser utilizados pelo governo para o pagamento de dívidas. “Não se admirem se isso acontecer”, referiu o responsável que, na região Centro tem sido responsável pela designada “ação de limpeza”, com vista ao acompanhamento de projetos que beneficiaram de comparticipação. “Muitas vezes estamos a obrigar à devolução do dinheiro”, contou.

Uma ação que já contemplou a região do Baixo do Vouga onde foi detetada “uma execução do QREN exemplar”. Um bom resultado que, no entender de Norberto Pires, muito se deve à “forte liderança” do “companheiro” Ribau Esteves que “foi capaz de fazer parcerias com os concelhos vizinhos”. O Pinhal Interior Norte, onde se insere o município Oliveirense, é a próxima sub região por onde a ação de limpeza vai passar.

LEIA TAMBÉM

Líder parlamentar do PSD questiona António Costa sobre a reconstrução das casas afectadas pelos incêndios.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, pediu ontem explicações ao primeiro-ministro sobre o reduzido número …

Presidente da Câmara de Oliveira do Hospital garante verba ainda desconhecida para reconstrução das segundas habitações depois de questionado pelo vereador do PSD

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, disse hoje que …