PS com quase metade das maiores câmaras

PSD sofre forte erosão no eleitorado urbano, mas o espaço aberto pelo seu recuo não é totalmente aproveitado pelo PS. Quem mais capitaliza são os independentes e a CDU.

O PSD aprofundou a sua faceta rural ao sofrer severas perdas nos grandes municípios do litoral. Se há quatro anos os sociais-democratas dominavam dez dos 24 grandes municípios portugueses (os que contam com uma população superior a cem mil habitantes), após as eleições de ontem viram a sua expressão reduzir-se para apenas cinco. O PS aparece agora como o partido com maior implantação nas grandes cidades (fica com 11 câmaras), mas o seu desempenho acabou por ser comprometido pelo avanço dos independentes, que ficam com Matosinhos, Oeiras e Porto e também pela conquista de Loures pela CDU, coligação que passa a controlar quatro dos maiores municípios nacionais.

Vistos à lupa, os resultados da noite de ontem comprovam a difícil situação do PSD junto do eleitorado urbano, por natureza o que é mais distante dos candidatos e mais disponível a avaliar o Governo nas autárquicas. Dos cinco maiores municípios nacionais (Lisboa, Sintra, Vila Nova de Gaia, Porto e Cascais), o partido de Passos Coelho controlava quatro câmaras. Depois dos resultados de ontem, ficou apenas com Cascais. Gaia, o terceiro concelho mais populoso do país no qual Menezes governou quatro mandatos, passou directamente para o PS. E, do ponto de vista político, o PSD sofreu ainda uma derrota maior: foi incapaz de segurar a segunda cidade do país.

Mas se o confronto directo entre socialistas e sociais-democratas foi ganho pelos primeiros nos municípios mais populosos, o desfecho nas capitais de distrito foi mais renhido. Porque aqui, na competição entre os dois principais partidos, intrometeram-se os independentes e a CDU. Em termos gerais, o PSD perdeu cinco das dez capitais de distrito que controlava (Vila Real, Coimbra, Porto, Portalegre e Faro), mas equilibrou o resultado ao conquistar os bastiões socialistas da Guarda e de Braga, um reduto controlado desde o 25 de Abril por Mesquita Machado. Saindo do território do continente e viajando até à Madeira, detecta-se aí o maior terramoto partidário destas eleições: o PSD perdeu sete das onze câmaras que controlava.

O PS tinha sete capitais de distrito e acabou por perder uma. Por causa dos conflitos internos em Matosinhos, que levaram à vitória do actual presidente numa lista de independentes, mas também por causa da forte ofensiva da CDU no Alentejo, que acabou por reconquistar Évora e Beja. Para compensar as cinco câmaras perdidas, o PS obteve importantes vitórias em Faro, Coimbra e Vila Real, a cidade natal de Pedro Passos Coelho que até agora tinha permanecido nas mãos dos sociais-democratas.

Com o novo mapa autárquico a sofrer uma forte coloração rosa e um recuo da tonalidade laranja em relação às eleições de 2009, podia supor-se que em causa estava apenas um braço-de-ferro entre os principais partidos. Nada mais errado. O fenómeno dos independentes alastrou das sete câmaras conquistadas em 2009. E se desta vez não houve listas de cidadãos em Gondomar nem no Alandroal por imposição do Tribunal Constitucional, os independentes mantiveram Oeiras, um dos mais ricos e populosos municípios do país, ganharam o Porto, Matosinhos e, entre outras vitórias, retiraram Portalegre da esfera do PSD – a lista vencedora é encabeçada por Adelaide Teixeira, actual presidente eleita pelos sociais-democratas.

Não foram só os independentes a introduzir alterações nas cores do território autárquico. Também a CDU foi capaz de fazer o tempo recuar, reconquistando não apenas Évora e Beja, mas também Loures, o sexto município mais populoso do país. E depois de ontem o distrito de Setúbal passa ainda a ser mais vermelho, após as conquistas de Grândola e de Alcácer do Sal ao PS.

O CDS foi capaz de sobreviver aos estragos sofridos pelo seu parceiro na coligação governamental e foi outro dos vencedores da noite: à tradicional praça-forte do partido em Ponte de Lima, o partido de Portas acrescentou duas vitórias nas regiões autónomas e outras duas no distrito do continente onde o líder do partido costuma concorrer como cabeça de lista às legislativas (Aveiro) – Vale de Cambra e Albergaria-a-Velha.

Mas se muitas coisas mudaram no país autárquico, outras permaneceram ancoradas na tradição. Viseu, a cabeça do império laranja, permaneceu fiel ao PSD. Mas a erosão nas bases provocada pelos independentes nascidos das cinzas das querelas partidárias parece até capaz de demolir as mais sólidas filiações partidárias. Em Aguiar da Beira, por exemplo, o ex-chefe de gabinete dos autarcas laranja decidiu concorrer por conta própria contra o seu partido, recebeu o apoio do PS e ganhou a câmara. Na Anadia, a lista de independentes informalmente liderada pelo ex-presidente do PSD Litério Marques bateu a lista do seu anterior partido.

Quando às questões programáticas e à análise do desempenho dos partidos, cada caso é um caso, como, aliás, sempre foi. Em Mourão, o município que menos investiu no país em 2012, o PS não foi penalizado pelos eleitores, e em Fornos de Algodres, cuja dívida vale 683% das receitas obtidas no ano passado, o PSD salvou-se igualmente da penalização nas urnas.

E se há casos em que os extremos se tocam, o PS fez disso um bom exemplo: tanto ganhou na capital do país como no Corvo, o mais pequeno município, com apenas 450 habitantes.

publico.pt

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …