PS

PS de Seia acusa Governo de impedir a concretização do maior investimento alguma vez anunciado para a região

A Comissão Política do Partido Socialista de Seia veio hoje publicamente manifestar o seu “mais veemente protesto” pela decisão anunciada ontem pelo Governo de cancelar a construção da Barragem de Girabolhos. Os socialistas de Seia consideram que, “depois de todas as expectativas criadas e das diligências feitas, bem como da salvaguarda dos impactos ambientais”, esta decisão “é altamente penalizadora para o desenvolvimento do concelho de Seia” e impede “a concretização do maior investimento alguma vez anunciado para a região”.

“Estranha-se que, ao longo do processo de reavaliação do Plano Nacional de Barragens, não tenha sido dada qualquer explicação aos municípios. Trata-se de um comportamento incompreensível e inaceitável, que ignora as mais básicas regras de cordialidade, violando, simultaneamente, o princípio do dever de lealdade e respeito institucional entre entidades legítimas num Estado de Direito” pode-se ler num comunicado, no qual aquela estrutura socialista diz ainda estar sempre “ao lado das populações” e nunca se inibir de “defender os interesses do concelho de Seia, independentemente da cor política do governo”. Aquela estrutura, acrescenta ainda, que não aceita esta decisão e promete solicitar “uma reunião, com carácter de urgência, ao Secretário-geral do PS e Primeiro-Ministro, de modo a esclarecer, cabalmente, uma decisão desta natureza, suas causas e consequências”.

O PS de Seia, faz ainda saber, que “mantém a sua autonomia, o seu espírito crítico e a cultura de exigência em relação ao poder central… tendo em vista a resolução dos grandes problemas” da região, particularmente nas áreas do emprego e das acessibilidades”. Os socialistas de Seia consideram ainda que relativamente a estas matérias o actual Governo tem de fixar compromissos. E, a concluir, afirmam que “não trocam a defesa intransigente dos interesses” do concelho de Seia “por qualquer estratégia de natureza partidária”.

LEIA TAMBÉM

“Aqua Village levou o nome de Oliveira do Hospital aos cinco continentes” numa caminhada “solitária”, atraindo no primeiro ano de actividade mais de 10 mil turistas

O promotor do projecto Aqua Village – Health Resort & SPA, uma infra-estrutura turística de …

Detidos incendiários em Viseu, Vouzela e Tondela

A Polícia Judiciária deteve um homem, de 41 anos, casado, servente de pedreiro, pela presumível …

  • João Albuquerque

    Os resultados da “geringonça” começam a aparecer. Rebentam com o dinheiro todo, depois tomam estas decisões. Entretanto na EDP os salários milionários são aumentados. No governo fazem-se contratos chorudos aos amigos, o BE fica satisfeito em aparecer e receber uma imensidão de ordenados dos seus boys nos grupos de trabalho, o PCP contenta-se em não privatizarem as empresas onde estão empregados os seus militantes e os sindicalizados para não acabar como partido.
    E vimos este PS entregar os nossos bancos aos vizinhos Espanhóis, garantindo assim a qualidade para o resto da vida dos principais intervenientes.
    Ainda há dúvidas que o PS só serve para roubar as instituições, o povo e a Pátria? Para mim não há.

    João Albuquerque

    • Basta de PS

      Apadrinhado pelos alemães, nascia o PS há 43 anos. Hoje, um dos seus secretários-gerais, está a trabalhar na Alemanha para a banca. Outro está a ser investigado pela Justiça. Sem esquecer ainda o apoio da CIA e de Bilderberg. Parabéns PS. Pobre Portugal…

      • Pintas

        E TAMBÉM AO PINTO BALSEMÃO&CIA…

        • Vermelhão

          É verdade. A esse e muitos mais. E sempre assim será. Uns mais que os outros. Nem percebo porque perdemos tempo com os que nos roubam a nível nacional. Não seria melhor restringirmo-nos à nossa insignificância, e dar-mos importância à nossa terra? Vejam os lambões que temos na nossa terra, que se julgam mais que os outros por terem ocupado cargos nacionais, mas que pela terra nada fizeram. Mas que a qualquer momento vão aparecer por aí com promessas.

    • Relojoeiro

      “Geringonça”?
      Então que dizer dos “guerrilheiros passortas” . e ” sus muchacho(a)s que, ao abandonarem – por força do voto democrático! – deixaram o “território” todo minado?
      Com um pouco de cuidado, e se deste “relógio” montado houver afinação, talvez que o tramontano PPD – esse dos da banqueira “geringonça” deste país, que tantos “lucros” nos deu, a todos – nunca mais nos incomode …