PS desafia José Carlos Alexandrino para se recandidatar em 2017

Os socialistas, após um balanço dos 18 meses do segundo mandato do PS na liderança da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, não têm dúvidas que José Carlos Alexandrino deverá apresentar-se novamente como candidato. O desafio para 2017 ao homem, que em 2009 assumiu os destinos do concelho, ficou no Fórum das Freguesias /Convenção Autárquica realizada no sábado, na Liga de Amigos da Lajeosa, que teve por objectivo fazer um balanço do mandato em curso.

Depois de muitos elogios num debate que contou com muitos elementos da concelhia, durante o jantar que se seguiu, o presidente da Federação do PS de Coimbra elogiou o trabalho feito pelo conjunto dos eleitos do PS no concelho. Mas a atenção de Pedro Coimbra centrou-se em José Carlos Alexandrino. Não só elogiou o caminho percorrido, como o desafiou a entrar na corrida pelo terceiro mandato. “As obras do concelho intenção não se fazem em dois anos. Quer isto dizer que vamos ter presidente da Câmara para mais seis”, desafiou. O líder da concelhia Carlos Maia também disse esperar que tal venha a acontecer. “Assim ele o queira e irá continuar a ter grandes companheiros de luta”.

José Carlos Alexandrino também fez um balanço positivo dos seis anos que leva à frente do município. Criticando os que agora tentam passar uma borracha sobre o passado e que foram responsáveis por uma “atraso de 20 anos” no concelho, o autarca diz que “fez mais em cinco anos que os seus antecessores em toda a vida”. E enumerou as obras realizadas, a boa captação de financiamento comunitário que possibilitou atenuar a redução das verbas provenientes das transferências do Estado e ainda a amortização de empréstimos existentes.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • António Lopes

    Pois… parece que anda a ser muito disputado, e como as eleições estão à porta… nada como ir prevenindo..! Na bola também é assim. Manifesta-se toda a confiança no treinador e ,ele, já sabe que vai a seguir..!

  • Rosinha

    Vamos à sondagem. Já me enganas-te, mas não enganas mais. O meu voto não levas TU!

  • Ele & Ela

    Credo, tudo menos isso! Só de saber que ainda tenho de gramar com esse “Presidente” por mais 2 anos… até me dá uma coisa má!

    Já chega de atraso e esbanjar de dinheiro em futilidades!

  • António Lopes

    Diz-se na Folha do Centro, que perdi as acções que intentei conta a directora daquele jornal e o Senhor Presidente da Câmara O senhor presidente da Assembleia, em exercício, dizia em Junho de 2006, na AM, que era contra a judicialização da política.Eu também sou.E foi por isso que não prossegui com estes processos.Acresce que estou de acordo com as sentenças, até porque, defendi esta posição no processo que o Dr.Paulo Rocha meteu contra o CBS e o Henrique Barreto, em que foram ambos condenados e que o então director, por influência e necessidade da maioria do Sr.Presidente da Câmara, provocou o acordo,que anda a ser pago pelo então director, posição com a qual não concordei.Na nova reforma judicial, tem sido entendimento e bem, dos tribunais, desvalorizar este tipo de incidentes da política.E só por isso houve o despacho que houve.Ainda assim foi dado o prazo de 20 dias, para abertura de instrução de que não fiz uso.Na sentença reconhece-se que poderia, através do processo, acautelar-se outros interesses, inclusivé indemnização.O que caiu, foi o crime de difamação.
    Acresce que já intentei junto da IGF e do Ministério Publico as acções tendentes a uma completa responsabilização do Sr.Presidente da Câmara,pelo que estes processos nada iam adiantar ao já proposto na justiça.Quanto à jornalista, como bem diz o Senhor Doutor Juíz e eu tenho repetido nos meus comentários e intervenções, o dever é escrutinar.Pena que só escrutine os cidadão e não o poder, que já não sou.Só fiz a acusação contra ela porque éra obrigatório, pois se não fossem acusados os dois, a queixa não podia prosseguir.Mas pronto cada um notícia o que quer, como quer..! Ficam as primeiras páginas das acções com o prazo para a instrução.O que afirmo, provo.Quando é que os meus adversários ganham esse bom hábito..?

  • Coerência

    O que mais aprecio é a coerência dos Socialistas e como se põem de acordo no “assalto” ao poder. Pedro Coimbra, logo que António Costa anunciou a sua candidatura a Secretário Geral, acusou-o de traidor. Agora, vem apelar ao voto numa pessoa com essas caracteristicas como a melhor solução para os Oliveirenses e Portugal. Será que esta gente não consegue ter um pouco de vergonha e coerência..? Pensarão estes senhores que estamos esquecidos que, António Costa, era o número dois de um senhor que está detido por fortes suspeitas de muitas e graves irregularidades..? Diz o Povo: “Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és..! Não há mesmo nada melhor..? Somos todos burros..?

  • António Lopes

    O que eu sei e leio, é isto. Mas andam por aí a dizer que estamos melhor..! Grave é que há quem os leve a sério, acredite neles e ache que são solução..!

    Dívida pública volta a subir no 1.º trimestre para os 130,3% do PIB – BdP (Banco de Portugal)

    Lusa 21 de Maio de 2015, às 11:37

    A dívida pública portuguesa aumentou ligeiramente no primeiro trimestre de 2015, atingindo os 226.276 milhões de euros em março, o equivalente a 130,3% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo o Banco de Portugal.

    De acordo com o boletim estatístico hoje conhecido, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, passou dos 225.280 milhões de euros em dezembro de 2014 para os 226.276 milhões de euros no final de março, um aumento de quase mil milhões de euros.

    Isto fez com que também o rácio da dívida sobre o PIB tivesse aumentado ao longo dos primeiros três meses do ano, dos 130,2% em dezembro para os 130,3% em março.

    Excluindo os depósitos da administração pública, a dívida também subiu no primeiro trimestre deste ano, para os 209.248 milhões de euros,depois de ter fechado o ano de 2014 nos 208.128 milhões de euros.

    Em termos de rácio da dívida líquida de depósitos face ao PIB, verificou-se também uma subida, uma vez que no final de dezembro a dívida líquida na ótica de Maastricht estava nos 120,3% do PIB e em março atingiu os 120,5%.

    Lusa/fim

  • Ele & Ela

    “o autarca diz que “fez mais em cinco anos que os seus antecessores em toda a vida”

    Se estiver a falar de festas e de tachos para os amigos, sem dúvida que é verdade!!! Agora trabalho a sério…

  • rks

    Que vá para sair pela porta pequena que é o que merece. Homem sem palavra, ou melhor com palavras em função da cara para todos ficarem contentes nem que seja a dizer mal dos amigos .E que leve o deputado Municipal que comprou a cadeira de Presidente da Assembleia para a fotografia ficar completa.