A dupla eleita pelo Partido Socialista na Assembleia de Freguesia de Oliveira do Hospital votou, em reunião daquele órgão autárquico realizada a 27 de Dezembro, contra as Grandes Opções do Plano (GOP) e Orçamento para 2008, propostos pelo executivo social-democrata, presidido por José Carlos Ferreira.

PS votou contra as GOP e Orçamento e acusa executivo de “navegar ao sabor dos ventos e das marés”

Em comunicado enviado ao diário online do Correio da Beira Serra, António José Faria da Cunha e Rui Dias justificam o voto desfavorável com a “falta de opções, imaginação e constante incapacidade de apresentar obras que o executivo vem demonstrando, ano após ano”. Segundo explicam, as Juntas de Freguesia vêem aumentadas, em 2008, as receitas do Fundo de Financiamento de Freguesia, mas – como se lê em comunicado – “mesmo assim, a Junta de Freguesia consegue apresentar um Orçamento com cerca de 12 mil euros a menos que no ano transacto”.

Faria da Cunha e Rui Dias falam de “manifestações de incapacidade para governar de forma capaz os eleitores da freguesia” e consideram que o orçamento proposto “não possui imaginação”, porque “não pretende colmatar as deficiências existentes na Freguesia” e “não toma em linha de conta votações que a Assembleia efectuou a propostas” apresentadas pelos socialistas e “aprovadas pela maioria dos elementos da Assembleia”. Esta é, de resto, uma crítica que fazem ao executivo em permanência, por entenderem que “uma votação da Assembleia da Freguesia é para ser cumprida e tida em conta, quer isso desagrade ou não”.

Na mesma reunião, a dupla socialista posicionou-se ainda contra o que apelida de “balanço cor-de-rosa “ apresentado pelo presidente da Junta de Freguesia relativamente ao último trimestre de 2007. “Assiste-se à apresentação se uma pseudo-panóplia de obras avulso”, referem os eleitos em comunicado, considerando também que “a freguesia navega ao sabor dos ventos e das marés, sempre em águas pouco profundas e sempre perto das margens, como convém aos timoneiros”, porque – acrescentam – “a arte e o engenho não dão para mais”. Mas, salvaguardam: “poderão contar com a nossa ajuda (…) no sentido de podermos fazer chegar este barco a um bom porto, um porto de modernidade onde os cidadãos desta freguesia sintam que podem lançar âncora”.

O voto favorável de Faria da Cunha e Rui Dias incidiu sobre o Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças para o ano de 2008 e o Regulamento do Cemitério Paroquial.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …