PSD acusa Governo e autarquia de Oliveira do Hospital de fazer festa à volta da requalificação da EN17 quando esta já poderia estar concluída

O PSD de Oliveira do Hospital considera que foi feita uma festa à volta da assinatura da requalificação da Nacional 17 pelo Presidente da Câmara Municipal, José Carlos Alexandrino, e o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, quando esta já poderia estar concluída ou em fase adiantada. Os sociais-democratas acreditam que o atraso na obra, que teria sido adjudicada pelo anterior Governo, sendo depois anulada por este executivo e agora retomada com a assinatura de um novo contrato, só teve um objectivo: o controlo das contas públicas. Um adiamento que se revelou, dizem, como “mais um sacrifício para os oliveirenses”.

“O que motivou este atraso? Será que assistimos, uma vez mais, ao sacrifício dos oliveirenses para que se o governo controlasse as contas públicas? Caso não fosse, não estariam todos os utentes da Nacional 17 a fazer uso de uma via reestruturada e já terminada nesta data?”, questionam os sociais democratas em comunicado, acusando o ministro do Planeamento e Infra-estruturas de não ter qualquer razão de atribuir a ausência de obras no IC6 ao Governo do PSD. “No anterior quadro comunitário, quando havia dinheiro para se concretizar o IC6, tendo à data um governante natural de Oliveira do Hospital [Paulo Campos], os oliveirenses assistiram à realização de obras acessórias em toda a parte do país, quando as obras prioritárias ficaram por realizar. O IC6 foi uma dessas obras prioritárias que ficou no papel”, lembram, recordando que foi o PSD que “teve de justificar as incongruências cometidas pelo governo PS à União Europeia”.

Reconhecendo que o ministro do Planeamento e Infra-estruturas tem razão quando diz que Todos temos a consciência de que Portugal não têm capacidade para realizar investimentos de milhões de euros sem apoios comunitários não tendo qualquer ideia de quando as verbas poderão surgir, os elementos do PSD reconhecem que Pedro Marques faz bem em não se comprometer com aquilo que sabe que não poderá realizar. “Pois, de facto, convém ao Senhor Ministro não fazer promessas quando as negociações, sobre vias rodoviárias, não são possíveis de cabimentar em sede de quadro comunitário. Tal como aconteceu em governos anteriores”, referem. E negam responsabilidades do PSD, frisando mais uma vez, que as obras para rodovias estavam previstas no anterior quadro comunitário de apoio e não foram aproveitadas pelo Governo de José Sócrates para concluir o IC6.

Promovem “falácias mascaradas de festividades”

Os sociais-democratas também criticam o presidente da autarquia, José Carlos Alexandrino, que acusam de promover “falácias mascaradas de festividades que se vão cometendo neste concelho. “Referimo-nos às promessas que são proferidas sobre o IC6 pelo senhor Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital. Desde a sua primeira candidatura que assistimos a declarações exuberantes, propagandistas e demonstrativas das suas boas relações com a nata do governo (mesmo quando este era da oposição), sem quaisquer resultados práticos para o nosso concelho”, referem.

E questionam o se o autarca “com o alarido criado à volta da requalificação da Nacional 17 não estará a tentar fazer esquecer a sua promessa de condicionar a sua recandidatura à continuação das obras do IC6. “Não estará o senhor Presidente da Câmara a tentar vender à nossa população gato por lebre?”, perguntam, rematando com uma exigência ao autarca para que este “se deixe de falsear as gentes do nosso concelho, porque estas não têm memória curta”. Isto, “na defesa, e no superior interesse de todos os oliveirenses”, concluem.

LEIA TAMBÉM

Nelo Silva é o candidato da coligação liderada pelo CDS à Bobadela

A coligação “Construir o Futuro”, liderada pelo CDS, e que integra o MPT e o …

Cooperativa Capital dos Frutos Silvestres, criada em Oliveira do Hospital, prevê produzir já este ano 100 toneladas de mirtilo e framboesa

Uma cooperativa de produtores de frutos silvestres prevê produzir este ano 100 toneladas de mirtilo …

  • António Lopes

    Senhor Eng.João Brito: Os homens têm que se fazer à vida.Se perdem as eleições já viu a volta que a vida pessoal deles dá? Uma boa meia dúzia vai para o desemprego e nunca mais de lá sai.O resto vai para os empregos oficiais (Estado), têm que se deslocar cem e duzentos Km e ganham metade.Ora é natural que se agarrem à “peça de louça com duas asas” (tacho) com as mãos todas e com muita garra..! Eu, até os compreendo.Acaso não se zangaram comigo quando lhes recomendei contenção e princípios? Era “a vez dos nossos”…E as guerras que foram para se entacharem..! Logo é natural este saltinbanquismo..!