PSD defende pronúncia e crítica atuação do executivo e Assembleia Municipal

 

… a lei e não abdicar das suas funções.

“A CPS do PSD não se manifestou contra a extinção de qualquer freguesia, pois o mesmo seria condenar no mínimo seis das atuais 21 freguesias à agregação”.

A clarificação surge à cabeça de um comunicado emitido pala recém eleita Comissão Política do PSD de Oliveira do Hospital, através do qual se opõe àquilo que foi a deliberação resultante da última reunião de Câmara, no sentido de parecer desfavorável à reorganização administrativa territorial autárquica.

A posição defendida pela estrutura dirigida por António Duarte vai assim no sentido de pronúncia naquela processo, entendendo ser “esta a atitude correta, séria e responsável” e que – adianta o PSD – vai de encontro com o trabalho feito pelos eleitos do PSD na Assembleia Municipal onde “desde a primeira hora sugeriram a criação de uma comissão com prazos e métodos razoáveis para estudar a melhor solução para a aplicação da lei”.

Uma sugestão que, chegou a ter efeito prático, mas que no entender do PSD pecou pelo modo como foi conduzida. “Esta precipitada e atabalhoada forma de dirigir a Comissão criada pelo presidente da Assembleia Municipal, ditou o fim da mesma quase sem qualquer trabalho realizado”, denunciam os social-democratas, que chegam ainda a considerar de “muito mau gosto” a “irónica proposta da extinção das 21 freguesias apresentada pelo presidente da Câmara, aquando da realização da segunda e última reunião da referida Comissão”.

Para o PSD, o caminho certo assenta no cumprimento da lei, cabendo por isso ao “executivo e Assembleia Municipal a pronuncia sobre quais e de que forma devem ser agregadas as freguesias”.

“Não podem, nem devem abdicar das suas funções e muito menos colocar o ónus da questão sobre os presidentes de Junta de Freguesia”, sublinha a estrutura laranja, lembrando os responsáveis pelo poder local de que “o manifesto da Troika foi assinado pelo, à data, governo PS e visava a Revisão Administrativa e a extinção de freguesias”.

“Não devemos ter memória curta”, sublinha o partido em comunicado, dando conta da sua disponibilidade para auscultar as populações e chegar à “melhor resolução” do problema que “na realidade foi criado pelo PS”. Para tal, adverte não estar disponível para pactuar com “as habituais festas e folclores promovidos pelo atual executivo camarário”.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …