PSD pede “ponderação e sensatez” no processo de reorganização das freguesias

 

Em carta aberta enviada aos presidentes de Câmara e Assembleia Municipal, a estrutura concelhia recomenda “ponderação e sensatez”, em vez de “permanente confronto de rua”.

A Comissão Política Concelhia do PSD escreveu aos presidentes da Câmara e Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino e António Lopes respetivamente. A motivar o envio da carta aberta estão os “acontecimentos recentes” relacionados com a Reforma Administrativa do Poder Local e que não merecem a concordância da estrutura dirigida por António Duarte.

Começando por esclarecer que a agregação de cinco freguesias resulta da “opção de não pronúncia promovida em sede de Assembleia Municipal”, os sociais-democratas não deixam de considerar “legítimas todas as formas de expressão pública de quem entenda manifestar a sua indignação”, mas exigem da parte de quem está à frente dos destinos concelhios uma “postura que vá de encontro aos anseios das populações no que respeita à manutenção daqueles serviços, tranquilizando-as relativamente a isso”.

“Não devemos promover o paradigma de manutenção de freguesia ou permanente confronto de rua”, entende a equipa dirigida por António Duarte que, fazendo questão de esclarecer que é “contra lei” e de por isso dar conta da sua solidariedade para com todas as freguesias afetadas, entende que “a tranquilidade e benefício das populações são bem mais importantes do que qualquer luta político-partidária”.

Aos responsáveis concelhios, o PSD exige “ponderação e sensatez” na forma como abordam a questão em torno da agregação de freguesia. Sob pena de, avisa a estrutura partidária, “as consequências que advenham de uma postura de apelo à conflitualidade serem nefastamente imprevisíveis”.

Na missiva que enviou a António Lopes e José Carlos Alexandrino, o PSD oliveirense aconselha à promoção, “sensata e cordatamente”, do “diálogo entre as populações afetadas”. “É fundamental afastar todas as dúvidas que as intranquilizem nesta matéria, assegurando que as suas necessidades, independentemente de se inserirem na Junta de Freguesia A ou B, serão atendidas pelo poder local”, defende a estrutura laranja que, “a bem da coesão e paz social” entende que não se devem acentuar factores de divisão na população”.

“É nosso dever promover sim consensos e soluções agregadoras que respondam às reais carências das pessoas”, insiste o PSD concelhio, certo de que “o município e as freguesias agregadoras têm efetivamente os meios para garantir a manutenção daquele nível de serviço público”.

Apesar da perda de cinco presidentes de Junta, os sociais democratas entendem que tal não é sinónimo de “uma diminuição do importante papel sócio-económico que estas estruturas têm na nossa sociedade local”.

“Fisicamente estas estruturas não desaparecem, mudarão eventualmente de designação e é nossa, agentes políticos locais, a responsabilidade em zelar para que esta lei nada mais altere do que isso: o nome da Junta”, referem, fazendo recair sobre o executivo municipal a responsabilidade de avaliar que tal assim acontece.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …