PSD também venceu em Oliveira do Hospital

 

De Norte a Sul do país a festa é pintada de laranja. Hoje, os portugueses foram chamados a votar e decidiram entregar a chave da governação nacional ao líder dos sociais-democratas, Pedro Passos Coelho.

Num ato eleitoral que ficou marcado por uma abstenção que se situou nos 41,1 por cento, o PSD foi a força política mais votada, vencendo na maioria dos distritos, incluindo regiões autónomas dos Açores e Madeira, com excepção de Évora, Setúbal e Beja, onde o PS foi vencedor.

O PSD terminou este ato eleitoral, decorrente do pedido de demissão do primeiro-ministro na sequência do chumbo do PEC 4, com 38, 63 por cento dos votos – elegeu 105 deputados –  relegando o PS para a segunda força mais votada (73 deputados), com 28,05 por cento. O CDS-PP de Paulo Portas alcançou 11,74 por cento dos votos e aumentou o número de deputados eleitos de 21 para 24, o PCP- PEV obteve 7,94 por cento e aumentou o número de deputados de 15 para 16. Pior prestação teve, contudo, o Bloco de Esquerda que, nestas eleições, foi ultrapassado pelo PCP e ficou-se pelos 5,19 por cento dos votos, acabando por assistir à perda de metade dos deputados eleitos em 2009, conseguindo eleger apenas oito.

No distrito de Coimbra, a boa prestação do PSD – venceu com 40,17 por cento – valeu-lhe a eleição de cinco deputados. Com 29, 18 por cento, o PS garantiu a colocação de três deputados. O CDS-PP conseguiu 9, 87 por cento e manteve o deputado, enquanto que o BE se ficou pelos 5,75 por cento dos votos e não conseguiu manter o deputado eleito em 2005.

A nível concelhio, o PSD venceu em 17 das 21 freguesias de Oliveira do Hospital. Ao PS valeram apenas as freguesias bastiões do partido: Ervedal da Beira, Lagares da Beira, Lajeosa e Alvôco de Várzeas. Nas restantes, o PSD dominou as preferências.

No total concelhio, o PSD venceu com 47, 68 por cento dos votos (5424 votos) e o PS ficou-se pelos 30,70 por cento (3492 votos). Com 8,55 por cento dos votos, o CDS-PP revelou, a nível concelhio, uma descida relativamente a 2009 (9,71 por cento) e que se traduziu em menos 254 votos.

Tal como aconteceu a nível nacional, também em Oliveira do Hospital, o BE (2,69 por cento) foi ultrapassado pelo PCP-PEV (2,93 por cento). A abstenção situou-se nos 40,91 por cento.

Para além de ditar a derrota do PS, as eleições realizadas hoje tiveram ainda como consequência o pedido de demissão de José Sócrates de Secretário Geral do Partido Socialista.

Sem maioria absoluta, o vencedor social-democrata prometeu “transparência total” e deixou a garantia de que irá contatar com o CDS-PP, no sentido de alcançar uma “maioria eleitoral”.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …