Imagem vazia padrãoReunido numa convenção autárquica, o líder do PS, José Francisco Rolo, criticou o facto de o concelho de Oliveira do Hospital ter vindo a perder posição, quando comparado com outros municípios do distrito de Coimbra, e deixou um alerta: “o concelho está a envelhecer e isso preocupa-nos".

“Éramos o terceiro concelho do distrito”

O Partido Socialista de Oliveira do Hospital reuniu-se, dia 26 de Janeiro, em convenção autárquica sob o tema “Construir a Alternativa e Gerar Desenvolvimento”.

O repto lançado pela comissão política concelhia, mereceu a resposta favorável de um número considerável de militantes e simpatizantes  – a sala do quarto andar do Hotel S. Paulo estava cheia e até António Lopes, da CDU, não deixou de marcar presença –, que ali se deslocaram para analisar temas relacionados com o poder autárquico, juntas de freguesia, desenvolvimento económico e empresarial, ambiente, acção social, entre outras matérias. Mário Ruivo, director do Centro Distrital da Segurança Social de Coimbra, Vítor Baptista, presidente da Federação Distrital do Partido Socialista e Jorge Bento, presidente da Câmara Municipal de Condeixa também acederam ao repto lançado pelo PS de Oliveira do Hospital.

O ambiente político que se vive no concelho desde a Primavera de 2006 não deixou de merecer destaque na convenção daquele que é o principal partido da oposição em Oliveira do Hospital. E a conclusão a que chegou o líder socialista, José Francisco Rolo, é de que “o PS tem a obrigação de salvar o concelho da irrelevância nacional”. O presidente da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista sublinhou o facto de o concelho de Oliveira do Hospital ter vindo a perder posição, quando comparado com outros concelhos do distrito de Coimbra. “Éramos o terceiro concelho do distrito, temos vindo a perder ritmo de desenvolvimento e rumo político”, considerou José Francisco Rolo, defendendo que “o concelho não pode esmorecer”.

Numa intervenção direccionada para o tema da Acção Social, o líder local do partido voltou a fazer alusão ao que já por sucessivas vezes – na condição de vereador da oposição – também fez, em sede de executivo autárquico. Sublinhou o facto de o Plano de Desenvolvimento Social se encontrar expirado e de ser urgente a sua revisão e defendeu a criação da Carta Social e Comissões Sociais de Freguesia. Paralelamente, fez alusão ao facto de o Centro de Actividades Ocupacionais da ARCIAL estar prestes a ser uma realidade, notando que o mesmo conta com o apoio do Governo mediante uma candidatura ao programa PARES. Destacou ainda o “magnífico” pavilhão de reabilitação da Santa Casa da Misericórdia de Galizes que “foi apoiado pelo Governo e é uma referência no alto distrito de Coimbra”.

Ainda na área da Acção Social, Rolo realçou a intervenção dos projectos Bem-Crescer e Agir destinado aos mais jovens. Mas, o elevado número de idosos e de casos de miséria detectados por todo o concelho não deixaram de merecer uma apreciação negativa por parte do líder do principal partido da oposição. “O concelho está a envelhecer e isto preocupa-nos. Há que proporcionar uma merecida qualidade de vida aos nossos idosos”, sublinhou, apontando também o dedo aos casos de miséria. “É a Comunicação Social que os inventa?” questionou Rolo, para no imediato considerar que os casos detectados até “vão sendo resolvidos com o contributo da Comunicação Social”.

“Que se acolham as emergências sociais”

Imagem vazia padrão

Na opinião do socialista, o que tem faltado à Câmara Municipal é “organização, planeamento e acompanhamento no terreno”. E foi com esta consideração que Rolo voltou frisar o facto de, por falta de modelo de gestão, o Centro de Emergência Social de Travanca de Lagos se encontrar de portas fechadas. “O centro foi concluído em Junho do ano passado e continua fechado. Ou seja, foram ali gastos 27 mil contos do dinheiro municipal que não servem absolutamente para nada”, frisou, aproveitando para desafiar o presidente da Câmara Municipal a equipar o edifício e a criar um modelo de gestão. “Se o Centro é de Emergência Social que se acolham lá as emergências sociais”, sustentou José Francisco Rolo, considerando que “não é assim que se planeiam as políticas de acção Social”. Para o socialista, importa que a Câmara Municipal dê prioridade ao pelouro da Acção Social.

Rolo sublinhou ainda a importância de o concelho – através da Fundação Aurélio Amaro Diniz e Sociedade de Defesa e Propaganda de Avô – passar a integrar a Rede de Cuidados Continuados. “É preciso trabalhar, juntar as pessoas e encontrar soluções”, concluiu.

Liliana Lopes

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …